Pular para o conteúdo principal

Sexo é um pudim


Eu fiz uma besteira enorme. Comentei um texto para lá de caliente e comparei sexo sem intensidade a um pudim pela metade em um prato. Pensei em um delicioso, cremoso, que derrete na boca e com aroma de baunilha pudim de leite. Por quê nunca associei antes? Pudim de leite é um convite para o sexo, com sua textura cremosa, sua suavidade e o fato de combinar com praticamente qualquer situação. Pudim é uma delícia, ele cria um sabor especialíssimo em nossa boca, causa comoção entre famílias para ver quem fica com o último pedaço. Um pedaço de pudim é quase como voar até o céu e voltar, com seu último pedaço e o restinho de calda escorrendo pelo prato. Como o orgasmo e nosso inimaginável gozo escorrendo da nossa vagina até o glorioso buraco secreto. Um pecado consumido com prazer e fome, como um pudim deve ser.

Pudim aceita raspas de limão e de laranja, aceita sorvete de creme, aceita bolo, aceita caldas diferentes, só não aceita que você não o coma. Pudim deveria ser servido nos cafés da manhã de todas as famílias, principalmente entre o casal sequioso de afeto e açúcar. Pudim pode ser comido sem colher e garfo, apenas com sua língua quente deslizando pelo cremoso doce, sentindo a textura queimando e derretendo sob a língua, escorrer pelos cantos da boca, sentindo. Abocanhe um pudim com gula e desespero. Se lambuze esfomeadamente, vá sem medo. Já repararam que pudim a gente come mesmo quando não tem fome? É, pudim mata a fome da alma e do corpo, fora aquele formato redondo com um furo no meio, onde a calda escorre vagarosamente. Hum. E o cone no meio da forma do pudim é escandalosamente erótico, admita.

Há vários pratos para servir pudim. Não necessariamente de vidro ou porcelana... Há várias colheres para comer pudim, não necessariamente de aço inox ou plástico... E pudim pode ser consumido ou consumado nos mais variados horários e lugares, quem liga se você come pudim e quando você come? Só quem não abre seu paladar para as variadas maneiras de se comer e preparar pudim. Só quem não sabe a delicia de sentir sua cremosidade tomando conta da língua e da garganta. Muito, mas muito bom. Comer pudim é quase um atestado de gula serena e fervente, uma escapada pelos segredos do sabor.

É, nunca mais em minha vida conseguirei ver um pudim brilhante e cremoso sem pensar em sexo. Bom apetite!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…

Equilíbrio

Ela desligou seu coração. Tantas vezes tentou ser ela, se envolver, sentir. E nada. Desistiu do envolvimento, agora era pura carne. Vestiu seu lado predadora e foi assim que decidiu viver, daquele dia em diante. Ela se sente em suspenso, num limbo, mera observadora de sua vida. Nada sente, ninguém abala, remexe ou modifica as batidas de seu coração. Nenhuma ligação ou mensagem a esperar, nenhum toque no interfone, campainha ou o que for. Seu cérebro ansioso CID 10 - F41.1 se transformava em um redemoinho de pensamentos quando seu coração descompassava. É doentio e masoquista ter afeto por alguém, a deixava com pensamentos recorrentes, ideias fixas, dor. Pensando bem, nem relacionamento meramente sexual. Seu mundo fechado e isolado dos outros era confortável. Doente, mas confortável em seu silêncio repleto de barulho, em suas sombras.
Filmes e seriados eram melhores companhias do que a presença de um homem. Preferia assim desde sempre, apenas mais jovem não tinha tanta segurança, o que …