Pular para o conteúdo principal

Amor e boas risadas


Lendo um texto em outro blog sobre a seriedade nas relações e como as pessoas deixam a relação pesada com a falta de bom humor, fiz uma reflexão. O autor dizia que as relações terminam porque há falta de leveza e não falta de amor. Eu discordo totalmente. Acho que a rigidez e a seriedade, são falta de amor sim, mas de amor próprio. Gente que não se perdoa, morre de vergonha ao cair sentada no chão, que sente vergonha de roupas, de gargalhadas, de emitir algum som estranho e tudo o mais, são pessoas que querem demais agradar aos outros e esquecem da agradar a pessoa mais importante, ela mesma. E quem não se ama e não se aceita, sério, como ser aceito pelo outro? São aquelas mulheres que parecem manequim de loja, vestem-se padronizadas, sem um toque de criatividade; são aqueles homens que parecem estar de uniforme. Pessoas que tem medo de fazer papel ridículo, que morrem de vergonha de qualquer deslize e cobram do outro estar "adequado", não envergonhá-los, reprovação em si e ao seu redor. 

Acredito que é falta de amor próprio ser tão adequado, tão limpinho, tão certinho. Aquela gargalhada fica contida na garganta, afinal, o que os outros irão pensar? Quebrar um copo ou perder uma chave é coisa de gente lerda, estabanada e ridícula. Quem disse? Ser autêntico e assumir que faz dessas de vez em quando é bem menos vexatório do que viver com culpa, estar policiando seus atos a todo momento. E policiar os do parceiro, também. Por isso, entendo os homens ou mulheres que passam tanto tempo fora de casa. Já não cometemos crimes e não estamos sujeitos a esse tipo de julgamento, mas se chegar em casa significa submeter-se a um verdadeiro tribunal, mesmo que silencioso, melhor qualquer outro lugar. Um comportamento como esse é típico de quem nunca está feliz e não se ama. E, o pior, é que automaticamente, julga o outro, culpa o outro e condena. 

Evidente que ter sempre reações esquisitas, bancar o engraçadinho é muito chato. Mas falo de situações normais, todos estão sujeitos a deslizes, cometer gafes, falar besteira. Eu, por exemplo, puxo o elástico da calcinha na rua. Quando a calça é muito apertada, faço ginástica e não me importo com os outros, a calcinha incomodando é muito pior. E não vou esperar para entrar em algum lugar e usar o banheiro. Puxo ali, na hora. Sem constrangimentos. Claro que se estou em um roda de amigos não faço isso, mas quando há várias amigas, sem problemas. No final, ninguém dá tanta bola assim. Imagina se um cara me recrimina por isso? Ou debocho dele, ou lanço meu olhar fulminante (sim, tenho um olhar fulminante).

Lógico que há pessoas que tem atitudes escatológicas de propósito ou  várias manias e não admitem as alheias e nem frexibilizam a convivência. Ou é do jeito deles ou de jeito nenhum. Você se estressa, se irrita e percebe que aquela pessoa é egoísta. Faz de tudo para lhe provocar e fazer com que você se ache maluco. Tenho certeza de que nesse trecho você riu. Ou já foi assim ou, mais fácil, conhece alguém assim. Ainda bem que esse tipo de gente não é tão comum encontrar. 

Tenho certeza de que quem se ama, se respeita e se perdoa. A auto-aceitação é pré-requisito para viver de bem com a vida e de bem com o outro. Amar e não fiscalizar tanto quem vive esquecendo de algo ou sempre esbarra nos móveis. Queimar a comida às vezes não é nenhuma catástrofe, comeremos de qualquer jeito. Se você der um esbarrão em mim enquanto dorme, paciência. Se permita e me permita ser ridículo de vez em quando, permita-se o caos, a gargalhada, o choro, a emoção. Permita o palavrão no jogo de futebol, a minissaia em sua mulher que tem belas pernas, use camiseta de banda de rock. Permita uma gafe de vez em quando e que seu parceiro ou parceira dê aquela debochada de alguém. Não desrespeitou a você e nem a si mesmo, beleza. Mas permita que seu amor não seja um relacionamento sério, mas sim, um relacionamento divertido, leve, alto astral. Afinal, amor e boas risadas são uma combinação perfeita, não acha?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …