Pular para o conteúdo principal

Maiores abandonados a procura de corações solitários



Sugiro ler com John Mayer como fundo musical

Postei a frase título desse texto em um dos meus perfis numa rede social, para minha sorte, algumas pessoas que me conhecem entenderam o tom da postagem. Foi uma ideia para essas linhas e não é de hoje que posto algo parecido. Porque a grande verdade e, talvez, umas das pequenas tragédias da vida moderna na Era das Relações Líquidas seja cada vez mais individualidade, cada vez mais solidões pequenas arrastadas em nossos dias, cada vez mais medicações tarja preta moderando nosso humor e cada vez mais fugas reais ou imaginárias de uma realidade egoísta e desalentadora. Se há muitas conquistas boas em nossa vida, há muitos desencontros e desamores na atualidade. As pessoas associam amar e se relacionar enquanto casal com dor, rejeição e incomodação. Acredito que pode ser de outra maneira, desde que se respeitam as diferenças e, principalmente, as percebamos como parte integrante da relação e necessárias ao crescimento da pessoa e do casal.

Por quê é mais fácil se esconder atrás do orgulho disfarçado de covardia? Por quê é mais fácil associar dor a algo que pode ser bom? As pessoas querem satisfação imediata, amor imediato e uma vida sem imperfeições. Mas é com os erros que construímos algo de bom e poderoso para nós e isso que faz a vida valer a pena. Essa pretensa busca por viver sem revezes é uma busca por viver sem cor. No fim, somos todos maiores abandonados por um mundo que não existe e uma vida que nunca será atingida. A vida a dois pode ser mais gratificante e enriquecedora do que a solidão de uma busca por prazer e diversão sem profundidade. As dificuldades são mais contornáveis quando se tem com quem dividir e somar as dúvidas, os risos e partilhar o silêncio. Mas onde estão os corações solitários e dispostos as descobertas sem fim de uma vida partilhada e construída no afeto?

Nos dias de hoje é defendida a ideia de que amar dói sempre e melhor é desapegar e viver solto. De que pego, mas não me apego. No entanto, os homens mal começam a sair conosco e alguma frase negando ou insinuando "namoro" ou "compromisso" logo surge. Saca só, conhecer, curtir e se permitir estar com alguém que nos atraia não significa amor ou compromisso, é uma chance que nos damos de, quem sabe, encontrar uma parceria divertida, leve e sintonizada conosco. Pode rolar, pode não rolar, se não tentarmos, não saberemos. Todos esses conceitos negando que envolvimento seja bom (em qualquer nível desse envolvimento) são fugas generalizadas de uma sociedade que desaprendeu a dividir o riso, o silêncio e, porque não, a lágrima, o sonho, um projeto. De uma sociedade que encara o sexo como uma obrigação competitiva por ser quem mais pega, quem é mais gostoso(a), quem aparenta mais, no entanto, a qualidade do sexo e das relações que vivemos é cada vez pior. Distante, programada e sem graça. Mensagens de texto sem uma ligação surpresa nada mais são do que pequenas notícias de rodapé numa rede social qualquer. A sedução (lembram da mão despretensiosa na perna e do sussurro inocente perto do ouvido?) foi substituída pela hiper-sexualização de tudo que nos rodeia. Sexo, fofos, não é a trepada. Sexo é o olhar, a gargalhada e assistir um filme de pijamão. 

Acostumados que estamos a deixar fios soltos pela vida, um dia nos transformamos em nó górdio. Confusos, acreditamos que euforia e projeção dos nossos desejos e carências é amor. Sinto dizer, mas amar está bem longe disso. Amar é procurar saber como alguém é do avesso e conhecer suas dores. Amar é cura, principalmente das nossas cicatrizes. Amor é construção, observar as sutilezas contidas nos gestos, as pintinhas nas costas. Amar é compreender (ou se esforçar para) o outro. Se você acredita que o outro tem obrigação de sentir e retribuir o mesmo, lamento, mas o que sente não é amor. E sim, se alguém o abandona, pode ser culpa sua por pequenas desatenções corriqueiras, grosserias e abusos. Você é vítima de si, das suas atitudes e não do outro. 

Dê uma chance ao seu coração solitário, mesmo que tenha muitas companhias, uma parceria é o que tira as teias de aranhas e a poeira do nosso peito. É o que nos bagunça no bom sentido, nos revira, nos refaz. Deixe que alguém lhe descubra, lhe compreenda. Permita o afeto e o cuidado de uma pessoa que quer estar com você e na sua vida. Se permita, sempre. Se aceite como alguém pulsante. E, lembre-se, quem escreve essas linhas é uma ex-durona que se descobriu alguém melhor quando se permitiu. Caí, chorei, vi que havia errado nas atitudes (ou falta delas) mais do que acertado e me refiz. Aprendi muito, principalmente sobre mim. E tenho um coração esperando por um locatário. Que pode ser você.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

No próximo ano, lambuze-se

Os votos dessas festas de final de ano são iguais e repetidos ad infinitum mundo afora pela sua família, vizinhos, amigos, desconhecidos, desconfio de que até os mortos os repetem em seus túmulos. Blábláblá sem emoção jogado ao vento e nos ouvidos incautos de quem foge dessa hipocrisia morna e irritante. Portanto, serei sincera: desejo que nesse próximo ano, você se lambuze. Fique com o rosto sujo e a alma respingada pelo lambuzo. Descasque uma manga e coma sem cortar em pedaços, sinta o suco escorrendo pela sua boca, as mãos meladas. Lambuze-se. Vá mais vezes à pracinha de brinquedos com seus filhos e se lambuze de areia, sujeira e amor. Abrace sua mãe e seu pai, faça mais brincadeiras irônicas com seus irmãos, evite a irritação com comentários alheios. Lambuze-se de tolerância. Sinta que você pertence a você, mas permita que alguém se lambuze de você. Permita que se lambuze com suas palavras, seus gestos, suas atitudes, seus olhos, seu corpo.
No próximo ano, lambuze-se de amor-própri…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…