Pular para o conteúdo principal

Quando me transmutei em mulher



Em termos de amor, sempre fui uma ogra. Fugia desesperada ou botava a correr qualquer homem desajuizado o suficiente para se aproximar. Minha frase sempre foi "os que não fugiram, botei a correr". E escondia meu medo atrás da arrogância e muitas garrafas de bebida alcoólica, atitudes defensivas e humor ácido. O único cara que namorei por muito tempo foi exatamente aquele que não ameaçava meus sentimentos, alguém que decidi ser uma boa namorar, quase pedi para preencher um formulário. Enxerguei nele minha vontade de ter alguém e não a possibilidade de amar e foi exatamente por eu ter absoluto controle sobre as emoções que embarquei. Os outros (poucos) que balançaram meus sentidos e meu coração foram solenemente destratados ou ignorados, até mantidos à distância, tudo em nome desse medo enorme de me entregar, ser rejeitada ou simplesmente de não saber lidar com a perda. Sempre me perguntei como seria se morresse o alvo do meu afeto e a resposta não me agradou. Medo de que não houvesse sincronia, essa palavra mágica que considero primordial num relacionamento. Como li em um texto, formar casais é fácil, o difícil é formar parcerias.

Então, eis que meu medo foi desafiado e a ferinha enjaulada com atitudes de menina precisou virar mulher e ir atrás, perguntar realmente para seu coração qual o seu verdadeiro desejo. Precisou descobrir que amadurecer dá muito trabalho, que desejar é um tormento, mas que sentir é um bálsamo. Precisou aprender que a vida é uma montanha-russa e o que nos dá segurança não é o carinho, mas também a companhia, que pode ficar de pernas para o ar, mas que uma mão segure a sua e lhe diga que tudo ficará bem. Precisou ver nos olhos de quem deseja as dúvidas e o medo que lhe são conhecidas, precisou sentir que uma emoção não é feita de paixão louca e euforia, mas de erros e acertos, de dúvidas e sentimentos. Amar é uma tortura, então quero ser torturada, golpear minha vida e sair do lugar comum. Descobri que é fácil lamentar e desistir, mas que seguir seu coração é uma das atitudes mais difíceis que podemos ter, seja para o trabalho, família, seja para os afetos. A vida ensina e cobra a lição de casa.

A pergunta que me fiz foi que raio de mulher quero ser, daqui para a frente, que vida me imagino levando. E quem eu quero nessa vida. A partir dessa incômoda reflexão, descobri que molhar travesseiros e arrotar queijo e azeitona enfiados goela abaixo em alguma noite cinéfila e solitária não são o meu ideal de vida adulta, apesar de curtir muito a minha companhia, foi a que esteve comigo a maior parte do tempo e, francamente, cansei um pouco dela e dos meu dilemas. Quero dividir o picadinho de queijo, azeitona e pimenta que mastigo assistindo algum filme e segurar na mão de alguém nas cenas fortes, quero um roteiro de cinema comum, usual e encantadoramente simples para viver a dois. Quero a profundidade da minha cabeça apoiada no ombro dele, sentir o perfume que ele deixa no lençol e o calorão que fico quando dormimos juntos. Quero saber os seus dilemas, escutar suas histórias e palpitar ferozmente quando percebo alguma atitude ou pensamento errados (em minha opinião). Quero poder implicar com as ex dele e, também, pensar secretamente que elas tinham alguma razão. Quero trabalhar e chegar em casa com uma proposta de comer na sacada e encher os ouvidos dele com minhas agruras dramáticas e escutar seu inevitável deboche. 

Quero sim, uma vida de sucesso. Mas não o sucesso relativo de fama, riqueza e glamour. Quero o sucesso absoluto de uma vida dividida, uma vida em que o cenário tem outro personagem que não eu mesma. Quero meus cãezinhos subindo no sofá e escutar as reclamações dele, mesmo que inúteis. Quero suas manias, seus defeitos, seu calor. Quero o admirável desafio da convivência e dos domingos ao meio dia. Quero fingir que minha cólica é mais forte do que na realidade é, quero que compre analgésico para mim e esquente água para a bolsa de água quente. Quero, acima de tudo, que minha caverna escura seja, enfim, invadida e iluminada.       

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …