Pular para o conteúdo principal

Quem manda em mim sou eu


Acabei de ler um post em uma rede social sobre como delegamos poderes aos outros de nos magoar, entristecer ou enraivecer. Exatamente o que penso, a dor é minha, você causou porque eu permiti. Permitimos o tempo todo invasões, ofensas diretas ou veladas, desamor, migalhas, humilhações. E tem o reverso da medalha, aquela pessoa que praticamente pede que o parceiro lhe dê motivos para ficar, como se fosse o parceiro quem decidisse e não você. Quando pedimos motivos para ficar em uma relação é porque dentro de nós, não há mais motivo algum, sentimento algum e vontade alguma de ficar. Apenas o hábito, o comodismo e o medo. E penso assim porque foi assim comigo e com a maioria absoluta dos ex casais que conheço. Se não tivesse vivido na pele, não me convenceria. Mas meu coração sempre soube todas as respostas que minha covardia e conformismo não me deixavam enxergar. Ou aceitar. Eu deleguei ao agora ex o poder de me dar motivos para ficar, pedia, cobrava e sempre avisei; está me deixando escorrer pelos dedos. Mas eu queria que ele me desse razões para ficar quando na verdade eu sabia que havia acabado. O que nos unia era uma história em comum e algumas neuroses, mas não havia amor em ambos os lados. Quem ama, se importa e esse é o único motivo para ficar.

Quem ama cuida diligentemente se a camisa está cheirando a amaciante, se foi bem passada (sou neurótica com camisas bem passadas, já fiquei mais de meia hora passando uma só, hehehe), se come direito, se os amigos são boa gente, se a vida está legal. Cuida se ela não borrou o batom, se usa vestidos que a realcem, se tem cólica, se quer comer alguma comida diferente, enfim, essas bobagens e outras mais sérias. Quem ama, inclusive, deixa livre, quer que o outro seja feliz. Infelizmente, as pessoas são mais ligadas à relação do que às pessoas. Manter a relação é mais importante do que estar inteiro com alguém. Sei disso, também me prendi mais ao relacionamento do que a ele e vice-versa. Mostrar que mantém alguém ao seu lado é mais importante do que a felicidade do outro e a sua própria. Valores invertidos, infelizmente. Acredito que seja parte desse mundo capitalista, onde ter sucesso (mesmo que aparente) é mais importante do que ser feliz, íntegro.

Dar ao outro o poder de manter a relação é uma maneira de ser covarde. E uma grande oportunidade para ser magoado e driblado. Nos agarramos aos clichês para poder ficar, é como uma cortina em nossos olhos. E o poder de nos manter por perto ou é atitude de gente manipuladora ou transformamos o outro em manipulador; ele (a) aprende que é só fingir que mudou um tempinho para acalmar a fera. Fera calma, volta tudo como antes. E a rapidez com que tudo volta ao que era aumenta à medida que o outro vê que é só manter as aparências de que mudou para, então, ser como se é. A verdade é que somos covardes até para decidir. Para mim foi difícil, muito difícil terminar uma relação de tantos anos, mas dei poder demais a ele e nada mudava, quando quem podia decidir era eu e só eu. Até que um dia, a gota d'água aconteceu. Um balde cheio de tentativas frustradas, de palavras duras, conversas sérias, lágrimas, confusão, angústias transbordou. Não conseguia encontrar mais desculpa alguma que me mantivesse com ele, que segurasse aquela relação.

Percebi que o poder de decidir é só meu. Só eu posso saber o que meu coração diz, só eu posso evitar mais angústias, mais dores, mais desrespeitos. Só eu sou Senhora e dona do meu Destino, só eu posso construir essa estrada, quem manda em mim sou eu. Estrada essa em que me mantenho sozinha, por enquanto. Mas, quem sabe, em alguma curva ou subida íngreme (porque para mim sempre tem que ser complicado, hehe) eu encontre O alguém, O cara. Alguém a quem eu não precise encontrar desculpas que me façam ficar. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …