Pular para o conteúdo principal

Quando a vida parece um filme


É um momento ou uma situação em que você se dá conta de já ter presenciado uma cena ou história parecida com a que está vivendo. E lembra de um filme. Pois é, nesse final de semana percebi que minha vida, no momento, é o filme A Casa do Lago. Tive um estalo e entendi perfeitamente a metáfora da película, em que os apaixonados vivem em tempos diferentes, ele no passado e ela, no futuro, trocam correspondências, mas nunca se encontram. Por um momento apenas, dançaram, conversaram e é nessa cena em que se encerra todo o drama do casal, eles não se reconheceram. E sei o que é não reconhecer, em um sentido intangível, a pessoa que está em sua frente, não perceber que pode ser Aquela pessoa, A pessoa. Existe sim esse Alguém tão especial, definitivo e mágico em nossa vida e ainda bem que os loucos, poetas e românticos que andam sobre as nuvens, como eu, acreditam nisso. Ainda bem que sonho, de olhos abertos e coração vibrante, ainda bem que acredito e confio, ainda bem que vivo.

A casa representava o amor deles, é nesse amor que eles são inteiros, são únicos, são eles mesmos, sem máscaras. "O homem que nunca vou poder conhecer é o único ao qual gostaria de entregar meu coração". Sempre gostei do A Casa do Lago, sempre achei surreal e etérea aquela história, mas agora a compreendo, agora sei o que significa não ser o momento da relação, agora entendo que uma morte precisa acontecer para que o verdadeiro encontro seja possível e não é uma morte física, jamais, é a morte figurada de uma idéia, neurose ou experiência. É a morte que abre as portas para um vida nova ou renovada, para novas emoções, um sentimento profundo; só é possível viver após morrer, só é possível reconhecer Aquele alguém após a morte do comodismo, do lugar comum, só após essa morte é que é possível, mesmo com medo, arriscar-se a esse vôo no escuro. Afinal, a vida é um risco. Viver é a maior aventura, como disse Peter Pan. Eles se correspondiam apesar do que os amigos e familiares diziam, eles acreditavam em seus sentimentos e quantas pessoas podem afirmar o mesmo sobre suas relações? Quantos casais podem ser convictos do que sentem, das suas escolhas? Quantas pessoas seguem realmente seu coração, sua intuição? Quantas vezes desviamos a rota apenas para encontrar um desfiladeiro e um arrependimento? Quantas vezes deixamos de ter atitude e esse Alguém escapa? 

A vida nem sempre tem um desfecho igual aos filmes, embora eu acredite que pode superar a beleza e singularidade destes. Meu coração não dói e nem espera. Meu coração está em um suspenso, um entorpecimento. Sei bem o que a personagem da Sandra Bullock passou ao escrever a carta da despedida, embora ela não soubesse que ele havia morrido. Agora me é perfeitamente compreensível a coragem que teve para largar seu então noivo e ir até a casa do lago e escrever a derradeira carta, aquela que faria o personagem do Keanu Reeves mudar o curso da morte e viver para encontrá-la, é então que o casal está no momento presente e realmente pode viver a relação tão impossível enquanto irreal, tão possível quando se faz possível. Eles não eram os adequados um para o outro, eram certos um para o outro e acredito que esse é o real dilema da maioria dos casais: a adequação aos olhos da sociedade, dos amigos, dos familiares. E é nessa adequação que enterramos nossos sonhos e planos, nossos projetos mais poéticos e uma vida improvavelmente real. Uma vida tangível de afeto e trocas, de encontros cotidianos e conversas através dos olhares, de piadas particulares e uma história para contar. Aos filhos, aos netos e aos que quiserem e puderem escutar e entender a beleza de um encontro mais que físico, que se fez no plano das nuvens. Que se fez nas estrelas e na Lua, no céu e no Sol, na curva de um sorriso e no toque de um beijo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …