Pular para o conteúdo principal

Amor e boas risadas


Lendo um texto em outro blog sobre a seriedade nas relações e como as pessoas deixam a relação pesada com a falta de bom humor, fiz uma reflexão. O autor dizia que as relações terminam porque há falta de leveza e não falta de amor. Eu discordo totalmente. Acho que a rigidez e a seriedade, são falta de amor sim, mas de amor próprio. Gente que não se perdoa, morre de vergonha ao cair sentada no chão, que sente vergonha de roupas, de gargalhadas, de emitir algum som estranho e tudo o mais, são pessoas que querem demais agradar aos outros e esquecem da agradar a pessoa mais importante, ela mesma. E quem não se ama e não se aceita, sério, como ser aceito pelo outro? São aquelas mulheres que parecem manequim de loja, vestem-se padronizadas, sem um toque de criatividade; são aqueles homens que parecem estar de uniforme. Pessoas que tem medo de fazer papel ridículo, que morrem de vergonha de qualquer deslize e cobram do outro estar "adequado", não envergonhá-los, reprovação em si e ao seu redor. 

Acredito que é falta de amor próprio ser tão adequado, tão limpinho, tão certinho. Aquela gargalhada fica contida na garganta, afinal, o que os outros irão pensar? Quebrar um copo ou perder uma chave é coisa de gente lerda, estabanada e ridícula. Quem disse? Ser autêntico e assumir que faz dessas de vez em quando é bem menos vexatório do que viver com culpa, estar policiando seus atos a todo momento. E policiar os do parceiro, também. Por isso, entendo os homens ou mulheres que passam tanto tempo fora de casa. Já não cometemos crimes e não estamos sujeitos a esse tipo de julgamento, mas se chegar em casa significa submeter-se a um verdadeiro tribunal, mesmo que silencioso, melhor qualquer outro lugar. Um comportamento como esse é típico de quem nunca está feliz e não se ama. E, o pior, é que automaticamente, julga o outro, culpa o outro e condena. 

Evidente que ter sempre reações esquisitas, bancar o engraçadinho é muito chato. Mas falo de situações normais, todos estão sujeitos a deslizes, cometer gafes, falar besteira. Eu, por exemplo, puxo o elástico da calcinha na rua. Quando a calça é muito apertada, faço ginástica e não me importo com os outros, a calcinha incomodando é muito pior. E não vou esperar para entrar em algum lugar e usar o banheiro. Puxo ali, na hora. Sem constrangimentos. Claro que se estou em um roda de amigos não faço isso, mas quando há várias amigas, sem problemas. No final, ninguém dá tanta bola assim. Imagina se um cara me recrimina por isso? Ou debocho dele, ou lanço meu olhar fulminante (sim, tenho um olhar fulminante).

Lógico que há pessoas que tem atitudes escatológicas de propósito ou  várias manias e não admitem as alheias e nem frexibilizam a convivência. Ou é do jeito deles ou de jeito nenhum. Você se estressa, se irrita e percebe que aquela pessoa é egoísta. Faz de tudo para lhe provocar e fazer com que você se ache maluco. Tenho certeza de que nesse trecho você riu. Ou já foi assim ou, mais fácil, conhece alguém assim. Ainda bem que esse tipo de gente não é tão comum encontrar. 

Tenho certeza de que quem se ama, se respeita e se perdoa. A auto-aceitação é pré-requisito para viver de bem com a vida e de bem com o outro. Amar e não fiscalizar tanto quem vive esquecendo de algo ou sempre esbarra nos móveis. Queimar a comida às vezes não é nenhuma catástrofe, comeremos de qualquer jeito. Se você der um esbarrão em mim enquanto dorme, paciência. Se permita e me permita ser ridículo de vez em quando, permita-se o caos, a gargalhada, o choro, a emoção. Permita o palavrão no jogo de futebol, a minissaia em sua mulher que tem belas pernas, use camiseta de banda de rock. Permita uma gafe de vez em quando e que seu parceiro ou parceira dê aquela debochada de alguém. Não desrespeitou a você e nem a si mesmo, beleza. Mas permita que seu amor não seja um relacionamento sério, mas sim, um relacionamento divertido, leve, alto astral. Afinal, amor e boas risadas são uma combinação perfeita, não acha?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

No próximo ano, lambuze-se

Os votos dessas festas de final de ano são iguais e repetidos ad infinitum mundo afora pela sua família, vizinhos, amigos, desconhecidos, desconfio de que até os mortos os repetem em seus túmulos. Blábláblá sem emoção jogado ao vento e nos ouvidos incautos de quem foge dessa hipocrisia morna e irritante. Portanto, serei sincera: desejo que nesse próximo ano, você se lambuze. Fique com o rosto sujo e a alma respingada pelo lambuzo. Descasque uma manga e coma sem cortar em pedaços, sinta o suco escorrendo pela sua boca, as mãos meladas. Lambuze-se. Vá mais vezes à pracinha de brinquedos com seus filhos e se lambuze de areia, sujeira e amor. Abrace sua mãe e seu pai, faça mais brincadeiras irônicas com seus irmãos, evite a irritação com comentários alheios. Lambuze-se de tolerância. Sinta que você pertence a você, mas permita que alguém se lambuze de você. Permita que se lambuze com suas palavras, seus gestos, suas atitudes, seus olhos, seu corpo.
No próximo ano, lambuze-se de amor-própri…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…