Pular para o conteúdo principal

Escrevo, afinal


Preciso escrever mais, estava pensando agora mesmo. Os sinais de tensão são aparentes em meu corpo. Ombros enrijecidos, tensão muscular, boca apertada, pensamentos desconexos, insônia, sonhos malucos, agitação. Diagnóstico: falta de escrever. Sei lá, acho que minha inspiração precisa de movimento e gente. Preciso de idéias fora das minhas, de pessoas que não eu e de experiências que possam dar tratos à bola. Preciso de saliva gasta em conversas e discussões, preciso me inspirar em pessoas e acontecimentos. Preciso estar envolvida com alguém, preciso duvidar de alguma situação, preciso ter raiva, enfim, preciso estar viva. Emoções me movem, me inspiram, me ajudam. Emoções são a minha vida. 

Eu gostaria de escrever sobre um grande amor, por mais piegas e gasto que seja esse tema. Mas ainda não conheci ou ainda não se resolveu a ser o homem que vai fazer tremer minha base, que vai me arrancar dessa caverna escura em que me escondo (por mais que pareça que vivo entre raios de sol), ainda não ganhei na Mega sena, ainda não fiz minhas estripulias ao volante para divertir quem ler meus textos. E não estou em um momento lá muito propício para descrever meu longo e complicado período em que minha sombra agiu por mim, acho que, na verdade, tive uma depressão leve. E saí sozinha, nem sei como. Mas tenho necessidade e vontade de escrever, tanto quanto respirar. Preciso despejar quem sou nas linhas imaginárias traçadas pelo computador. Quero e gosto de ser eu descrita aqui ou a minha opinião sobre alguma situação. É assim que ajudo minha mente a processar esse mundo doidão em que me vejo como uma observadora atenta, mas rebelde.

Palavras são erros, disse Renato Russo e os erros são meus. Confesso que prefiro errar por falar, escrever e demonstrar do que por ficar boiando em alto-mar. Estou aqui e agora nesse mundo caótico, tentando me equilibrar no fio da navalha que é a vida adulta; escrever é uma das maneiras mais acertadas para conseguir o equilíbrio das atitudes e das idéias. Se puder marcar minha passagem pelo mundo de alguma maneira, nem que seja apenas para quem faz parte do meu cotidiano, mesmo eventualmente, ótimo. Não tenho a preocupação de ser genial, apenas em existir e contemplar. Aliás, contemplar é um dos verbos que mais tem movimentado meus pensamentos, ultimamente. 

Veja só, a falta de inspiração inspirou mais um texto. A falta de acontecimentos extraordinários também. A vontade de escrever então, inspiração-mor, se manifestou nessas linhas e transformou minha angústia pela falta de inspiração em razão principal para escrever. Prova de que havendo vontade, tudo acontece e a vida se movimenta. Tudo pode sair do marasmo e realmente transformar o mundo à nossa volta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

No próximo ano, lambuze-se

Os votos dessas festas de final de ano são iguais e repetidos ad infinitum mundo afora pela sua família, vizinhos, amigos, desconhecidos, desconfio de que até os mortos os repetem em seus túmulos. Blábláblá sem emoção jogado ao vento e nos ouvidos incautos de quem foge dessa hipocrisia morna e irritante. Portanto, serei sincera: desejo que nesse próximo ano, você se lambuze. Fique com o rosto sujo e a alma respingada pelo lambuzo. Descasque uma manga e coma sem cortar em pedaços, sinta o suco escorrendo pela sua boca, as mãos meladas. Lambuze-se. Vá mais vezes à pracinha de brinquedos com seus filhos e se lambuze de areia, sujeira e amor. Abrace sua mãe e seu pai, faça mais brincadeiras irônicas com seus irmãos, evite a irritação com comentários alheios. Lambuze-se de tolerância. Sinta que você pertence a você, mas permita que alguém se lambuze de você. Permita que se lambuze com suas palavras, seus gestos, suas atitudes, seus olhos, seu corpo.
No próximo ano, lambuze-se de amor-própri…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…