Pular para o conteúdo principal

Rota de fuga




Entrei em uma bolha, me isolei de afetos. Isolei meu corpo e meu coração sensível, que apesar de ser alojado num peito roqueiro, bate em ritmo de John Mayer e sua linda Heartbreak Warfare. Não quero essa ansiedade de esperar. Esperar uma ligação, esperar aparecer no bate-papo, esperar adicionar no rede social, esperar encontrar, esperar nadas. Ufa, enchi. Acho que quem me quiser terá que agarrar a unha. Entrei em minha zona de conforto, minha bolha, minha caverna. Me abstenho de sexo e envolvimento. Sei que é loucura e muita neurose, mas já me machuquei, já tive minhas mágoas e meus sentimentos refugados. Preciso ficar sozinha, na minha. Prefiro não sentir. Não sentir falta, desejo e vontade; não sentir o coração vibrar, não querer, não sorrir baixinho, não chorar, não nada. Eu sei que vai tirar um pouco da graça, vai tirar o sabor, mas tem quem viva assim e fique bem. Por quê comigo seria diferente?

E esse momento em especial requer uma fuga. Fugir de mim e de qualquer criatura do sexo masculino que cruze meu caminho, minha rota está traçada. Quero amor, quero muuuuuuito sexo e muito amor e muito sexo, enfim, mas uma relação real e que esse homem tenha atitude e pegada. Certo, em casa e fugindo eu não vou dar chance a ninguém. Mas talvez eu queira ser surpreendida, talvez eu tenha a remota esperança de que um Homem tenha atitude suficiente para vir me pegar, reivindicar meu corpo e meu amor. Mas que esteja inteiro e com vontade de mim.

Não quero viver desse jeito, aqui e ali, perdendo alguns pedaços. Sei, posso ser dramática, afinal, sangue italiano é assim. Mas quero um abraço, quero carinho, quero de tudo. Quero um Homem, unzinho só. Só meu, para eu ser só dele, todinha e irremediavelmente dele.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…

Equilíbrio

Ela desligou seu coração. Tantas vezes tentou ser ela, se envolver, sentir. E nada. Desistiu do envolvimento, agora era pura carne. Vestiu seu lado predadora e foi assim que decidiu viver, daquele dia em diante. Ela se sente em suspenso, num limbo, mera observadora de sua vida. Nada sente, ninguém abala, remexe ou modifica as batidas de seu coração. Nenhuma ligação ou mensagem a esperar, nenhum toque no interfone, campainha ou o que for. Seu cérebro ansioso CID 10 - F41.1 se transformava em um redemoinho de pensamentos quando seu coração descompassava. É doentio e masoquista ter afeto por alguém, a deixava com pensamentos recorrentes, ideias fixas, dor. Pensando bem, nem relacionamento meramente sexual. Seu mundo fechado e isolado dos outros era confortável. Doente, mas confortável em seu silêncio repleto de barulho, em suas sombras.
Filmes e seriados eram melhores companhias do que a presença de um homem. Preferia assim desde sempre, apenas mais jovem não tinha tanta segurança, o que …