Pular para o conteúdo principal

A geração líquida



Tem chegado aos meus ouvidos histórias dessa geração que vai dos 16 aos 26 anos que me deixam pensando para onde irá a humanidade. Cada namorico de um mês ou pouco menos de um ano é desculpa para perder totalmente a cabeça, tentar ou cometar suicídio, se entupir de medicações tarja preta e armar cenas dignas de algum filme tragicômico. Me pergunto, o que está havendo? Uma menina de vinte anos que conheço rompeu com o namorado e fez a mãe dormir com ela, vários cortam os pulsos ou procuram psiquiatras para entorpecer a dor. Nessa mesma idade, eu chorava por umas duas semanas, bebia muito e em um mês ou menos, estava pronta para outra. Nunca me passou pela cabeça suicídio ou me entupir de remédios para fugir de uma dor, que, convenhamos, é totalmente narcisista. Afinal, onde foi parar a capacidade de lidar com as frustrações? Deve ter ido para algum lugar escondido pelos pais e por essa virtualidade toda das redes sociais.

Inegável que a Internet aproxima as pessoas, mas, pergunto, até que ponto? Vejo uma geração de gente insatisfeita, que deseja agora o prazer, que nem namora, fica num final de semana e no outro já se enfia na casa do par vivendo como casados, nem se dá tempo ou reflete sobre se é bom, se é isso que quer. Quando os defeitos e problemas aparecem, logo o stress e as brigas surgem. Essa juventude (está bem, confesso que muitas amigas e amigos cometem o mesmo erro) está atirando para todos os lados, vejo que a mesma menina que faz biquinho e manda mensagens para um, o faz da mesma maneira para outro, idem os meninos. Não há foco, interesse real, o que importa é TER. A paixão pelo amor e não o interesse real por uma pessoa que tem uma história, defeitos e dificuldades e está longe de ser perfeita. É uma busca ansiosa pelas declarações públicas on-line e mudança de status, de mostrar mais de que sentir. De aparentar mais do que ser. 

Essa geração líquida (alô, Baumann) não pensa nas consequências dos seus atos. O que eram comportamentos pontuais há uns vinte anos, hoje são generalizados. Com o tempo, desejam não sentir dor alguma e se atiram ao mundo de maneira atabalhoada, entupidos de medicações que entorpecem os sentidos. Com tanto tempo e tanta vida pela frente, agem como se o mundo fosse acabar se não estivessem atirados à vida feito folhas soltas. No fundo, são mais solitários do que a maioria, talvez tenham dificuldades de cultivar laços reais e duradouros. E me preocupa saber que os pais dessas criaturas são pessoas relativamente jovens e que deveriam ensinar a ter responsabilidade de maneira realista. Concluo que os pais também fogem. Do quê? Talvez de si, não sei e isso é repassado aos filhos e endossados pelas redes sociais. 

Casais que em vez de desconectarem ficam mais conectados para mostrar a relação aos outros não sabem o que é amar. Quando estiver com alguém que seja meu parceiro, amante, amigo e solidário com a minha vida (e eu com a dele), sinceramente, tenho em mente situações muito melhores e desconectadas para estar com ele. Quanto mais amar, menos estarei on-line e conectada e mais sintonizada com quem e no que vale muito mais a pena. Entre algo real, palpável e vivido aos poucos, recheado de sutilezas e pequenos gestos e esse histrionismo virtual, a realidade pode não ser tão perfeita, mas sempre será a minha escolha. Essa sim, acrescenta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

No próximo ano, lambuze-se

Os votos dessas festas de final de ano são iguais e repetidos ad infinitum mundo afora pela sua família, vizinhos, amigos, desconhecidos, desconfio de que até os mortos os repetem em seus túmulos. Blábláblá sem emoção jogado ao vento e nos ouvidos incautos de quem foge dessa hipocrisia morna e irritante. Portanto, serei sincera: desejo que nesse próximo ano, você se lambuze. Fique com o rosto sujo e a alma respingada pelo lambuzo. Descasque uma manga e coma sem cortar em pedaços, sinta o suco escorrendo pela sua boca, as mãos meladas. Lambuze-se. Vá mais vezes à pracinha de brinquedos com seus filhos e se lambuze de areia, sujeira e amor. Abrace sua mãe e seu pai, faça mais brincadeiras irônicas com seus irmãos, evite a irritação com comentários alheios. Lambuze-se de tolerância. Sinta que você pertence a você, mas permita que alguém se lambuze de você. Permita que se lambuze com suas palavras, seus gestos, suas atitudes, seus olhos, seu corpo.
No próximo ano, lambuze-se de amor-própri…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…