Pular para o conteúdo principal

Procuro seus pedaços em alguns inteiros



Parece loucura, parece volubilidade, parece carência, parece que meu sentimento é vão. Clichê total, sei disso, por favor, me permita a breguice de sentir sua falta cada vez em que dobro a esquina, que vejo alguém parecido com você, que lembro das nossas conversas, que penso em saber sua opinião. Deve ser isso ou o juízo me fugiu (se é que algum dia o tive) que faz de mim uma caçadora dos seus pedaços pela cidade. A tatuagem de alguém que lembra a sua, um homem com a sua altura e estilo, outro que trabalha na mesma área, outro que conversa um assunto que remete a você, os enfileirados, um após outro, que surgiram com seu signo, atormentando minha vida. Aquele cujo signo é o mesmo do seu lunar. Sim, lembro de tudo, até porque, nem faz tanto tempo assim. Mesmo que fizesse, sua ausência é uma desgraça, está em cada passo que dou, em cada retorno para a minha casa, em cada vez em que deito e sinto sua falta. Você está em mim e em algum lugar por aí.

O coração pula enlouquecido em meu peito quando penso ter encontrado outro pedaço seu por aí. Talvez, minto, certamente é o desejo de vê-lo inteiramente, que se poste em minha frente e deixe minhas pernas transformadas em gelatina quando abrir seu sorriso arrasador. Como pude tirar essa mulher tão frágil de dentro do meu abismo? Como pude ser essa criatura que procura por alguém que, provavelmente, a ignora? Quero jogar e meu melhor parceiro (até agora) não está aqui, o melhor desafio, melhor nem sei em quê. Quero falar e o melhor ouvinte e que melhor me compreendeu não me ouve. Sabe que converso sozinha com você? Xingamentos são parte dessa conversa, mas declarações e lembranças também o são. Perdi a sanidade, estranhamente, sinto como se agora é que estivesse realmente viva. 

Procuro você em outros, mas sei que não estará em nenhum deles, é único e insubstituível. Seus dramas pessoais, sua visão de mundo, suas contradições. Você é tão você e sequer percebe. Diz aos amigos que não é bem assim, logo em seguida, entrega algum sorriso pendurado nos lábios quando meu nome surge. Sei disso, ninguém precisa falar ou comentar, eu sei. Conheço uma parte de você e gostaria muito que conhecesse uma parte minha. Que as partes faltosas se apresentassem e, assim, fosse feito um acordo. Você é meu melhor segredo e minha busca diária. 

Embora tenha bloqueado seu telefone, as caixas de diálogo no bate-papo, não o bloqueei no coração. Atitude contraditória, como eu. Aliás, fosse de outra maneira, não seria eu. O fato de raramente enviar sinais de fumaça nada significa, eu sei. Acostumado com mulheres que agem de modo padrão e óbvio, comigo deve ter dúvidas. Ao ler esse texto nem reconhecerá você nele, também o sei. Ou pensará "ela jamais escreveria algo assim para mim". Escrevi, aliás escrevo. Vê? Há algo entre nós que foge da minha percepção, gostaria que arrancar do meu peito e da minha cabeça, abrir esse espaço que é seu para que outro o ocupe. Sei que outro virá, talvez, com menos medo de uma mulher intrometida e hiper-sensível como eu. 

Enquanto não sei onde está, o procuro por aí. Um dia, canso, deixo a raiva tomar conta e o arranco de mim, sou perita nisso. Embora disfarce bem, sou blindada de maneiras imperceptíveis aos olhos comuns. O que todos percebem de mim é apenas a ponta do Iceberg-Mulher que sou, apenas o que permito. Mesmo você mal sabe quem sou e nem se deu ao trabalho de descobrir. Acredito que gostaria de todas as mulheres que estão por aqui, morando em meu abismo. Saberia com qual adormeceu, se aventuraria a descobrir qual acordou em seu peito. Sim, seu peito. Seus braços, seu abraço, suas pernas pesando sobre as minhas, suas mãos em minha cintura fina. Você tatuou sua lembrança em cada pedaço de pele, em cada suspiro que dou. Você é o DNA do meu afeto, lindo. Espero na próxima esquina que surja inteiro e não seu pedaço em outro alguém. Por enquanto.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …