Pular para o conteúdo principal

Por quê você vive?


Vejo todos os dias manifestações sobre o direito das pessoas com necessidades especiais, programas sobre pessoas que são abandonadas em asilos ou hospitais por serem dependentes devido à sequelas de acidentes ou problemas congênitos, enfim, que de alguma maneira ou outra precisam ou de reeducação para conviver na sociedade ou de atenção cotidiana ou especial. Popularmente, chamamos essas pessoas de deficientes ou mentais ou físicos, quando não os dois juntos. Ontem à noite, ao ver algum desses programas, desejei que se tiver filhos eles sejam saudáveis, para que possam viver bem quando eu me for. Mas questionei, ao mesmo tempo, o que é, realmente, ser privado de suas habilidades motoras, físicas ou mentais? O que é realmente ter capacidade de viver dependendo apenas de você? O que é ser cego, surdo, mudo, desprovido de movimentos e de capacidade de análise? O que é, de verdade, estar no mundo plenamente? Quem de nós pode dizer que faz bom uso de seus sentidos?

Já pensava que a humanidade corre tanto para conseguir dinheiro na ânsia de adquirir coisas às quais não tem necessidade real que simplesmente não aprecia a vida que transcorre todos os dias. Mas meu raciocínio mostrou que é bem pior que isso, confesso que tive um choque de realidade, essa mesma realidade que você não vê. Os verdadeiros deficientes somos nós, os que tem todas as capacidades físicas e mentais e as subutilizamos ou nem valorizamos. Percebi que as pessoas não enxergam, cegas que estão por apelos consumistas e a competição no mercado de trabalho, deixam de observar os pássaros voando, a grama crescendo ou os estragos que a humanidade faz ao planeta (alienação? quem são os verdadeiros alienados?). Os Cegos que enxergam não vêem a vida transcorrendo, os filhos crescendo e os vazios que carregam no peito; não vêem as desigualdades no mundo, a beleza de um amanhecer ou a poesia no crepúsculo; não enxergam que o tempo está passando. Não contemplam o mar como um gigante misterioso e nem admiram a vida em todas as suas manifestações, não leem nos olhos de alguém o amor que essa pessoa tem por ele. Triste.

Os Surdos que ouvem jamais atentam para o canto de um pássaro em sua janela ou a gargalhada mágica de uma criança; escutam os apelos do tráfego mas não o lamento de seus familiares ou amigos; não ouvem os sussurros do mundo; apenas o tic-tac do relógio ou o chamado do dinheiro. Jamais deixam a música entrar em seu coração e alegrar sua vida; jamais escutam o que está além das palavras e nem percebem o real significado destas ou as entonações de voz que denunciam a sinceridade ou a falsa intenção. Triste aqueles que não ouvem sua intuição ou a voz do seu coração, que passam pelas pessoas sem nem ao menos escutar por alguns momentos a história que tem para contar, que vedam seus ouvidos aos chamados do espírito. E emudecem quando eu ou você mais precisamos ouvir um alento, uma palavra de amor e carinho ou a simples declaração de afeto que está mais nos olhos que nas palavras, a linguagem do coração. E o que escrever sobre o Olfato, que não cheira o doce perfume que vem das flores, a harmoniosa combinação de chuva e grama, o chamado aéreo de uma comida bem feita, como uma brisa de sabores. E o Paladar, esse esquecido, que come mais do que precisa sem saborear as combinações de temperos e que se farta e promove a gula como se fosse melhor do que a deliciosa promessa de um sushi com um toque de raiz forte e embebido em shoyo, que não degusta um risoto delicioso devagar, sem pressa, como um amante desvenda o corpo da amada. Triste.

O Tato esquece do contato quente de um abraço, tão preocupadas que estão as mãos em carregar sacolas de compras, em segurar o volante em intermináveis horas no trânsito, em conversas ao telefone ou no bate-papo de alguma rede social. Mas e o toque de quem se ama, se deseja, daquela pessoa que lê nossa alma com um simples olhar, acalentando nosso dia? E as mãos perdidas no corpo dO alguém, queimando indefinidamente a pele e promovendo labaredas de desejo e amor? E os afagos em uma criança, que brinca e pula em nossa volta? Realmente, perde-se tanto ao não se praticar pequenas atitudes.

Somos aptos para caminhar, correr e nos movimentar, mas não usamos nossa energia de maneira produtiva, somos sedentários, entramos em elevadores e caminhamos até nossos automóveis ou ônibus, mas não andamos calmamente por um parque movimentando nossos músculos, fazemos mal à nossa coluna por horas e horas sentados ou mal posicionados, o que seria facilmente resolvido ou prevenido se houvesse o hábito de exercitar-se. Quem é, afinal, o deficiente físico? Alguém, por favor, responda em silêncio. Não é uma resposta fácil de ser dada e de pior constatação. Eu vejo a modernidade produzindo zumbis vivos, a comida não é combustível, vive-se para comer. Não sentimos de verdade, economizamos energia e vontade, economizamos afeto e abraços, economizamos vida e desperdiçamos tempo. 

Eu gosto da vida moderna, lógico, mas acredito que nos conectamos ao mundo através dos computadores, mas não conectamos à Natureza nossos sentidos e nosso corpo, não conectamos nossos corações às pessoas por quem temos nosso apreço, vivemos reclusos em cavernas reais ou imaginárias com medo de sentir, provar, viver. Me pergunto, por quê vivemos, eu e você? Qual a finalidade de uma máquina orgânica perfeita, que não usa adequadamente suas habilidades? Sei apenas que decidi usar bem minha máquina. Decidi fazer com que meu coração sinta, meu corpo se movimente e meu cérebro pense. Decidi por mim, por viver. E você?



Meus votos de um Feliz Natal e um Feliz 2013! E que possamos viver, de fato.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …