Pular para o conteúdo principal

Pegue seu violão, amor

June Carter e Johnny Cash


Você, que toca várias cordas e acordes em seu violão, que arranca sons de cada canto em que se instala, toque meu coração. Você, que faz minha garganta arranhar cantando junto, que faz meu corpo balançar, toque meu coração. Você, que inunda o meu mundo de música, toque meu coração. Você, que tocou tantos corpos, que arrebatou tantas almas, que rompeu preconceitos, que manteve sua autenticidade, toque meu coração. Você, que venceu suas fraquezas, que assumiu suas fragilidades e se fez forte, toque meu coração. Você, que transformou meu mundo em música, toque meu coração. Tocar o corpo de uma mulher é fácil, mas tocar o coração dessa mulher aqui, talvez seja sua composição mais complexa.

Escreva notas musicais em minha vida, amor. Componha sua sinfonia particular em cada um dos passos que damos. Me transforme em sua musa e seja meu muso. Me inspire, babe. Me transpire, componha seu suor em minha pele, amor. Faça de minha vida um dueto com a sua, quero ser sua melhor "partner". Mas, para isso, toque meu coração, suspire por mim, se inspire em mim. Me componha, babe, me confronte. Mas não afronte meu coração, amor. Conquiste seu prêmio mais suado e almejado. Toque meu coração.

Toque minha alma com suas mãos e meu coração com sua alma. Seja mais do que fotografias na parede. Seja a realidade em meu rádio, babe. Seja a playlist do meu coração, em clave de sol ou clave de fá, tanto faz. Toque as cordas não afinadas da minha vida. Me afine, me assimile. Sem síncopes, desviando dos contratempos. Faça de nós duas vozes, Breves, semibreves, fusas, que seja. Mas toque suas cordas em meu coração. E que meu corpo seja seu melhor violão.

De uma June Carter para um Johnny Cash.

Texto inspirado em uma das mais célebres e surpreendentes histórias de amor do universo musical, Johnny Cash e June Carter. O amor que venceu muitas fronteiras, entre elas, a do medo e a do vício.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …