Pular para o conteúdo principal

Loucura, sombras e teias

O gênio, o crime e a loucura, provêm, por igual, de uma anormalidade; representam, de diferentes maneiras, uma inadaptabilidade ao meio.
Fernando Pessoa

A loucura é uma caverna. Na loucura é o isolamento da realidade ou a dificuldade em se relacionar com o mundo exterior que predomina, a dificuldade em aceitar ou lidar com as rotinas que nos são apresentadas que minam a capacidade de discernimento e interação com o meio. A loucura é como uma nuvem ou sombra que domina a mente humana, esvanece nossa vontade. Tenho refletido sobre as motivações da loucura, a causa desse tsunami que arrasta  um indivíduo para longe do mundo ou de si. Acredito que enlouquecer também é refugiar-se, esconder-se em algum lugar obscuro de sua mente para evitar esse fio da navalha que é a vida. Salvo alguns casos (acredito que poucos) em que há disfunções fisiológicas irreversíveis, talvez ceder à loucura seja uma fuga, um esconderijo. Uma caverna. Um lugar em que a resistência em se adaptar, amadurecer ou o quê for, induza uma pessoa a viver em um mundo próprio, auto-centrada.

Tenho a desconfiança de que todos nós, em algum momento crítico, imaginamos uma emoção ou sentimento fugindo ao controle, dominando os pensamentos, obcecando ou cegando para a realidade. Ou, então, quando vem ondas enormes de tormento nos levando maré adiante para longe de onde deveríamos estar. Sentir, em alguns momentos, que enlouquecer era eminente, que abstrair do mundo e isolar-se nessa caverna escura do inconsciente daria a segurança necessária, que o mundo interior bastaria e nele encontraria a verdade. Fuga, isolar-se em um mundo próprio é uma faceta do egoísmo em acreditar ser apenas a  própria vida a necessária. Mas viver é um risco, é caminhar nesse fio da navalha equilibrado-se bem ou mais ou menos. E o sofrimento é inevitável, acredito até que enlouquecer (em qualquer grau) é mais cortante. Isolar-se em si não fará o sofrimento desaparecer, é revivê-lo indefinidamente. Talvez o louco escolha o sofrimento apenas para ter atenção, manipular o mundo em sua volta. Mas, um dia, a flecha retorna.

Tudo isso porque lembrei de uma conversa que tive com uma amiga, sobre a mãe dela, uma depressiva, de como sua mãe se vitimizava e tudo a afetava. Comentei que, se observássemos bem, poderíamos nos arriscar a afirmar que uma pessoa que sofre de algum transtorno de personalidade ou humor é, em um grau maior do que a média, egocêntrica. Esperando que o mundo se adapte à ela e não ao contrário, a pessoa que tem alguma disfunção está isolando-se em uma caverna que conhece e espera (ou exige) que os outros se adaptem. É sofrido, mas as dores que a vida nos impõe, as escolhas, as atitudes que um ser humano saudável (não normal, a normalidade é relativa) tem, são difíceis para alguém assim. Enlouquecer seria como refugiar-se do mundo, isolar-se de tudo que nos fere, mas, também, do que nos alegra, motiva e purifica. O doente (ou louco) vive imerso em si e analisa a vida apenas sob sua ótica, quer, por força de ações ou pensamentos, atrair aos outros para reconhecer-se gente. Os obsessivos, por exemplo, tem dificuldades para reconhecer seus desejos e aspirações, então os depositam no Outro. Ou são submissos à vontade ou desejo do outro, ou são manipuladores, testam a todo momento seu poder sobre quem lhe rodeia. O louco poderia ser, talvez, alguém que não aprendeu a lidar com as frustrações e a impermanência e volatilidade da vida. A ele importa apenas seu desejo, chorar a morte dos pais por não ter a quem impor seu tormento e nem seus alvos principais.

Acredito que o suicida é alguém que está entre a sanidade e a loucura, duas vozes poderosas gritando em sua mente e que fazem a existência nesse mundo insuportável. Não é um ato de coragem ou covardia, apenas uma tentativa de não estar sempre no limiar de um e outro, não saber como agir. O suicida apenas não aguentaria mais seus dilemas e dar fim à sua vida é a maneira que considera mais prática. Alguém pode argumentar que não há nada de prático em dar fim à própria vida, que há outros caminhos. O suicida não vê saída, não enxerga caminho algum além da morte. Essa teia sutil em que nos envolvemos desde o berço é forte e transparente, o suicida sente-se enredado por ela de uma maneira tormentosa e não pretende ceder, então, morrer é a única opção. Entre e sanidade e a loucura, escolhe morrer. 

Mesmo que eu ou você viva emocionalmente saudável, em algum momento da nossa vida a loucura se apresenta através de outra pessoa. Não estamos livres dos desequilíbrios alheios, da loucura de alguém que não aceita ser a vida uma metamorfose e que é preciso seguir em frente. O louco vive preso ao tempo dele, inventa uma realidade que não existe, a distorce para justificar seus atos insanos e desmedidos. O louco é alguém que se prende ao passado ou a um mundo inexistente para viver e esquece que a vida é feita da realidade, boa ou má, são as escolhas de cada um que determinam o presente ou o futuro. Enlouquecer é se prender a um sofrimento eterno, enquanto os demais estão ali, vivendo, realizando. Por pior que seja a frustração, o medo, a agressão, viver ainda é melhor do que enlouquecer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …