Pular para o conteúdo principal

Levando o fim


Quando não se sabe o que quer ou precisa, vivemos uma ilusão, a de que somos felizes, que estamos realizados. Acreditamos que temos tudo na vida e que estamos completos. Mas uma voz lá no fundo, aquela voz que insistimos em não ouvir, sussurra que falta algo ou alguém. Vivemos cegos para a realidade, para os vazios, para as faltas. Por isso tentamos de várias maneiras enganar nossa voz, fingir que está bem. Na verdade, há faltas que são ausências silenciosas e insistentes. Quando você se dá conta disso, é como um baque, uma represa liberando a torrente de água inteira em sua cabeça.

Um dia, um belo dia, você tem uma relação de vários anos que entra em crise, aliás, é você quem entra em crise. Aquela voz, lembra, a que você ignorava. Ela já grita e é impossível desfocar. De repente, todas aquelas noites em que você não dormia de conchinha e achava que não eram necessárias passaram a lhe assombrar. Todos os olhares que vocês nunca trocaram entre os travesseiros transformam-se em angústia. Todas as piadas particulares nunca entendidas através de olhares são uma lâmina cortando sua ilusão. A ilusão que você queria acreditar, a de que estava feliz, que havia encontrado uma grande parceria afetiva. Você percebe que não tem o que sempre quis, talvez porque não havia se perguntado o que realmente queria. Quando não se sabe o quer, aceita-se o que não quer.

Teimamos em não olhar para dentro do nosso coração, tudo que você quer e não entendia que queria começa a fazer falta. E como faz falta, surge em várias situações diferentes, como nos assombra. Você tenta fingir, mas não consegue. Relação rompida. E você percebe que pode ter isso. Percebe que você não é o problema, que casais permanecem juntos pelos motivos errados. Aliás, resolvem ter uma relação  pelos mesmos motivos errados. Mas um dia nosso coração já não se contenta com as mentiras que contamos, já não há argumentos que sustentem a situação, fingir acreditar que está tudo bem é uma opção inválida. Surge a angústia, resultado da batalha entre o que você acha que deve querer e o que realmente quer. O vazio, aquele que sempre lhe incomodava quando estava com a pessoa, transforma-se em um buraco negro lhe tragando. Você vai percebendo que o sexo sempre deixava a desejar, um incômodo questionamento, uma falta.

É inevitável a sensação de que se aquela relação não der certo é um fracasso pessoal. E tem o medo do novo, de uma nova realidade, de uma nova relação que pode surgir. O medo de como será sua vida, como será a reação dos outros. E você descobre que os outros não tem nada a ver com isso, que é a sua vida e suas frustrações que estão na balança. É impossível continuar se enganando. Você tem que aceitar: essa vida não lhe serve mais, essa pessoa não tem nada a ver com seus sonhos e planos atuais. Acabou, fim. Mas dar fim é uma tarefa árdua, sofrida e desgastante. E vale muito a pena!

Dar adeus a alguém é dar adeus à um pedaço da sua vida, uma parte da sua história fica para trás. E faz parte do amadurecimento pessoal aceitar que junto com o fim da relação vão embora equívocos, algumas neuroses e, talvez, um padrão familiar que nunca lhe serviu, mas, sem perceber, você repetiu. Sim, repetimos comportamentos e neuroses dos nossos pais, mesmo tendo ojeriza a isso. É uma repetição disfarçada, inconsequente e você percebe à medida que o tempo passa. Mas que pode, durante o tempo em que você sustenta a relação, minar sua vontade, levar embora sua paciência e trazer angústia e ansiedade. Ainda bem que um dia o balde transborda. E a vida se apresenta para quem quer lhe conhecer, o acaso pode transformar pequenas descobertas em ouro puro. E você, revive, renova. Como uma borboleta tardia que sai do casulo.

publicado originalmente em www.papodemulher.blog.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

No próximo ano, lambuze-se

Os votos dessas festas de final de ano são iguais e repetidos ad infinitum mundo afora pela sua família, vizinhos, amigos, desconhecidos, desconfio de que até os mortos os repetem em seus túmulos. Blábláblá sem emoção jogado ao vento e nos ouvidos incautos de quem foge dessa hipocrisia morna e irritante. Portanto, serei sincera: desejo que nesse próximo ano, você se lambuze. Fique com o rosto sujo e a alma respingada pelo lambuzo. Descasque uma manga e coma sem cortar em pedaços, sinta o suco escorrendo pela sua boca, as mãos meladas. Lambuze-se. Vá mais vezes à pracinha de brinquedos com seus filhos e se lambuze de areia, sujeira e amor. Abrace sua mãe e seu pai, faça mais brincadeiras irônicas com seus irmãos, evite a irritação com comentários alheios. Lambuze-se de tolerância. Sinta que você pertence a você, mas permita que alguém se lambuze de você. Permita que se lambuze com suas palavras, seus gestos, suas atitudes, seus olhos, seu corpo.
No próximo ano, lambuze-se de amor-própri…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…