Pular para o conteúdo principal

O verbo


Várias fases da minha vida passaram e todas tiveram seu verbo. O verbo odiar, o verbo descobrir, observar, dançar, embebedar e vários outros. Há algum tempo, conjuguei o verbo romper e depois dele veio o engatinhar, seguido do avaliar e do sentir. Hoje, aliás, há alguns meses, descobri o verbo contemplar. E que verbo! Ao contrário do que pode parecer, contemplar não significa ser um observador distante e passivo, mas sim, alguém que absorve a essência de tudo, de um raio de sol, de uma conversa com as amigas, de caminhar nas calçadas e admirar a arquitetura urbana (que é caótica), de um bom filme, de sua própria companhia, de uma música, de um almoço com a família. E dos bofes lindos com suas barbas ralas a desafiar nossa sanidade e auto-controle. Contemplar é um estado de espírito, uma maneira de curtir a vida por inteiro. Quando eu contemplo a lua cheia, por exemplo, sinto uma energia boa, uma força enorme para decidir, agir, viver. E jogo beijos para ela, sou uma fervorosa discípula.

Para contemplar eu aprendi a relaxar, amadurecer. Acho que só tendo segurança de quem a gente é e paz de espírito é que aprendemos a realmente enxergar a vida que se desenrola, se apresenta em cada segundo da nossa respiração. Posso contemplar com real participação, com entrega. Sinto uma integração com a vida, com a realidade e comigo, agora entendo realmente a frase tudo é uma coisa só. Contemplar é estar no mundo, de verdade. Sinto que hoje sou inteira, conectada com essa vida que pulsa o tempo todo. Contemplar é não ter pressa, aliás, nesse mundo moderno, rápido, desaprendeu-se a paz necessária para participar integralmente da vida. Contemplar é como fazer parte do Universo lucidamente, com um calor no peito e uma vibração real. Mas, antes de tudo, precisei contemplar a mim. E gosto do que vejo e do que vi. Entendi minhas sombras, tenho uma boa vizinhança em minha mente. E me aceito, embora ainda questione muito, serenei em relação a quem já fui.

Contemplei meu caos e não me abalei, aprendi a conviver com as dores, só assim elas passam e liberam o caminho para as alegrias tranquilas. Contemplo as criaturas que me rodeiam, deixo a luz me iluminar e a escuridão me abraçar. Contemplo meu coração e não luto contra ele e nem com a intuição, aliás, quando contemplamos, a percepção de tudo e de todos aflora e dá segurança para as decisões. Me sinto em paz, embora algumas turbulentas tentações teimem em assolar meu pensamento, ainda assim tento erguer os ombros e os olhos para esse mundo imenso que há por aí. E  para o universo infinito que existe em mim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

No próximo ano, lambuze-se

Os votos dessas festas de final de ano são iguais e repetidos ad infinitum mundo afora pela sua família, vizinhos, amigos, desconhecidos, desconfio de que até os mortos os repetem em seus túmulos. Blábláblá sem emoção jogado ao vento e nos ouvidos incautos de quem foge dessa hipocrisia morna e irritante. Portanto, serei sincera: desejo que nesse próximo ano, você se lambuze. Fique com o rosto sujo e a alma respingada pelo lambuzo. Descasque uma manga e coma sem cortar em pedaços, sinta o suco escorrendo pela sua boca, as mãos meladas. Lambuze-se. Vá mais vezes à pracinha de brinquedos com seus filhos e se lambuze de areia, sujeira e amor. Abrace sua mãe e seu pai, faça mais brincadeiras irônicas com seus irmãos, evite a irritação com comentários alheios. Lambuze-se de tolerância. Sinta que você pertence a você, mas permita que alguém se lambuze de você. Permita que se lambuze com suas palavras, seus gestos, suas atitudes, seus olhos, seu corpo.
No próximo ano, lambuze-se de amor-própri…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…