Pular para o conteúdo principal

Você não é vítima



Gosto muito da frase "quem vive de passado é museu". Extremamente significativa, encerra nela o fato de que a página deve ser virada, o capitulo esquecido e um novo começado. Simples, mas difícil de ser compreendida por um certo tipo de gente. Há um gueto de pessoas que se recusam a viver, desapegar do que quer que seja e de quem quer que seja, sempre se lamuriando de como a vida os injustiça, de como a morte pode acontecer, de como uma relação pode ter terminado, de como isso e como aquilo pode ter acontecido com eles, pobres e miseráveis coitados. Sempre são vítimas, sempre são mal-tratados, sempre são problemáticos, sempre falta alguma coisa neles, sempre, sempre. Não entendem que a vida é isso, mudança, impermanência, frustrações, aprendizado e é dessa miscelânea de experiências que amadurecemos, evoluímos. Não é no sim que crescemos, é no não, é nas derrapadas, nas rejeições, na dor. 

A diferença entre gente como nós que cresce, que aprende, que erra e acerta, que tem problemas mas os supera ou tenta, pelo menos, e esse gueto é que o povo guetiano-sofredor-eterno-rejeitado é que eles usam a dor para manipular, convencer o mundo de que nós precisamos gravitar em volta do umbigo deles. Se consideram as vítimas eternas, mas no fundo mesmo são pérfidos e malignos em sua mesquinhez. Não sabem ser felizes, não valorizam cada dia que passa, cada amizade que tem, cada abraço que recebem, cada realização que fazem, cada reunião familiar, cada oportunidade de criar, realizar e sonhar. Nada os contenta, nada os faz satisfeitos, nunca é suficiente. Tem compulsão em ser o centro do mundo e são fracos de espírito, por isso precisam fazer algum teatrinho para chamar a atenção ou pisar e humilhar quem está por perto.

Podem ser obsessivos, os eternos sofredores. Quando recebem um não martelam a palavra na cabeça o tempo todo "como o mundo pode ser tão incompreensivo com alguém como eu, justo eu, que só sofro?" e nessa ladainha eles infernizam a vida dos colegas, amigos e parentes. Se uma pessoa os rejeita, em qualquer situação, eles não tem a capacidade de entender que é assim mesmo. Na verdade, são prepotentes e arrogantes, mas imbecis demais para ter a dignidade necessária de fazer um mea-culpa e perceber que erram e que só porque foram rejeitados em uma proposta de trabalho ou uma relação de amizade ou afetiva não é o fim do mundo. São o tipo de pessoa que se atira no caixão dos pais chorando e, durante meses ou anos, chorará lembrando de como os pais eram bons ou etecétera. Mas esquecem das vezes que não deram refresco à essas pessoas, enquanto estavam vivas. Não são bons ouvintes e nem bons observadores, desde que suas vontades sejam atendidas, está bom. E, ainda tendo tudo nas mãos, reclamam eternamente. 

Tenho pena de gente assim, que não vive, se obceca pela idéia de vitimização e perturbam a quem quer que seja. Se rejeitados, desaforam quem lhes disse não e podem até ser obstinados perseguidores de quem ousar lhes causar qualquer frustração. São fracos e sórdidos de tão egocêntricos. Não sabem dividir a atenção e não sabem se fazer cativar. São aqueles que raream os convites para as festas, principalmente quando os percebem chatos e resmungões de tantas manias e queixas. São os que nunca entendem porque uma relação termina. São aqueles que fazem picuinhas entre seus irmãos e seu pais, em infantis disputas de território. São aqueles que acreditam que seus pensamentos devem ser atendidos e que nunca, mas nunca mesmo entendem que é para a frente que se anda.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

No próximo ano, lambuze-se

Os votos dessas festas de final de ano são iguais e repetidos ad infinitum mundo afora pela sua família, vizinhos, amigos, desconhecidos, desconfio de que até os mortos os repetem em seus túmulos. Blábláblá sem emoção jogado ao vento e nos ouvidos incautos de quem foge dessa hipocrisia morna e irritante. Portanto, serei sincera: desejo que nesse próximo ano, você se lambuze. Fique com o rosto sujo e a alma respingada pelo lambuzo. Descasque uma manga e coma sem cortar em pedaços, sinta o suco escorrendo pela sua boca, as mãos meladas. Lambuze-se. Vá mais vezes à pracinha de brinquedos com seus filhos e se lambuze de areia, sujeira e amor. Abrace sua mãe e seu pai, faça mais brincadeiras irônicas com seus irmãos, evite a irritação com comentários alheios. Lambuze-se de tolerância. Sinta que você pertence a você, mas permita que alguém se lambuze de você. Permita que se lambuze com suas palavras, seus gestos, suas atitudes, seus olhos, seu corpo.
No próximo ano, lambuze-se de amor-própri…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…