Pular para o conteúdo principal

Manifesto pela vida real


Lendo um texto sobre as relações que terminam por mensagem de texto no celular, pensei sobre uma outra situação que me incomoda: os namoros ou começos de relação que desenrolam pelo mundo virtual. Eu me chateio bastante com isso, já fiquei muito irritada com a escassez de ligações e o exagero em chamadas para bate-papo. Qual é, tão frio e tão distante isso, sem calor, sem emoção. Acho que é o esconderijo dos covardes, eu admito que me escondo também, mas nem tanto quanto muitos. Afinal, ouvir a voz, sentir o cheiro, ouvir a respiração, sentir a energia correndo pelo ar é muito mais prazeroso que esse distanciamento virtual. O virtual é frio e opaco, muito fácil esconder sentimentos e deixar a espontaneidade de lado. Ser quem se é ao vivo e a cores não tem preço, não tem substituto. A vida transcorre aqui e agora, quanto tempo se perde digitando no teclado em vez de correr para os braços de quem se ama. Salvo as circunstâncias onde há uma grande distância geográfica, não há o que justifique o distanciamento virtual, a ausência. Não há o que justifique as lacunas que teclas rápidas despejando palavras deixam em nossa vida e em nosso coração.

Por isso, escrevo aqui esse manifesto, para que nós façamos uma reflexão do quanto perdemos em passar tanto tempo em frente à tela do computador, as pessoas que deixamos de curtir, de tocar, os amores que se perdem entre uma tela e outra, entre uma rede social e outra, entre um bate-papo e outro. Quantas vezes deixamos os livros e as revistas legais de lado para cansar as vistas em frente ao monitor, quantas vezes não ligamos apenas para dizer oi, pensei em você, quero lhe ver. Realmente, é um ganho em termos de aproximar as pessoas, mas uma lamentável perda para o social, o toque, o mundo físico e geográfico. 

Prefiro encontrar as pessoas que realmente gosto em uma festa, um encontro informal em mesas de bar ou nas praças, em lindas tardes de sol. Olhar nos olhos ainda é a melhor maneira de sentir uma pessoa, descobrir mais verdades sobre quem amamos. O valor do abraço é reconhecidamente curativo e calmante, o toque é a grande conquista do amor, o beijo é um encontro quase poético. Há mágica na vida, só quem endureceu para não perceber isso, há mágica em tardes de sol e em dias de chuva, há mágica em uma linda canção e uma dança improvisada na sala, há mágica entre olhares trocados ao acordar, há mágica nas salas de cinema e nos baldes de pipoca, há mágica em conversas descompromissadas e em declarações de amor in loco; há vida, mágica e poética no mundo. Nada como uma paquerinha na mesa de um bar, com aquele carinha que a gente curte, que nos curte, nada como conversar olhando no olho e sentindo a vibração da pessoa. Mais realidade, mais engasgadas de emoção, mais beijo na boca, mais mãos dadas, mais abraços, mais vida. E real, não virtual.

Comentários

  1. Vamos ver quanto tempo dura este otimismo todo! Mas é tão bom curtir uma paquerinha em uma mesa de bar...Parabéns, texto muito bem escrito!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada.

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

No próximo ano, lambuze-se

Os votos dessas festas de final de ano são iguais e repetidos ad infinitum mundo afora pela sua família, vizinhos, amigos, desconhecidos, desconfio de que até os mortos os repetem em seus túmulos. Blábláblá sem emoção jogado ao vento e nos ouvidos incautos de quem foge dessa hipocrisia morna e irritante. Portanto, serei sincera: desejo que nesse próximo ano, você se lambuze. Fique com o rosto sujo e a alma respingada pelo lambuzo. Descasque uma manga e coma sem cortar em pedaços, sinta o suco escorrendo pela sua boca, as mãos meladas. Lambuze-se. Vá mais vezes à pracinha de brinquedos com seus filhos e se lambuze de areia, sujeira e amor. Abrace sua mãe e seu pai, faça mais brincadeiras irônicas com seus irmãos, evite a irritação com comentários alheios. Lambuze-se de tolerância. Sinta que você pertence a você, mas permita que alguém se lambuze de você. Permita que se lambuze com suas palavras, seus gestos, suas atitudes, seus olhos, seu corpo.
No próximo ano, lambuze-se de amor-própri…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…