Pular para o conteúdo principal

Tente fazer o seu céu azul


Durante muito tempo, a música Pulsos da Pitty foi, digamos, meu hino. E percebo que hoje 
ainda é. No que pese os comentários de que as músicas da Pitty são direcionadas aos adolescentes, isso pouco me importa. O relevante em uma música é o fato de a letra tocar sua alma, de alguma forma, despertar algum tipo de sentimento, e pronto, o resto é o resto. 

A primeira estrofe da música, que tenho certeza, é do conhecimento de todos, é essa: "E um dia se atreveu a olhar pro alto; tinha um céu, mas não era azul,no cansaço de tentar, quis desistir;se é coragem, eu não sei"


Como qualquer ser humano que habita a face da terra, minha vida é cheia de altos e baixos, nunca foi, nem por um minuto, segundo, milésimo, um mar de águas calmas. Sempre foi e é uma montanha russa de emoções. Embora você que tenha lido minha postagem anterior possa pensar, mas que contrassenso, antes ela dizia que todo dia fazia tudo sempre igual, agora diz que não goza de uma vida calma. Enfim, a vida é um contrassenso e a minha não seria diferente.

Muitas vezes olhei pro céu e pedi que me desse forças pra continuar, a lutar pela vida, por um trabalho, por um relacionamento, contra a depressão, contra a ansiedade, contra a vontade de desistir de tudo que não dava certo e correr, fugir, não sei pra onde. E atualmente, muitas e muitas vezes sinto essa imensa vontade de fugir do mundo, pedir para o maquinista parar esse trem porque eu quero descer na próxima estação. Porque ainda não encontrei o que quero, o que irá satisfazer minha ânsia de vida, ainda não encontrei meu ar, aquele que te proporciona uma plenitude em uma inspiração profunda.

Mas não paro, não desço, respiro fundo, estufo o peito, enxugo eventuais lágrimas e vamos lá, ver o que posso aproveitar de determinado acontecimento ruim, desagradável, que me magoou.E nessa busca incessante pelo que desejo, e, confesso, muitas vezes não sei exatamente o que é, sigo em frente, graças a minha grande capacidade de resiliência que Deus me deu. Mas no fim, o que eu quero, e tenho certeza de afirmar sem erro, o que todos queremos, é ser feliz, é acordar pela manhã e ter vontade de sair da cama, é não torcer para que o dia termine rapidamente, porque se o dia termina depressa, a semana também, o ano idem e a vida passa como uma estrela cadente correndo no céu e nem percebemos...e não quero, de forma alguma, que tudo acabe sem que eu possa chegar no final e dizer, valeu a pena ter estado aqui.

Por isso, digo a mim mesma, em um momento de auto-aconselhamento: olha pro céu, deseja, sem medo, luta pra conseguir, da forma que puder, do jeito que der e risque a palavra desistir do seu dicionário.


Comentários

  1. É bem assim, a gente tem que acreditar ser possível fazer diferente, mergulhar dentro do nosso abismo e conviver com as nossas sombras. É a única maneira de viver em paz. Adorei teu texto!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada.

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …