Pular para o conteúdo principal

Até quando?



Em toda a minha vida (e já tenho alguma vida nessa pele) nunca pensei que me sentiria assim, que seria eu a falar para você o que sempre acreditei que apenas os homens falassem para uma mulher. Até quando você vai esperar por uma atitude minha? Esperar pelas minhas mensagens para, então, ter coragem e me ligar? Até quando vai se esconder atrás dessa covardia toda e não vir atrás de mim? Confesse para seu coração, tudo que você quer, mas morre de medo, é vir atrás de mim. Me agarrar com as duas mãos e admitir que sou eu quem você sempre quis, que são os meus olhos verdes que você quer ver, que é comigo que você vai saber o que é a entrega. 

Você é o que considero um covarde por excelência. Deixa que uma mulher invada sua vida, sua casa, seus desejos sem que esboce reação, sem que pense no que você quer. Sempre faz o que querem? Sempre deixa que entrem assim, na sua intimidade sem se questionar? Quando foi a última vez que você sentiu seu coração vibrar e foi atrás da mulher por quem você realmente se entregaria? Quando foi que você não se arrependeu de ter começado uma relação? Quando foi que você esteve inteiro em uma relação? Não responda para mim, responda para si mesmo, quando? A imagem que tenho de você, seu covardão, é de que a mulher que encostar no portão da sua casa e cair dentro do pátio, você diz "já que está aí, pode ficar". E elas ficam mesmo, invadem você e você não faz nada, acaba sendo alvo fácil de manipuladoras que dizem o que você fazer, onde deve ir, quem deve ser, invadem sua casa a hora em que bem entendem, como querem, enfim, você coloca na mão delas a decisão de ficar. Você nunca sufoca, não deseja uma relação em que possa respirar? Alguém que não xerete seu celular, seu computador, sua caixa de entrada? Alguém por quem você realmente sinta prazer e muita vontade de estar junto?

Você gosta disso? De ser um joguete? Um bocaberta sem atitude? Gosta de ser manipulado? É mais fácil, eu sei disso. Afinal, vivi uma relação sem amor por muitos anos, me escondi de mim e de um envolvimento naquele namoro porque eu sempre soube que não era o que eu queria. E, também, minha neurose encontrou neurose correlata, afinal, uma pessoa que se envolve com outra exatamente porque não mexe com ela é covarde. Sei que já fui covarde, mas agora não sou mais. Me acomodei numa posição tal, que quase deixei que de me perguntar se era aquilo que queria; mas perguntava sempre, acredite, apenas demorei para dar a postura adequada e por um fim naquilo. Mas NUNCA deixei que ele tomasse conta da minha vida, que decidisse, que me manipulasse. E ele tentou, acredite. Mas me libertei porque quero mais da vida, não uma relação bem para lá de meia boca só para ter alguém. Em relações assim, somos solitários, porque a outra pessoa nunca nos enxerga de verdade, tenta compreender nossos motivos, nossos medos, nunca está sinceramente ao nosso lado. Caminhamos invisíveis ao lado de quem só vê o próprio desejo e não o nosso, de quem deseja impôr a sua vontade e não tem a mínima intenção de saber a nossa.

E você, quando nos conhecemos, você veio atrás de mim. Nos equalizamos, você sabe. Nesse tempo, até hoje pressinto você. Tenho a sensação de que quando pensa em mim faz com que eu pense em você também. São tantas e estranhas situações, em que adivinho que vai ligar, sei quando está perto. Intuição, conexão, sei lá, chame do que quiser. Sou capaz de adivinhar seu estado de espírito e tenho a impressão de que você também adivinha o meu. 

Pode até ser, para quem vê de fora, que invento uma desculpa para um cara que só quer se divertir. Mas não é esse o caso, você sente o mesmo. Mas se enrola e se perde numa confusão sem fim, deixando sempre para os outros a decisão. Até comigo é assim, se não faço sinais de fumaça, você não toma atitude. Nós dois gostamos um do outro, da companhia, de conversar, acho que há um entendimento entre nós sem acordo nenhum; é um entendimento que fizemos sem abrir a boca, sem falar uma palavra. Poderia ser muito diferente entre nós e sei que seríamos felizes, com algumas discussões (porque essa baixinha é teimosa) mas sempre encontraríamos um acordo, um equilíbrio, afinal, somos duas pessoas inteligentes. Eu sei o que quero, quem quero e do que preciso, nesse assunto, acho que estou alguns passos à sua frente. E estou preparada para o desafio do relacionamento, de formar uma parceria afetiva e pessoal. Mas, você, ainda se pergunta o que quer, deixou mais uma entrar na sua vida sem questionar a natureza dos seus sentimentos por ela, aliás, eu sei que você não sente nada de muito profundo. 

Mas o que tenho a mais absoluta certeza é de que não me esqueceu, de que pensa em mim, que gosta de estar comigo. Bom, não escreverei mais nada, vou deixar que você se questione e fique mais sem chão, perdido e confuso do que já deixei, anteriormente.  Pergunte a si mesmo, porque está tão cheio de dúvidas? Até quando você vai insistir em não ouvir seu coração? Até quando vai insistir no mesmo erro, com pessoas diferentes? Até quando vai viver com a cabeça cheia de dúvidas? Até quando vai fugir de encarar a sua vida? Até quando vai fugir de mim? Até quando? 

Eu não vou ficar aqui para sempre, até quando você vai esperar para assumir o que sente por mim?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …