Pular para o conteúdo principal

A arte de remendar



Remendar um coração é tarefa difícil, complicada. Se muito tempo passa entre um remendo e outro, as chances de seu coração se aprontar rápido e se defender menos, assim como não fazer muita merda por ter tido tempo de refletir sobre os erros, inclusive os seus, são maiores. Mas e quando os remendos sucedem um atrás do outro em um espaço de poucos anos? Não, pessoas, nem sempre a criatura tem um coração vagabundo, muitas vezes, é alguém que aprendeu o que quer e como quer se sentir em uma relação e isso seleciona futuros envolvimentos com sabedoria. E a pessoa vira um imã para quem procura o mesmo, ainda que não admita. Há sim, alguém por aí, que pode não ser a pessoa adequada para você, mas é a certa (tenho uma teoria sobre o certo e o adequado). E podem estar em maior número do que imagina. O que as faz ficar com você ou não é um fator controverso.

Independente disso, conheço pessoas que nem olham para os lados exatamente por medo de ter que se remendar. Já escrevi reflexões sobre os princípios de relações e sobre as despedidas de quase futuros amores, mas nunca sobre essa refinada e doída arte de remendar o coração. Arte que domino, assim como mais algumas pessoas amigas, nos solidarizamos várias vezes em nossas dores. O último remendo (e, também, a última despedida) foi especialmente difícil e agora apenas peço não precisar mais me remendar, que se alguém quiser meu coração, que fique. Cada parte de um remendo é um aglomerado de lágrimas, questionamentos e dor, um tempo em que estamos em suspenso. E precisamos passar por isso para preparar nosso coração, deixá-lo leve, novamente.

Há pessoas que não se remendam, apenas cometem o mesmo erro, relação após relação. Se permitissem o caos que remendar traz, aprenderiam muito sobre si e evitariam as mesmas situações que ferem, amadureceriam. Dói demais costurar um coração, mas evita que mesmos erros sejam cometidos futuramente. Corações sensíveis sofrem, mas procuram se erguer, afinal, hoje é o dia de viver, não ontem e nem amanhã. Sentir sempre nos deixa vulneráveis, inseguros, afinal, se o outro partir, tudo se acaba. Preferível procurar motivos para dar errado do que para dar certo, ou, até pior, se envolver em uma relação pela metade, motivado mais pela paixão pela relação do que pela admiração, é melhor por fazer infeliz. Ser infeliz é mais fácil, mais seguro, há alguém ou uma situação para culpar pela nossa infelicidade. Seguir em frente, sem medo, quando nosso coração fica mexido, é bem mais complicado. E digo coração por acreditar na intuição, na percepção. Quando dois corações se encontram, pode ser assustador e difícil lidar, mas faz a vida valer a pena.

Enquanto não acontece, aprenda a se remendar, posso dar dicas preciosas e úteis, afinal, sou especialista. E isso me faz feliz, sabe, tenho uma história e um coração que, afinal, rompeu com seu derradeiro cadeado e quer ser feliz, embora algumas vezes partido. Remendos são como aquelas fotos de relações que não significam mais nada e as mantemos para poder lembrar do caminho que percorremos para chegar até ali. Olhamos para a pessoa e a situação da foto e não sentimos mais nada, apenas relembramos o aprendizado que nos trouxe. Pode parecer contraditório um coração remendado ser inteiro e o é.  O meu, tenha certeza de que é inteiro e transbordante. Apenas aprendeu melhor como ser e fazer feliz, como se relacionar melhor. A arte de remendar, portanto, poderia ser um aprendizado para a arte da entrega afetiva. Pense nisso. Eu tenho pensado. Há muita dor em cada remendo e, também, aprendizado. 

Comentários

  1. Opa!!! Adorei! Sim, eu sou especialista em remendos. Me considero uma ciborgue, feita de vários pedaços, sempre me aprimorando. O mais importante de tudo é: eu já não repito os mesmos erros! E nem permito que as mesmas conversas-moles me melequem os ouvidos e me preencham o coração. Até porque, como dizo texto, eu sou inteira. Muito inteira. Remendada, física e emocionalmente, mas de buracos impenetráveis. É ruim de esgarçarem o tecido desse meu ser cheio de valor e sabedoria! Lindo texto; muito didático. Obrigada por se lembrar de mim!! :*

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada.

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …