Pular para o conteúdo principal

Reflexões para a minha amiga


Bah, mulher, você diz que em vez de consultar o Google vai consultar a mim, hehe. Acho tão engraçado, mas fico feliz que me veja dessa maneira. Feliz que possa ajudar alguém na caótica vida afetiva dos tempos modernos, mas a minha não está lá nos trilhos, enfim. Acho que meu orgulho fez com que quebrasse tanto a cara, conduzisse minha vida de uma maneira tão rígida para, apesar de tudo, arrumar confusão maior do que se deixasse meu coração falar. Brigona, teimosa, e cheia de teorias da conspiração, essa era eu. Bem, continuo teimosa e com algumas teorias, mas deixo as brigas para o momento certo e sempre com bom senso. Troquei o orgulho pela dignidade e pelo respeito próprio, fiz uma ótima troca. Então, lhe digo, amiga: essa história de ouvir mais a cabeça que o coração é merda pura. Porque a cabeça lê o racional, o palpável, mas aquele quê intangível só o coração nos diz. Óbvio que não podemos nos cegar pelos nossos desejos, mas ainda assim será sua cabeça neurótica que vai ignorar os sinais do coração. A cabeça ignorará mesmo os sinais de que esse caminho deve ser abandonado e  de que você deve seguir aquela curva que levará para bem longe do que lhe dá desamor e migalhas, se você não estiver segura de quem é. 
O cérebro vê sua loucura e desejo, seu coração vê o intangível, o impalpável. Seu coração verá o amor ou a possibilidade dele e enxergará longe, verá os eventuais problemas, mas as certeiras alegrias miúdas. Seu coração verá aquela luz especial nos olhos dele e terá uma voz que lhe dirá pegue o telefone. Em seguida, ele ligará. O coração tem a conexão mais estranha com o mundo. O cérebro apenas entende o que é a razão. Mas a razão limitada e restrita. Por isso, lhe digo, o adequado não será o certo e falo isso por experiência própria. Ser conivente com padrões nem sempre pode ser uma boa idéia. Ah, perde essa mania de falar que não quer compromisso. Pode ser conveniente para seu ego, sou a poderosa, mas quem disse que o futuro não lhe reservará uma emoção bonita? E o bofe, caso se apaixone, vai olhar para você e lhe dizer, agora é tarde. Pare de falar isso, o coração trai nossa razão. Graças a Deus.
Não tenha medo de ser você, mas segure esse seu gênio, hehehe. Se a raiva é grande, suma um tempo, faço isso. Ou, então, diga que agora não pode falar. A maioria das discussões são estéreis. Não irá a lugar algum e sofrerá um desgaste desnecessário. E fará com que o bofe repense se você é tão legal assim. Pessoas são diferentes. Aceitar que o outro pensa diferente e não vive 24 horas por dia em nossa volta ou pensando em maneiras de nos sacanear, ajuda muito. Acredite em você, em seu poder, em sua sedução. Quem foi o lazarento que lhe disse que não tem essa sedução? Manda ele pro raio que o parta.
Aceite, amiga, a escorregada, o medo e o desejo como partes integrantes da vida adulta. Aceite o caos, aceite a vertigem, aceite você. Aceite o carinho e a atenção que alguém lhe dá, pare de se sabotar. Olhe para a mulher que enfrentou e enfrenta lutas que outras abandonaram egoistamente. Tenha orgulho de quem você é, da amiga super legal, divertida e inteligente, com um jeito eternamente molecona, sorridente, atucanada mas muito humana, afetiva e preocupada. E, inclusive, aceite que é alguém muito especial e que será muito amada por um bofe lindo, qualquer dia desses.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …