Pular para o conteúdo principal

Uma camisa em minha pele


Dormi pensando em algumas camisetas ou camisas que usei para dormir, emprestadas de algum bofe, claro.  E em como nunca ouvi um oferecimento espontâneo "quer uma camisa para dormir?". Talvez tenha escutado alguma vez, mas deve ter sido tão raro que não lembro. Sempre acreditei que eles adorassem nos ver vestidas com suas camisas, mas não tenho comprovado muito na prática. Eu gosto de vestir suas roupas, desfilar pela casa com uma camisa arremangada, as bordas tocando levemente meu púbis e as nádegas e deixá-lo acreditando que ficam melhor em mim do que nele. A verdade é que acho extremamente erótica a sensação de estar com a roupa dele, a camisa sobre minha pele nua, a calcinha é opcional. O tecido que tocou a pele dele roçando de leve os mamilos e as costas, nossa, me deixa mais bêbada que um litro do meu amado Jack Daniel's, não no sentido alcoólico,  mas físico, químico e biológico.  É como se dormisse com o toque dele intensivamente, leve, etéreo. Como se sua boca não houvesse abandonado meu corpo, se suas mãos estivessem permanentemente aliciando meu desejo.
Com sua camisa sinto um poder quase sobrenatural, como se pudesse tudo, se estivesse em todos os cantos de seu pensamento. Imagino o que ele pensará ao vestir a camisa ou camiseta em algum outra ocasião e lembrar que meu corpo já esteve tão bem embalado pelo tecido que agora toca a sua pele. Vejo um sorriso leve em seu rosto ao lembrar do cheiro de minha pele impregnado, quando abandonei a camisa em cima da cama ao vestir minhas roupas. Imediatamente ele deve lembrar de como deixamos outros tecidos, dessa vez dos lençóis, revirados, espalhados pelo colchão ou até pelo chão e das nossas pernas enroscadas para dormir. Ah, quanto tempo faz que não sei o que é isso. Um intimidade indecente, luxuriosa, sexual, profunda, inebriante. Toques sutis, suaves, quase intangíveis, mas que marcam a pele como um carimbo tatuado, atestado de propriedade subliminar. Luxúria em grau máximo sem trocar um fluído sequer. Os melhores toques sexuais são exatamente aqueles em que não se toca, se insinua.
Usar a camisa do bofe é como um pacto de sexo e intimidade. No momento em que usamos uma peça de roupa do gostoso espécime masculino à nossa espreita estamos selando um acordo com ele: sim, estamos ligados. Não com rótulos ou promessas clichê, é um acordo tácito para que empreste novamente a camisa, que sinta meu cheiro nela quando for embora e lembre de mim ao usá-la, mesmo que já tenha sido lavada e usada tempos depois. Quero que sinta minha pele ao vestir a peça de roupa, que lembre das minhas nádegas rebolando suavemente ao caminhar, dos seios impressos debaixo do tecido. Quero que pense em mim, imagine cada momento maluco e perverso vivido na cama, no sofá, na mesa, nas cadeiras. É um acordo de desejo mútuo, de pensamentos depravados e malucos. Um acordo de desejo e carinho, quem sabe, de amor.
Sinto falta de usar uma camisa masculina para dormir, acompanhada, lógico. Falta dessa intimidade indecente que marca o dia e a noite, os sonhos, tudo. Sentir os pelos das pernas masculinas roçando as coxas e o hálito quente na nuca é de suspirar e sonhar acordada. Quero você e quero agora. Quero suas camisas, camisetas e qual peça há em seu vestuário, quero todas. Vestir suas camisas e jogar suas calças e cuecas pelo chão do quarto, esparramadas em um desordem sexual e visceral, quero suas meias perdidas em algum canto qualquer, seus sapatos separados. Quero você me agarrando com suas mãos e prometendo em seus olhos que essa cena se repetirá sempre, sem pressa, mas com fome. Quero você, meu lindo estranho. Me roube, leve ao cenário perfeito para uma loucura devassa. E empreste sua camisa. Ela ficará melhor em mim.

publicado originalmente em www.papodemulher.blog.br


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …