Pular para o conteúdo principal

Ai, que saco, vida de novela


Não aguento mais as xaropices da vida expostas tão ridiculamente na novela das oito. E resolvi escrever minha crônica da novela anunciada, que é para acabar com a ilusão do povo. Assisto pouca novela, lá de vez em quando um capítulo ou outro, mas nem precisa acompanhar para saber que é um saco. Passa dia, semana, mês e nada muda. Quer dizer, piora. Vamos à novela das oito, que é às nove. Gente, que é aquele Theo? Eu não queria nem fodendo um mala filhinho da mamãe daqueles. Pensa, amiga, é lindão, é querido, mas é um Titanic. E a mãe dele, ninguém merece uma sogra chata daquelas. O cara, que não é o meu tipo, tem uns 30 e poucos anos, trabalha, ganha mais ou menos, pode morar em outro lugar, mas não, o bebezão ainda mora com a mamãe. Alguém já viu ele pagar uma faxineira para tirar a véia da lida? Tem roupinha limpa, comidinha na mesa, casa montada, um tia solteirona que não serve para nada e fila bóia, uma casa cheirando a naftalina, tudo bem direitinho. Ele até pode levar a namoradinha para dormir em casa. Um luxo. Ele engana, confesso que até eu suspirei com o "cuido de você" que ele largou para a Morena. Conversa. O mauricinho tem coceirão (um termo que um amigo usa para as mulheres e adaptei para os homens) no pinto, não consegue ficar sozinho, aquele mala. NÃO SE GARANTE.

Morre de amor pela Morena, mas quando a sangue nos olhos bobeia, ele sai passando o rodo geral. Depois, fica suspirando e correndo lagriminhas pela casca (o homem é cara de pau, não tem pele, tem casca de madeira), lembrando da Morena e fazendo toda a mulher se sentir a última merda boiando no Tietê. Além de galinha e não se garantir sozinho, ele sempre deixa a imbecil que se apaixona por ele sabendo, mesmo sutilmente, que o amor dele é a Morena. Um otário, um frouxo. Aliás, frouxo é o que mais tem nesse mundo. Sério, amiga, foge dum diabo desses. Cilada descarada, o cara não tem opinião e nem atitude. Nem sei como a Morena não corneou ele ainda. E aquela mãe, o cara nunca dá um para-te quieta cortante na véia. Não precisa nem ser grosseiro, mas ser firme, o mauricinho é um bosta, deixa a parte pesada para as otárias que caem na lábia dele e ele sempre é o bom mocinho. Justiça seja feita, luta por penalizar os responsáveis no caso da Morena, mas o maldito coceirão não deixou que ele curtisse o luto sozinho, como adultos fazem. Ama imaturamente, não se garante. E pega geral. Agora, casou com a Érica, uma sonsa.

Vamos à Érica. A nora ideal, tão adequada, loira, linda e sem sal. Suspira o tempo todo e não perde a chance de correr atrás do Theo. Não tem amor-próprio, parece uma princesinha, mas pegou geral o batalhão, de Norte a Sul.  Está sempre disponível, basta ter um pinto que ela está lá. Para o chaTheo, nossa, ela é a legítima arroz de festa, sempre aguardando que ele estale os dedos. Só escapou o comandante e nem sei se ele escapou, também. Aquela lá é sonsa. Deu mais que todos os prostíbulos no horário nobre, mas a véia, a mãe do Theo e o próprio acham que é um anjo de candura. Mas bem feito pra véia, a sonsa já tá botando as garrinhas de fora, dando um chega pra lá na Dona Áurea. E parece que embarrigou do coceirudo do Theo. Eita homem otário e frouxo. Não demora muito e a sonsa tá fazendo todo mundo de bobo.

A véia é um caso sério. Preconceituosa, ultrapassada, nem um tricô decente ela faz. Vontade de pagar umas aulas de yoga para aquela chata ir dar uns rolê e parar de dar palpite furado na vida do filho. Falta dum véio assanhadinho que aquiete a falastrona. Bem feito para ela, tomou umas diretaças da que tanto defendeu, a Érica. Hipócrita, chamava a Morena de favelada mas nunca vi um barraco sequer da Morena com a véia. Só uma discussão e tal, mas nem eu aguentaria. E o filho é tão bem educado que nem a cueca ele lava. E ainda pegou a Lívia, que, diga-se de passagem, foi a única cena que assisti inteira. A morena tem sangue nos olhos, mas é tão bocaberta que nem para mandar passear aquele mauricinho do Theo ela mandou. Uma mulher de atitude que nem para se garantir e ficar sozinha, afinal, o cara nem esperava esfriar a cama que dormia com ela e já metia outra no campinho. Cartão amarelo para você. Despacha o Theo, Morena, esse não tem cura, tem coceirão e nenhuma atitude.

Mas o melhor casal é o Stênio e a Helô. Depois que ele percebeu que a delegada é a mulher da vida dele mesmo, desistiu de periguetear e não pegou mais ninguém. Se empenha em recuperar a ex e mostrar que é dela que gosta, que quer casar de novo (o que já fez o cara ganhar pontos comigo, ele sabe que não é retomar a antiga relação, mas sim, uma nova) e ser, enfim, feliz com aquela briguenta que é tudo de bom. Até parece que está dando mais moral para a filha, mas não afirmo pois não assisto sempre a novela. E a Helô, hein, quero ser como ela quando crescer. Não se abate com a frouxidão crônica dos bofes, que somem depois que sabem que é delegada. Dá um duro medonho no Stênio, mas é dele que ela gosta. Não confia nele pois acha que é um cafajeste, mas o Theo é mil vezes pior. O Stênio se garante, sabe que é gostoso, mas nem por isso pega geral. Sabe o que quer, até eu quero um Stênio para mim, um dos poucos caras de atitude nesse mundo. A Helô é faca na bota, não se abate e nem se micha, a única culpa que carrega é não ter dado mais atenção para a filha. Mas não tenho queixas desse casal, são o melhor de qualquer novela que assisti. Tirando a Laura e o Edgar.

Enfim, precisava desabafar sobre essa chatice que é a novela das nove. Mas mostra como tem homem frouxo nesse mundo. Homem que não se garante, que não assume o que quer. E como as aparências são tudo, a periguete mor da novela é a loira e linda com cara de santinha, mas repassou o batalhão, de Norte a Sul. É sonsa, nem sei se sabe amar, mas quer o chaTheo a todo pano.  Fica com o coceirudo, amiga Érica. Bofe otário nóis num qué.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …