Pular para o conteúdo principal

Quero meu direito de ser mal-humorada


Eu tenho uma natureza muito peculiar que me deixa ácida em algumas circunstâncias. Diria que sou uma mal-humorada do bem, tenho meus momentos. Não gosto de dar bom-dia, levo um tempo para ser gente pela manhã, festas de final de ano não são uma maravilha, tenho TPM e sou muito crítica. Mas parece que as pessoas não entendem ou sentem-se atingidas por meus comentários incisivos. Quando posto alguma frase ou texto nas redes sociais destilando minha intempérie sempre tem um bichinho para lá de chato dando moral, como se esses momentos não fossem necessários na vida da gente. Olha, essa ditadura de felicidade extrema e ilimitada é um saco, porra. Provoca incongruências no comportamento das criaturas, acho um porre. E sem álcool. E a ressaca é mil vezes pior, blarghs. Essa gente que dá moral é chata por demais, nem eles sabem o que dizem, vivem uma vidinha muito meia boca. E justo eu que acredito ser uma pessoa muita mais divertida na minha acidez, consigo rir de mim depois. Mas a humanidade desaprendeu o sofrimento, a dor e o azedume.

Ser azeda é uma arte que levo a sério. Claro que não sou assim o tempo todo, mas quando sou, me supero. Na verdade, acho que tenho meus melhores momentos assim, destilando suco de limão puro pela pele. Não preciso de medicação alguma, só deixar o tempo passar e passa. E isso não significa que sou infeliz, pelo contrário, sou muito feliz. E por ser feliz, me permito a acidez e a causticidade do meu mau-humor, algumas vezes. Quando começo a não me aguentar, me reviro e renovo. Sempre sou outra depois dessas fases, sempre acrescento idéias e planos. Esse texto é uma prova disso. Apenas dou um conselho: pense antes de falar comigo nessas horas, provavelmente se me irritar usarei meu raciocínio para lhe demonstrar verdades incômodas na sua vida. Minha opinião será devidamente exposta e, se você não é preparado para isso, fique quieto, faça um favor à sua auto-estima. Minha artilharia pode ser pesada, dependendo das palavras usadas. 

Não preciso gritar SOU FELIZZZ aos quatro cantos do mundo, não preciso postar fotos sorrindo ou em momentos festivos para demonstrar as emoções. Aliás, quem faz isso nem de longe sabe realmente o que significa felicidade. Eu sei. Para mim, é paz de espírito, é a capacidade que tenho de viver mesmo que não tenha lá um grande motivo. Eu sou o melhor motivo. É assim, não há muito para acrescentar. Dinheiro, um par, bens materiais, amigos, nada faz feliz se você não está bem consigo mesmo, se não aguenta sua própria companhia. Preciso ficar sozinha, gosto de momentos em que posso apenas contemplar a existência sem ninguém por perto, sem que tenha que ser sociável. Na verdade, preciso ser antissocial de vez em quando, é minha maneira de ser, assim reorganizo os pensamentos, recupero energias. Nada não, mas gente me cansa, às vezes, mas cansa. Daí, destilo minha acidez para aguçar os sentidos e chacoalhar quem precisa. Mesmo quem não precisa é bom presenciar meu lado negro do bom-humor, hehehe.

Enfim, sou desse jeitinho querido de ser desde que me conheço. E não, não preciso estar em TPM para jogar suco de limão purinho, purinho por aí. Traz a vodka  que transformo em caipirinha. Mas gelo também, porque assim como fervo, também gelo, Iceberg-Mulher a congelar corações. Assim como sou afeto, sou distância, assim como sou alegre, sou feroz, assim como amo, ignoro. Assim sou eu, coerente, por mais que não entenda, tudo em mim faz sentido. Até esse pézinho de limão que cultivo na minha mente. Porque ser doce demais enjoa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

No próximo ano, lambuze-se

Os votos dessas festas de final de ano são iguais e repetidos ad infinitum mundo afora pela sua família, vizinhos, amigos, desconhecidos, desconfio de que até os mortos os repetem em seus túmulos. Blábláblá sem emoção jogado ao vento e nos ouvidos incautos de quem foge dessa hipocrisia morna e irritante. Portanto, serei sincera: desejo que nesse próximo ano, você se lambuze. Fique com o rosto sujo e a alma respingada pelo lambuzo. Descasque uma manga e coma sem cortar em pedaços, sinta o suco escorrendo pela sua boca, as mãos meladas. Lambuze-se. Vá mais vezes à pracinha de brinquedos com seus filhos e se lambuze de areia, sujeira e amor. Abrace sua mãe e seu pai, faça mais brincadeiras irônicas com seus irmãos, evite a irritação com comentários alheios. Lambuze-se de tolerância. Sinta que você pertence a você, mas permita que alguém se lambuze de você. Permita que se lambuze com suas palavras, seus gestos, suas atitudes, seus olhos, seu corpo.
No próximo ano, lambuze-se de amor-própri…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…