Pular para o conteúdo principal

A neurose de amor

 
 
Um famoso escritor da atualidade, volta e meia desopila seus amores e desamores em suas crônicas em jornais e no mundo virtual. Posta fotos de suas amadas, fala de seus sentimentos e, na minha opinião, expõe exageradamente aquelas que diz amar. Ele é ele, lógico, marketing ou não, é a sua maneira de expressar sentimentos. Tem vários casamentos e relações nas costas, todos definitivos, todos exagerados, todos propagados e difundidos. Sofre e se arrebenta em textos, pede para que ela volte, desfia as qualidades da amada, enaltece a relação, desabafa sobre o rompimento. Dali a algumas semanas, outra musa sobe ao posto, com tanta intensidade quanto a anterior. Essas atitudes, em minha modesta opinião, demonstram uma situação: ele ama mais o amor do que a pessoa e sufoca quem está com ele.

Você o criticaria, amiga(o), diria que é um cara impulsivo, chato e tal. Entretanto, quantas vezes você amou o amor, se apaixonou pela relação e não pela pessoa? Quantas vezes evitou de admitir erros seus ou do outro? Quando se ama, se admite erros, defeitos e mágoas. Quando se ama, não se ama de pronto, se ama aos poucos, se desvenda alguém. Amar de pronto é paixão, cegueira, euforia, é ver no outro a si mesmo e não quem o outro é, suas complexidades. O amor precisa de tempo, de dedicação e, lógico, vontade. Ficar na vida de alguém não é fácil, compreensão, respeito e sincronia são essenciais. Sufocar o outro com um sentimento irreal e desmedido é impor sua presença na vida de alguém. Acredito que o problema do tal escritor é justamente buscar no outro um sentimento que não existe, uma completude desnecessária. Talvez, apenas talvez, seja tão arrogante que ama a si mesmo quando tem alguém e não consegue se amar sendo sozinho. Talvez não suporte a própria companhia e precise de muletas para justificar a existência.

Já me apaixonei pela ideia e não pela pessoa, já tive paixões ensandecidas, já tentei gostar, já me senti miserável e já fui arrogante, mas aprendi que me amar acima de todos é muito, muito melhor. Preciso até controlar meus hábitos para não ser excessivamente individualista, fazendo tudo ao meu modo. Mas convivo bem comigo e quando abro a porta da minha vida não é porque precise da pessoa, mas porque quero que esteja aqui, me desvendando e compartilhando seus hábitos e sonhos. Quero desfolhar indefinidamente as variadas camadas e facetas, quero saber suas motivações, sonhos medos e dramas. Quero conhecer sua história, saber de que material foi forjado, sentir ciúme e afeto. Quero me perder nas pupilas dele e decifrar cada gesto. Pretender amor e não respeitar a individualidade do outro é egoísmo, arrogância, se acreditar tão insubstituível e necessário que a outra pessoa nem precisa debater a relação, como se dependesse de você ao ponto de não ficar longe. Bobagem.
 
Amor é dor que faz crescer, é maluco e até simples. Desde que você aceite que amor real e palpável nunca faz mal e amor dado é respeito, compreensão e silêncio ao ser amado. Amor não é vício. Mas nunca, nunca mesmo, confunda amor com idolatria. Nem que seja a idolatria ao seu próprio sentimento, como parece fazer o dito escritor. E lembre-se, melhor que amor nenhum é o amor-próprio.

Comentários

Postar um comentário

Obrigada.

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …