Pular para o conteúdo principal

Você não é vítima



Gosto muito da frase "quem vive de passado é museu". Extremamente significativa, encerra nela o fato de que a página deve ser virada, o capitulo esquecido e um novo começado. Simples, mas difícil de ser compreendida por um certo tipo de gente. Há um gueto de pessoas que se recusam a viver, desapegar do que quer que seja e de quem quer que seja, sempre se lamuriando de como a vida os injustiça, de como a morte pode acontecer, de como uma relação pode ter terminado, de como isso e como aquilo pode ter acontecido com eles, pobres e miseráveis coitados. Sempre são vítimas, sempre são mal-tratados, sempre são problemáticos, sempre falta alguma coisa neles, sempre, sempre. Não entendem que a vida é isso, mudança, impermanência, frustrações, aprendizado e é dessa miscelânea de experiências que amadurecemos, evoluímos. Não é no sim que crescemos, é no não, é nas derrapadas, nas rejeições, na dor. 

A diferença entre gente como nós que cresce, que aprende, que erra e acerta, que tem problemas mas os supera ou tenta, pelo menos, e esse gueto é que o povo guetiano-sofredor-eterno-rejeitado é que eles usam a dor para manipular, convencer o mundo de que nós precisamos gravitar em volta do umbigo deles. Se consideram as vítimas eternas, mas no fundo mesmo são pérfidos e malignos em sua mesquinhez. Não sabem ser felizes, não valorizam cada dia que passa, cada amizade que tem, cada abraço que recebem, cada realização que fazem, cada reunião familiar, cada oportunidade de criar, realizar e sonhar. Nada os contenta, nada os faz satisfeitos, nunca é suficiente. Tem compulsão em ser o centro do mundo e são fracos de espírito, por isso precisam fazer algum teatrinho para chamar a atenção ou pisar e humilhar quem está por perto.

Podem ser obsessivos, os eternos sofredores. Quando recebem um não martelam a palavra na cabeça o tempo todo "como o mundo pode ser tão incompreensivo com alguém como eu, justo eu, que só sofro?" e nessa ladainha eles infernizam a vida dos colegas, amigos e parentes. Se uma pessoa os rejeita, em qualquer situação, eles não tem a capacidade de entender que é assim mesmo. Na verdade, são prepotentes e arrogantes, mas imbecis demais para ter a dignidade necessária de fazer um mea-culpa e perceber que erram e que só porque foram rejeitados em uma proposta de trabalho ou uma relação de amizade ou afetiva não é o fim do mundo. São o tipo de pessoa que se atira no caixão dos pais chorando e, durante meses ou anos, chorará lembrando de como os pais eram bons ou etecétera. Mas esquecem das vezes que não deram refresco à essas pessoas, enquanto estavam vivas. Não são bons ouvintes e nem bons observadores, desde que suas vontades sejam atendidas, está bom. E, ainda tendo tudo nas mãos, reclamam eternamente. 

Tenho pena de gente assim, que não vive, se obceca pela idéia de vitimização e perturbam a quem quer que seja. Se rejeitados, desaforam quem lhes disse não e podem até ser obstinados perseguidores de quem ousar lhes causar qualquer frustração. São fracos e sórdidos de tão egocêntricos. Não sabem dividir a atenção e não sabem se fazer cativar. São aqueles que raream os convites para as festas, principalmente quando os percebem chatos e resmungões de tantas manias e queixas. São os que nunca entendem porque uma relação termina. São aqueles que fazem picuinhas entre seus irmãos e seu pais, em infantis disputas de território. São aqueles que acreditam que seus pensamentos devem ser atendidos e que nunca, mas nunca mesmo entendem que é para a frente que se anda.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …