Pular para o conteúdo principal

A neurose de amor

 
 
Um famoso escritor da atualidade, volta e meia desopila seus amores e desamores em suas crônicas em jornais e no mundo virtual. Posta fotos de suas amadas, fala de seus sentimentos e, na minha opinião, expõe exageradamente aquelas que diz amar. Ele é ele, lógico, marketing ou não, é a sua maneira de expressar sentimentos. Tem vários casamentos e relações nas costas, todos definitivos, todos exagerados, todos propagados e difundidos. Sofre e se arrebenta em textos, pede para que ela volte, desfia as qualidades da amada, enaltece a relação, desabafa sobre o rompimento. Dali a algumas semanas, outra musa sobe ao posto, com tanta intensidade quanto a anterior. Essas atitudes, em minha modesta opinião, demonstram uma situação: ele ama mais o amor do que a pessoa e sufoca quem está com ele.

Você o criticaria, amiga(o), diria que é um cara impulsivo, chato e tal. Entretanto, quantas vezes você amou o amor, se apaixonou pela relação e não pela pessoa? Quantas vezes evitou de admitir erros seus ou do outro? Quando se ama, se admite erros, defeitos e mágoas. Quando se ama, não se ama de pronto, se ama aos poucos, se desvenda alguém. Amar de pronto é paixão, cegueira, euforia, é ver no outro a si mesmo e não quem o outro é, suas complexidades. O amor precisa de tempo, de dedicação e, lógico, vontade. Ficar na vida de alguém não é fácil, compreensão, respeito e sincronia são essenciais. Sufocar o outro com um sentimento irreal e desmedido é impor sua presença na vida de alguém. Acredito que o problema do tal escritor é justamente buscar no outro um sentimento que não existe, uma completude desnecessária. Talvez, apenas talvez, seja tão arrogante que ama a si mesmo quando tem alguém e não consegue se amar sendo sozinho. Talvez não suporte a própria companhia e precise de muletas para justificar a existência.

Já me apaixonei pela ideia e não pela pessoa, já tive paixões ensandecidas, já tentei gostar, já me senti miserável e já fui arrogante, mas aprendi que me amar acima de todos é muito, muito melhor. Preciso até controlar meus hábitos para não ser excessivamente individualista, fazendo tudo ao meu modo. Mas convivo bem comigo e quando abro a porta da minha vida não é porque precise da pessoa, mas porque quero que esteja aqui, me desvendando e compartilhando seus hábitos e sonhos. Quero desfolhar indefinidamente as variadas camadas e facetas, quero saber suas motivações, sonhos medos e dramas. Quero conhecer sua história, saber de que material foi forjado, sentir ciúme e afeto. Quero me perder nas pupilas dele e decifrar cada gesto. Pretender amor e não respeitar a individualidade do outro é egoísmo, arrogância, se acreditar tão insubstituível e necessário que a outra pessoa nem precisa debater a relação, como se dependesse de você ao ponto de não ficar longe. Bobagem.
 
Amor é dor que faz crescer, é maluco e até simples. Desde que você aceite que amor real e palpável nunca faz mal e amor dado é respeito, compreensão e silêncio ao ser amado. Amor não é vício. Mas nunca, nunca mesmo, confunda amor com idolatria. Nem que seja a idolatria ao seu próprio sentimento, como parece fazer o dito escritor. E lembre-se, melhor que amor nenhum é o amor-próprio.

Comentários

Postar um comentário

Obrigada.

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

No próximo ano, lambuze-se

Os votos dessas festas de final de ano são iguais e repetidos ad infinitum mundo afora pela sua família, vizinhos, amigos, desconhecidos, desconfio de que até os mortos os repetem em seus túmulos. Blábláblá sem emoção jogado ao vento e nos ouvidos incautos de quem foge dessa hipocrisia morna e irritante. Portanto, serei sincera: desejo que nesse próximo ano, você se lambuze. Fique com o rosto sujo e a alma respingada pelo lambuzo. Descasque uma manga e coma sem cortar em pedaços, sinta o suco escorrendo pela sua boca, as mãos meladas. Lambuze-se. Vá mais vezes à pracinha de brinquedos com seus filhos e se lambuze de areia, sujeira e amor. Abrace sua mãe e seu pai, faça mais brincadeiras irônicas com seus irmãos, evite a irritação com comentários alheios. Lambuze-se de tolerância. Sinta que você pertence a você, mas permita que alguém se lambuze de você. Permita que se lambuze com suas palavras, seus gestos, suas atitudes, seus olhos, seu corpo.
No próximo ano, lambuze-se de amor-própri…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…