Pular para o conteúdo principal

Ser príncipe não é bolinho



Idéias são bichos estranhos (tenho certeza de que são vaga-lumes feitos de correntes elétricas entre os neurônios). Um pensamento, uma ideia e zap! O texto desce cérebro abaixo direto para o teclado. Foi assim com esse texto. Pensei numa pessoa e nas histórias de princesas (sabem que pensamentos se embaralham) e me dei conta de que os príncipes quase nunca tem um passado, uma história de dor ou alegria para contar. As princesas, ao contrário, são envolvidas em sequestros, maus-tratos, rejeição, inveja, maledicência, tortura e assédio moral desde bebês, convivem com o lado mais grotesco da humanidade desde sempre. Sofrem, brigam, esperneiam, há pretendentes interesseiros e ardilosos, percebem as tramóias das madrastas ou dos parentes e ninguém dá crédito quando falam sobre isso. São humilhadas por primas / primos, irmãos ou irmãs, tentam asssassiná-las para que o caminho ao trono seja desimpedido, enfim, histórias de dar nó na garganta. Mas elas lutam e acreditam que podem sair dessa, sempre surge alguma alma gentil que as acolhe ou ajuda a vencer os desafios. Quando o príncipe aparece na história, tudo está quase resolvido ou se resolve imediatamente.

O príncipe é o desfecho da história, compreensível que faça a princesa feliz para sempre. Se observarmos de perto, é difícil alguém lembrar de um príncipe que tenha enfrentado tantos percalços em sua vida, que tenha tantos inimigos ao ponto de fugir e se esconder ou ser envenenado. Salvo o tal príncipe que foi transformado em sapo, a maioria vem do nada, algum reino distante, sem ex-namoradas, pretendentes malignas ou decepções causadas pela vida. Eles têm o coração limpo e pronto para amar, não carregam o peso da vida e suas escolhas, ao contrário das princesas, que penam duramente até o final feliz. Fácil um homem tão aberto e sem medo dar o apoio e o afeto que as calejadas princesas precisam. Difícil mesmo é existir um homem assim, nem só de atração e emoções borbulhantes são feitos os romances; nossos príncipes tem problemas familiares, rejeições de relacionamentos anteriores, inseguranças frente ao novo papel que definimos para eles em nossas vidas, medo, relações acabadas, nossa TPM, enfim, uma bagagem de vida que aumenta com o tempo. Se não é simples ser princesa, não é tão fácil assim ser príncipe, convenhamos.

Percebi, depois de todo o raciocínio exposto, que nos educam para esperar um homem perfeito e com todas as soluções, que nos aceite de jeito que somos (afinal, somos princesas), nos aguente e não fuja ao primeiro sinal de TPM homicida. Nunca ensinam que pessoas tem sua história, independente do sexo. Sofrimentos, lágrimas e dor são inerentes à condição humana. E que relações antigas e findadas deixam lembranças não só de dor, mas de alegria e que, quando esses príncipes relutantes caem de susto em nossas vidas, nós precisamos conviver com isso e não é fácil, eu sei, você sabe. Assim como eles terão inseguranças ao saber do nosso passado. Nossos príncipes não são páginas em branco esperando pela nossa caneta, não são pessoas com toda a paciência do mundo para entender nossas pequenas tragédias. Eles também querem compreensão e colo. Não são nossos salvadores, talvez eles precisem de salvação. E amor. Quando um príncipe encontra uma princesa, talvez a palavra chave, além do amor, é compreensão mútua. As mulheres lutam tanto por reconhecimento e espaço, mas ainda acreditam serem vítimas de homens maus e ferozes, quando, talvez, elas não estejam tão dispostas assim a reconhecer seus erros.

A vida não é uma história da Carochinha ou um conto dos Irmãos Grimm. É mais complexa e confusa do que um papel ou monitor pode suportar. E os príncipes não são esse modelo de perfeição. Eu assumo que adoro um imperfeito, com seus conflitos. Esses príncipes são mais profundos, mais complicados de se relacionar e, como eu, acabaram se envolvendo por anos com quem nunca os compreendeu. Quando encontram conosco, que podemos ter reciprocidade com seus pensamentos, se assustam. Mas são sensíveis e humanos, com um dom raro de saber quando erram e aceitar nossas limitações. Corações machucados, contam histórias e carregam alguma bagagem, tem experiências familiares complicadas, alguns dramas e muitas lágrimas escondidas. Mãe ou pai dominadores, dependências físicas e afetivas, separações, dores fazem parte de uma história que você, princesa, pode ajudar a contar. E a escrever, como eu faço.


publicado originalmente em www.papodemulher.blog.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

No próximo ano, lambuze-se

Os votos dessas festas de final de ano são iguais e repetidos ad infinitum mundo afora pela sua família, vizinhos, amigos, desconhecidos, desconfio de que até os mortos os repetem em seus túmulos. Blábláblá sem emoção jogado ao vento e nos ouvidos incautos de quem foge dessa hipocrisia morna e irritante. Portanto, serei sincera: desejo que nesse próximo ano, você se lambuze. Fique com o rosto sujo e a alma respingada pelo lambuzo. Descasque uma manga e coma sem cortar em pedaços, sinta o suco escorrendo pela sua boca, as mãos meladas. Lambuze-se. Vá mais vezes à pracinha de brinquedos com seus filhos e se lambuze de areia, sujeira e amor. Abrace sua mãe e seu pai, faça mais brincadeiras irônicas com seus irmãos, evite a irritação com comentários alheios. Lambuze-se de tolerância. Sinta que você pertence a você, mas permita que alguém se lambuze de você. Permita que se lambuze com suas palavras, seus gestos, suas atitudes, seus olhos, seu corpo.
No próximo ano, lambuze-se de amor-própri…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…