Pular para o conteúdo principal

Metades, gente incompleta


Eu sou inteira, apesar dos meus 1,56m de altura. Não sou metade que precisa se encontrar em uma saliva, em uma boca, em um corpo que não seja o próprio. Vivo bem sozinha e tenho momentos em que nem quero estar entre as minhas amigas, quero minha companhia e só. Acho estranho que gente que diz viver bem sozinha não consegue aguentar as paredes do quarto e escutar a própria respiração, seus ouvidos receptarem a própria voz, que sempre tem que estar entre pessoas ou ter algumas ou alguns parceiros sexuais para achar graça na vida. Eu preciso apenas de mim. Muitas vezes, quero conversar pelo telefone com alguém, contar alguma angústia ou alguma alegria, mas é porque minhas emoções nunca cabem em mim e não por causa do meu tamanho. Minhas emoções são fortes, profundas, intensas. Não sei viver diferente e nem quero conhecer outra maneira de ser. 

Gosto de ser assim e ponto. Alguns interpretam como insegurança, mas acreditem, tem que ser forte para poder peitar o medo e se abrir. Não é ingenuidade. É força. Faço terapia sim, embora minha psicanalista já tenha sugerido a alta, eu não quero. E não é por medo de me jogar ao mundo. É porque ela é a pessoa mais isenta que eu conheço, indica caminhos que o senso comum desconhece ou fecha os olhos. Na verdade, ela não diz o que eu tenho que fazer, ajuda a descobrir como fazer.

Eu sigo nessa estrada observando muito, muito mesmo. Sempre alguém tem uma ideia melhor para viver minha vida, mas ainda acho que sei mais sobre minha pele. Afinal, são anos de convivência comigo. Anos em que tive que ficar sozinha trancada em meu quarto decidindo, eu demoro para tomar uma decisão, mas quando eu decido, eu decido e ponto final. Não olho pra trás. Brinco que sou ruminante de ideias. Fico um bom tempo decidindo, pensando, avaliando e quando a situação se define mesmo, pratico a decisão. Por isso, sou inteira. Quero sim ter alguém, um parceiro para dividir a vida, os sonhos, os planos a cama e o coração. E por ter essa vontade, não vou desperdiçar minha energia em relações fugazes, inúteis. 

Metades não interessam, quero inteiro, repleto, transbordante; quero um homem que tenha seus defeitos, como eu, suas fragilidades, como eu, mas vontade de se doar, se entregar à vida, a mim. E que me receba, também. Quero silêncios compreensivos, quero ter a certeza de que há aquela mão estendida e aquele abraço apertado. Quero entender pelo olhar, pressentir a pessoa e suas emoções. Quero domingos à tarde, cinema e pipoca. Quero alguém enxugando minha lágrima escondida, rindo baixinho e se comovendo comigo. Quero que me comova, também. 

Percebi a tempo que essa vida de corpos e bocas não é real, é ilusória, que não quero um pouco da vida, quero tudo; tudo que é bom e intangível. Se perder em um mar sem fim de corpos e fluídos não me farão melhor, tenho a autoestima em alta, sei do meu poder. Quero tocar sim e ser tocada, mas pelo Homem certo para mim. Ainda bem, ele não é quem você acharia certo. 


Em meu mundo peculiar, o que me basta é talvez idealista demais, mas não impossível. Impossível é ser feliz e sensível levando uma vida vazia, fútil. E sou sensível, sim, acreditem. Todo esse som e fúria é defesa, sempre foi. Não que eu não tenho minhas exasperações, mas quem aprende a estar sempre na defensiva tem dificuldade para baixar a guarda. Mas eu quero sim, me perder e me encontrar, por mais clichê que seja, em um único par de braços, uma única boca, um único você. Onde quer que você esteja e quem quer que seja, dono do meu coração, quero que saiba que estou aqui. Mas não esperarei para sempre.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …