Pular para o conteúdo principal

Ela não é para casar

Disney
Eu assumo ser feminista há muitos anos, mas uma feminista consciente, não uma doida insana que acredita serem os homens o mal do mundo. Sei que somos difíceis, na verdade, todo adulto com alguma bagagem de vida será difícil. Conquistamos muito nesses anos todos, mas o que não conquistamos é o direito a ser quem somos, sem máscaras. Dizem por aí que o machismo declinou, o que não é verdade, em minha modesta opinião. O machismo, o preconceito e os tabus sobre a mulher estão aí, velados. Dentre tantos, o que eu e minhas amigas comentamos seguidamente é sobre essa história muito viva da mulher para casar. E quem é essa mulher? Certamente ela dirige, é discreta, jamais dá gargalhadas, até pode gostar de rock, mas nunca irá chorar escutando alguma letra, porque não sabe o que é emoção. Jamais. Suas emoções são contidas, ela até usa roupas curtas, mas, depois dos trinta anos, veste-se adequadamente como uma "jovem senhora", o que muito convém. Quando tem seus filhos, chama o marido de pai ou pronuncia o nome dele pausadamente como se fosse alguma professora chamando o aluno. Pode até ter dado mais que chuchu na serra, mas sempre fez na moita e fará a cara de Madalena Arrependida se for acusada disso. Nunca. Ela fez sexo com poucos caras. Ahan. E esteve apaixonadíssima por todos. Ahan, também. Não, certas práticas sexuais não são com ela, embora no início possa ter se pendurado no lustre. Mas era para conquistar você. Burro. Bem feito.

Essa moça é para casar. Sentará na sala de sua mãe, perninhas juntinhas mostrando recato. Ela conversará com seus amigos, mas muito pouco. Geralmente deixará os "meninos" a sós. Na verdade, é porque ela não sabe ser divertida e está de saco cheio de você e dos seus amiguinhos. Mas jamais falará isso para você, porque significaria perder o status de mulher "respeitável" e o relacionamento. Ela faz sexo com você quase olhando no relógio, sabe como é, obrigação de esposa. Ela é estudada e raramente questiona suas opiniões e atitudes. Perfeita. Perfeitamente máquina. Mas ela é para casar. Pois é, amigo Homem Moderno, mas eu e minhas amigas não somos para casar. Somos para mais do que isso. Somos para amar, para sonhar juntos, planejar, transgredir às vezes, gargalhar, nos juntar aos seus amigos e apresentar nossas amigas, quem sabe dá um casório divertidíssimo? Não precisamos de você, nunca. Eu troco botijão de gás, lâmpadas, abro garrafa de vinho, entro sozinha em bares e restaurantes, vou à festas onde conheço uma ou duas pessoas, além de quem me convidou. E minhas amigas também. Por isso que não somos para casar, não estaremos sob seu controle.

O que você não entende é que essa moça para casar é uma farsa. Ou ela é sem sal mesmo, ou finge porque foi assim que lhe ensinaram a ser, para preservar a relação. Acostumada a usar máscaras, assim preserva a relação, é, na verdade, insegura. Nós, mulheres que não somos para casar, não precisamos afetivamente de você. Não somos aquelas mulheres desesperadas por um parceiro e nem estamos à cata de casamento e filhos. Podemos tomar nossa biritinha, assistir aos jogos de futebol, falar besteiras, gritar, chorar, xingar, cobrar de você suas derrapadas, seus esquecimentos. Vamos nos atirar feito loucas em seus braços se ficarmos separados alguns dias ou se viajar. Vamos lhe beijar, abraçar, sentar em seu colo e lhe arrancar a camisa, sussurrando em seu ouvido como gostamos de você. Se não gostamos de algum amigo seu ou de alguma atitude dele, certamente deixaremos claro, mas com classe. Não precisamos fazer teatro, não somos atrizes coadjuvantes da vida. Ou somos o palco inteiro ou corra para sua mulher-para-casar. Vamos preencher seus dias com nossa voz, nossa presença. Vamos sair do sério, vamos lhe cobrar. Mas não somos loucas, não enlouquecemos por homem. Isso quem faz é a sua mulher para casar. Vamos acordar você de madrugada porque está trovoando, vamos sujar toda a cozinha fazendo alguma comida para lhe agradar. Vamos pedir para você cozinhar para nós. Aliás, deixamos bem claro o que gostamos ou não em você.

Esse estigma da mulher para casar é sentido sempre. E é uma praga para todos os envolvidos. As relações não são às claras, muitas mulheres se prendem aos padrões antiquados de relações, os homens ficam perdidos (como diria meu pai, babaqueando) e nós, bem, nós não mudaremos, até porque, quando vocês nos conhecem, se agradam exatamente disso. Da nossa espontaneidade, da nossa energia, nossa alegria de viver. Somos articuladas, nos adaptamos a qualquer ambiente. Apesar do seu machismo e preconceito, você gosta da nossa atitude, admira que nossas cabeças pensem, que tenhamos opiniões próprias. Mas vocês fogem de nós porque não precisamos de você. Babaca. Se já leu algum texto anterior, dos que escrevi, verá que se deixamos você entrar em nossas vidas é porque é importante, diferenciado para nós. Queremos você, desejamos você e, porque não, poderemos amar você.  Acorda, Homem Moderno. Passou da hora de você ver que nós somos as mulheres certas para você.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …