Pular para o conteúdo principal

Saudade é seu nome


Descobri que é aos sábados que a saudade grita no peito da gente, tomando conta do nosso pensamento. É quando não há trabalho ou qualquer outra atividade para ocupar nosso tempo que essa saudade assola o peito, gritando, chamando. A saudade tem um rosto, nome, voz, pele e corpo, transfigura-se em forma, som e movimento. E chamo por esse nome, meu coração anseia por ele. A saudade tem uma alma que entende a minha, que tomou conta dos cantinhos mais remotos do meu coração. E é sábado à noite que ela vem como uma ventania e deixa uma turbulência no peito. Levanta as teias mofadas do esquecimento e revira o corpo, a alma, os pensamentos, tudo. Saudade molha os olhos, mistura tristeza e alegria. Saudade é de longe o sentimento mais confuso que experimentei.

E a saudade personifica-se em um homem. Saudade é uma presença muito forte, deixa meus sentimentos ainda mais vívidos. Nunca havia prestado muita atenção à esse fato, de que saudade pode ter nome, sobrenome e endereço. Que a saudade é como uma borboleta ruflando de leve suas asas em nosso pensamento, em nossa face. Que a saudade pode repassar um filme em nossa cabeça, dar vida à lembranças; pior que isso, saudade pode fazer sonhar. E são esses sonhos os mais doídos. Não quero lembrar e nem sonhar, mas é impossível não ouvir a insistente campainha dos meus pensamentos. Tudo por causa de um homem feito de ondas e maresia, de gelo e de fogo, de teorias e sentimentos, de sensibilidade e força.

Quase posso sentir a presença dele, é uma sensação muito forte. Parece que ele me chama. Se eu não tivesse a absoluta certeza de que seria loucura, acredito mesmo que ele esteja pensando em mim. É estranho explicar, talvez seja só um fenômeno da saudade, uma fantasia. Mais um motivo que reforça como a saudade é um turbilhão confuso. E, ao mesmo tempo, deixa um aperto no peito. Já havia sentido saudade antes, mas dessa vez está mais complicado. Apesar de eu saber que a decisão de não encontrar mais com ele foi a melhor, ainda assim é impossível não pensar que nós seríamos bons juntos. Aliás, muito bons. É impossível não lembrar daqueles olhos me tragando para dentro dele, daquela voz quando conversávamos. Reler nossos papos nas redes sociais só me deixa mais roída de saudade. Estranho também é que não me entristeço, é como se ele estivesse aqui. Dentro do meu peito. Ele se instalou com suas mochilas e o ar de poeta desgarrado em meu coração, virou meu inquilino.

Como diz a letra da canção da banda Kid Abelha, ninguém me explicou na escola, ninguém vai me responder (Educação Sentimental II). E tudo começou quase como uma brincadeira, quase sem querer. Nem eu ou ele imaginávamos que poderia ser assim. Há momentos em que me pergunto se esses não são os de verdade, aqueles em que surgem pessoas realmente únicas nas nossas vidas. Se não há um desperdício de tempo e energia em ter medo, em ser covarde, em se refugiar nas cavernas inacessíveis em que nossas sombras habitam. Se não seria melhor simplesmente ouvir o coração (que, para mim, é o mesmo que a intuição) e seguir nossa vida conforme nossos desejos. Um amigo psicólogo falou, há muito tempo, para mim e uma amiga, que a pior traição, é trair nossos desejos. Acredito que ele quis dizer vencer o conformismo, o medo e as travas que não nos levam a uma vida rica em experiências.

Saudade, no meu caso, tem nome. E tem lembranças, vontade, medo (muito medo). Porque sei como poderia ser, sei que poderia amar esse homem, algum dia. Acredito que essa saudade dói mais porque sei como seria nós dois. Ao mesmo tempo em que tenho muita raiva dele, que quero esquecer. Confuso, não? Pois é, para mim, é novidade. Ainda não entendi os mecanismos complexos dessa saudade e nem onde vai me levar. Mas, vocês podem ter certeza, se os ventos soprarem ao meu favor, conto tudo. E conto bem alto, que minha felicidade grita. Até o próximo sábado à noite, Saudade, nos vemos por lá.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…

Equilíbrio

Ela desligou seu coração. Tantas vezes tentou ser ela, se envolver, sentir. E nada. Desistiu do envolvimento, agora era pura carne. Vestiu seu lado predadora e foi assim que decidiu viver, daquele dia em diante. Ela se sente em suspenso, num limbo, mera observadora de sua vida. Nada sente, ninguém abala, remexe ou modifica as batidas de seu coração. Nenhuma ligação ou mensagem a esperar, nenhum toque no interfone, campainha ou o que for. Seu cérebro ansioso CID 10 - F41.1 se transformava em um redemoinho de pensamentos quando seu coração descompassava. É doentio e masoquista ter afeto por alguém, a deixava com pensamentos recorrentes, ideias fixas, dor. Pensando bem, nem relacionamento meramente sexual. Seu mundo fechado e isolado dos outros era confortável. Doente, mas confortável em seu silêncio repleto de barulho, em suas sombras.
Filmes e seriados eram melhores companhias do que a presença de um homem. Preferia assim desde sempre, apenas mais jovem não tinha tanta segurança, o que …