Pular para o conteúdo principal

A geração líquida



Tem chegado aos meus ouvidos histórias dessa geração que vai dos 16 aos 26 anos que me deixam pensando para onde irá a humanidade. Cada namorico de um mês ou pouco menos de um ano é desculpa para perder totalmente a cabeça, tentar ou cometar suicídio, se entupir de medicações tarja preta e armar cenas dignas de algum filme tragicômico. Me pergunto, o que está havendo? Uma menina de vinte anos que conheço rompeu com o namorado e fez a mãe dormir com ela, vários cortam os pulsos ou procuram psiquiatras para entorpecer a dor. Nessa mesma idade, eu chorava por umas duas semanas, bebia muito e em um mês ou menos, estava pronta para outra. Nunca me passou pela cabeça suicídio ou me entupir de remédios para fugir de uma dor, que, convenhamos, é totalmente narcisista. Afinal, onde foi parar a capacidade de lidar com as frustrações? Deve ter ido para algum lugar escondido pelos pais e por essa virtualidade toda das redes sociais.

Inegável que a Internet aproxima as pessoas, mas, pergunto, até que ponto? Vejo uma geração de gente insatisfeita, que deseja agora o prazer, que nem namora, fica num final de semana e no outro já se enfia na casa do par vivendo como casados, nem se dá tempo ou reflete sobre se é bom, se é isso que quer. Quando os defeitos e problemas aparecem, logo o stress e as brigas surgem. Essa juventude (está bem, confesso que muitas amigas e amigos cometem o mesmo erro) está atirando para todos os lados, vejo que a mesma menina que faz biquinho e manda mensagens para um, o faz da mesma maneira para outro, idem os meninos. Não há foco, interesse real, o que importa é TER. A paixão pelo amor e não o interesse real por uma pessoa que tem uma história, defeitos e dificuldades e está longe de ser perfeita. É uma busca ansiosa pelas declarações públicas on-line e mudança de status, de mostrar mais de que sentir. De aparentar mais do que ser. 

Essa geração líquida (alô, Baumann) não pensa nas consequências dos seus atos. O que eram comportamentos pontuais há uns vinte anos, hoje são generalizados. Com o tempo, desejam não sentir dor alguma e se atiram ao mundo de maneira atabalhoada, entupidos de medicações que entorpecem os sentidos. Com tanto tempo e tanta vida pela frente, agem como se o mundo fosse acabar se não estivessem atirados à vida feito folhas soltas. No fundo, são mais solitários do que a maioria, talvez tenham dificuldades de cultivar laços reais e duradouros. E me preocupa saber que os pais dessas criaturas são pessoas relativamente jovens e que deveriam ensinar a ter responsabilidade de maneira realista. Concluo que os pais também fogem. Do quê? Talvez de si, não sei e isso é repassado aos filhos e endossados pelas redes sociais. 

Casais que em vez de desconectarem ficam mais conectados para mostrar a relação aos outros não sabem o que é amar. Quando estiver com alguém que seja meu parceiro, amante, amigo e solidário com a minha vida (e eu com a dele), sinceramente, tenho em mente situações muito melhores e desconectadas para estar com ele. Quanto mais amar, menos estarei on-line e conectada e mais sintonizada com quem e no que vale muito mais a pena. Entre algo real, palpável e vivido aos poucos, recheado de sutilezas e pequenos gestos e esse histrionismo virtual, a realidade pode não ser tão perfeita, mas sempre será a minha escolha. Essa sim, acrescenta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …