Pular para o conteúdo principal

A um passo da lembrança

Numa confusa perturbação da memória, lembrei de alguém. Um alguém sensível, perdido, confuso e que uma vez escreveu que o deixei sem chão. Um alguém que me fez gostar de Adele e a quem sempre dedico em minha memória Someone like you. Um alguém divertido, leve e com um quase britânico senso de humor.  Alguém inteligente, leitor ávido e a quem não tive tempo de emprestar o livro do Knut Hamsun, E não consegue fugir, tenho certeza que ele se intrigaria tanto quanto eu me intrigo até hoje com a atualidade da história. Alguém que achou a atriz Reese Whiterspon parecida comigo e quis arrancar ela da tela da tevê por que lembrou de mim. Alguém que transformou o filme Água para elefantes em um tormento por algum tempo da minha vida. Alguém com quem eu errei muito, mas que errou ainda mais comigo. Alguém que me perdeu e eu perdi.

Acredito que nossas vibrações atraem as alheias e vice-versa. Do nada, assim, sem como e nem porquê ele veio com tudo em meu pensamento. Estranho, faz muito tempo mesmo que nem lembrava dele. Talvez ele também lembrou de mim e seu pensamento me chamou. Não sei, o fato é que pensei naquele baixinho metido que ficou fascinado olhando para meu rosto na noite em que o conheci. Parecia que ele estava hipnotizado. E eu, do alto de meus saltos, hehehe, pensava, que esse baixinho metido está pensando? Sequer olhava direito para onde ele estava, eu nem me importava com quem estava em volta, apenas curtindo um som e bebendo uma cerveja bem gelada. Até que falou comigo, dei meu número de telefone e fui embora. Não precisei de muito tempo para perceber que aquele foi um momento ímpar. Você, jovem galante, sempre metido, chegou em minha vida num período muito confuso para mim. Estava em um momento de reavaliação e foi muito, mas muito difícil. Então, começamos a nos falar, saímos algumas vezes e... nos envolvemos. Quando percebi que havia me envolvido foi um choque, vi que nunca havia deixado alguém mexer tanto comigo antes porque os caras que conheci não tinham o que você tem: complexidade.   

Saiba, seu baixinho metido, você me fez entender muitos aspectos sobre mim. Talvez tenha sido por isso que sua complexidade e sensibilidade encontraram eco em minha personalidade. Mas, como sempre, os que não fugiram, eu botei a correr, hehehe, provavelmente, esse meu instinto defensivo (uma praga em minha vida) deve ter espantado você. Sei que também mexi com suas emoções, mas não era para ser. Nesse final de semana deixei flores no túmulo da sua lembrança. Não sei quais flores gosta, mas imagine a sua preferida. Assim como você nunca soube que adoro borboletas por representarem a renovação, então, se não for pedir muito, escute Butterfly on wheel, da The Mission e lembre de mim. Uma pena, não tivemos tempo para trocar nossas impressões sobre música em intermináveis finais de semana. Houve outros dois homens tão interessantes quanto você nesse tempo em que nossa história se rompeu, faz mais de ano, mas foi você quem mostrou a mim o tipo de homem que me faria feliz, o complexo, o imperfeito. 

Um homem assim me instiga e preciso ser instigada. Alguém que sempre tem o que mostrar estimula o crescimento pessoal, acrescenta. Pode ser que se leve uma vida para descobrir a pessoa, mas quem tem pressa? Sempre lembrarei de você com carinho, foi importante, apesar de breve. Foi o primeiro homem que me fez perceber que poderia amá-lo, um dia. Como meus pensamentos tomaram rumo próprio, pensei em você. Lembrei da última vez em que nos vimos e que tocava Seven Wonders, da Fleetwood Mac "So long ago / It's a certain time / It's a certain place / You touched my hand and you smiled / All the way back you held out your hand / If I hope and I pray". Fique com essa parte da canção e lembre que, de uma certa maneira, estava ali sendo cantada nossa história. Lembre de mim, naquela noite em que me viu pela primeira vez, com meu vestido preto de renda decotado nas costas, lembre dos meus olhos e da energia que viu neles. Lembre dessa mulher de opiniões próprias, lembre das nossas conversas, lembre de nós. Nem que seja por um instante, deposite flores no túmulo dessa lembrança. Ah, antes que esqueça, gosto de flores do campo e orquídeas. Seven wonders para você.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

No próximo ano, lambuze-se

Os votos dessas festas de final de ano são iguais e repetidos ad infinitum mundo afora pela sua família, vizinhos, amigos, desconhecidos, desconfio de que até os mortos os repetem em seus túmulos. Blábláblá sem emoção jogado ao vento e nos ouvidos incautos de quem foge dessa hipocrisia morna e irritante. Portanto, serei sincera: desejo que nesse próximo ano, você se lambuze. Fique com o rosto sujo e a alma respingada pelo lambuzo. Descasque uma manga e coma sem cortar em pedaços, sinta o suco escorrendo pela sua boca, as mãos meladas. Lambuze-se. Vá mais vezes à pracinha de brinquedos com seus filhos e se lambuze de areia, sujeira e amor. Abrace sua mãe e seu pai, faça mais brincadeiras irônicas com seus irmãos, evite a irritação com comentários alheios. Lambuze-se de tolerância. Sinta que você pertence a você, mas permita que alguém se lambuze de você. Permita que se lambuze com suas palavras, seus gestos, suas atitudes, seus olhos, seu corpo.
No próximo ano, lambuze-se de amor-própri…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…