Pular para o conteúdo principal

O imperfeito predileto


Eu admito que não gosto de homens muito certinhos, muito cheios de regras e de manias, muito bons. Gosto mesmo é de um imperfeito, com nuances e paranóias, inseguro e confuso, meio que atordoado com a vida, mas que segue em frente, porque sabe que é o que tem que ser feito. Gosto de homem que se questiona, que não sabe se fez o certo, se a decisão é a melhor, se está convicto. Fazer o quê, eu gosto, não significa que sejam uns fracassos na vida, significa que eles nem sempre tem certeza de que tomaram a melhor decisão, de que é o certo a fazer. Para mim, homens assim são humanos, simples. Eles não estão necessariamente tentando impressionar, medindo as palavras, estão tentando, apenas. Querem ir em frente, mas com dúvidas se agiram certo. Tudo bem, desde que isso não signifique uma paralisia na relação, mas eu sou furacão suficiente para endireitar a situação. Ou cair fora.
Sei lá como explicar essa minha predileção. Até o ano de 2011, mais ou menos agosto de 2011, eu não sabia que gostava deles. Até que um dia percebi porque nenhum que havia conhecido até então poderia me fazer feliz de um jeito que não percebia: eles sempre tentavam ser machões e impor suas idéias, pediam desculpas pro-forma. O imperfeito não, ele pensa e admira que você pense também, reflete no que alguém fala para ele, principalmente se tiver olhos verdes e idéias fortes, hehehe.  
E ele olha no fundo do nosso olho, até ficar envergonhado, acredite. Eles são tão bons pois são assim, gente. São comuns e incomuns, ao mesmo tempo. São carinhosos e meio que tentam ser machões e não conseguem, pois são inseguros. São homens e meninos, capazes de nos abraçar bem forte para que saibamos que nos querem, ao mesmo tempo, confessam seus medos mais profundos e suas mágoas com a mãe como crianças tristes. Tenho vontade de pegar no colo e de, também, me perder no abraço do meu imperfeito. Um homem assim me põe a nocaute. Pena que em sua fragilidade não consegueria segurar o rojão de ser meu dono. Entendo, pois não é fácil se envolver com uma mulher tão eu quanto sou. 
Ser frágil não é ser doente da cabeça, embora alguém que tenha vários conflitos pode, em algum momento, sair do eixo. Normal, sair do eixo e voltar rapidinho faz parte da vida, do ser adulto. Eu quero um homem assim, completo porque é imperfeito, homens fortes demais, seguros demais e sem uma dosezinha de conflito é um tédio, fora que intimida. Eu até sou uma mulher forte, mas com várias nuances e fragilidades; acho que eu e meu imperfeito nos complementariamos que é uma beleza. Eu quero sim, esse homem que deseja o equilíbrio, embora muitas vezes nem saiba ao certo como atingí-lo, mas que tenta, que erra e acerta, que apoia e segura, que pede ajuda e compreensão. Mas que é compreensivo, atencioso e interessado, mesmo que derrape, nunca sai da estrada. Que pede desculpa sincera, que quer ser um homem melhor para mim. O meu imperfeito predileto, como só ele sabe ser.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

No próximo ano, lambuze-se

Os votos dessas festas de final de ano são iguais e repetidos ad infinitum mundo afora pela sua família, vizinhos, amigos, desconhecidos, desconfio de que até os mortos os repetem em seus túmulos. Blábláblá sem emoção jogado ao vento e nos ouvidos incautos de quem foge dessa hipocrisia morna e irritante. Portanto, serei sincera: desejo que nesse próximo ano, você se lambuze. Fique com o rosto sujo e a alma respingada pelo lambuzo. Descasque uma manga e coma sem cortar em pedaços, sinta o suco escorrendo pela sua boca, as mãos meladas. Lambuze-se. Vá mais vezes à pracinha de brinquedos com seus filhos e se lambuze de areia, sujeira e amor. Abrace sua mãe e seu pai, faça mais brincadeiras irônicas com seus irmãos, evite a irritação com comentários alheios. Lambuze-se de tolerância. Sinta que você pertence a você, mas permita que alguém se lambuze de você. Permita que se lambuze com suas palavras, seus gestos, suas atitudes, seus olhos, seu corpo.
No próximo ano, lambuze-se de amor-própri…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…