Pular para o conteúdo principal

Ser eu

Copiado de www.desenhoswiki.com em 25/01/2013 às 23h 36min.

Quando era criança, minha maior ambição era conhecimento. Imaginava muitos livros em volta e o símbolo máximo para mim era uma sala inteira rodeada de estantes abarrotadas de livros. E que eu tivesse lido a metade, no mínimo. Estranho para uma criança e adolescente, não? Mas eu era uma devoradora de livros, cada história me transportava para um cenário, via cada cena descrita nos livros, fazia um retrato mental dos personagens. Monteiro Lobato e seu Sítio do Pica-Pau Amarelo foram engolidos para dentro da minha mente. Queria ser a Emília, a Narizinho, uma fada ou uma bruxa, tanto fazia. Conhecimento era minha fome. E, de tanto querer conhecer, percebi que me conhecer, saber quem eu era e sou e a história que conto é o conhecimento mais importante. Meu corpo, meus ciclos, minhas emoções e pensamentos são primordiais em minha eterna busca por saber. Me saber. Mesmo os livros e as revistas ensinam sobre mim e sobre a vida que pretendo viver. 

Enquanto as outras pessoas apenas fazem a pergunta "quem eu sou?" depois dos quarenta anos ou até mais tarde, eu fiz e faço desde a adolescência. O grande objetivo da minha vida sempre foi ser Eu. Minha identidade enquanto mulher e pessoa sempre veio antes de qualquer outro objetivo e vontade, talvez por isso o material tenha sido deixado para trás (bem atrás, hehe!). Vejo amigas e amigos batendo pino na vida, repetindo erros em relações e no trabalho, que sequer admitem suas fragilidades, cometendo suicídio emocional e financeiro porque não se conhecem. Ou, quando olham para dentro, não gostam da visão que tem e a preguiça de mudar fala mais alto. Têm medo do monstro que habita ali, nas profundezas de cada um de nós, da sombra que há em nossa cabeça inquieta e confusa. Somos andarilhos e eternos piratas de nós, o tesouro da vida é viver, mas a humanidade esquece disso. Esquece de contemplar sua vida e seu meio, esquece de apenas estar ali, em corpo e mente. Os pensamentos estão dispersos em outras situações e não em nós, nunca reservamos um momento do dia para nos observar. Assim, boa parte desses primatas bípedes humanos chegam à terceira idade frustrados, arrependidos e pensando nos vários Se que ecoam em sua mente.

Tenho meus "Se" também, mas corrijo. Evoluí bastante e tomo decisões com convicção, muito medo, mas em frente. Percebo que decidir por mim, pelas minhas emoções e ideologias, sem egocentrismo, é a melhor das atitudes, evitará os "Se" no futuro. Frustrações não fazem parte do meu vocabulário, resolvo bem na minha cabeça o que não fiz. E o que fiz, inclusive. Faz parte de ser eu, de ser essa pessoa complexa, cheia de nuances, mas com uma personalidade única que permeia cada faceta de mim, cada cantinho empoeirado do meu coração e da minha mente. Lógico que ainda tenho muito, mas muito a evoluir e realizar em minha vida, mas uma certeza eu levo no peito, a de que sou inteira em cada milésimo de fração de segundo da minha estada nesse planeta. A certeza de que sou profundamente eu nos dias de hoje e que essa Eu aqui está por completo nessa vida. E com você.

Comentários

  1. a minha forma de evitar as frustrações, ou enfim, de não ser uma pessoa frustrada por não estar naquela situação que, como sempre, "eu imaginava"é nunca desistindo. Penso que vou conseguir, e sinceramente, ás vezes tenho medo que seja um otimismo exacerbado e irreal, mas enfim, minha pala é: não desistir nunca, seja lá do que for que eu esteja almejando. Seja emagrecer, seja mudar minha vida profissional, seja me tornar aquela mulher super culta que eu sempre quis ser. Não desisto. Estudo o que dá, sigo a dieta como dá, assisto aos filmes alternativos que consigo, leio um livro quando dá. Mas não desisto. É a minha essência, pulsante, boa ou má.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada.

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …