Pular para o conteúdo principal

Sexo é um pudim


Eu fiz uma besteira enorme. Comentei um texto para lá de caliente e comparei sexo sem intensidade a um pudim pela metade em um prato. Pensei em um delicioso, cremoso, que derrete na boca e com aroma de baunilha pudim de leite. Por quê nunca associei antes? Pudim de leite é um convite para o sexo, com sua textura cremosa, sua suavidade e o fato de combinar com praticamente qualquer situação. Pudim é uma delícia, ele cria um sabor especialíssimo em nossa boca, causa comoção entre famílias para ver quem fica com o último pedaço. Um pedaço de pudim é quase como voar até o céu e voltar, com seu último pedaço e o restinho de calda escorrendo pelo prato. Como o orgasmo e nosso inimaginável gozo escorrendo da nossa vagina até o glorioso buraco secreto. Um pecado consumido com prazer e fome, como um pudim deve ser.

Pudim aceita raspas de limão e de laranja, aceita sorvete de creme, aceita bolo, aceita caldas diferentes, só não aceita que você não o coma. Pudim deveria ser servido nos cafés da manhã de todas as famílias, principalmente entre o casal sequioso de afeto e açúcar. Pudim pode ser comido sem colher e garfo, apenas com sua língua quente deslizando pelo cremoso doce, sentindo a textura queimando e derretendo sob a língua, escorrer pelos cantos da boca, sentindo. Abocanhe um pudim com gula e desespero. Se lambuze esfomeadamente, vá sem medo. Já repararam que pudim a gente come mesmo quando não tem fome? É, pudim mata a fome da alma e do corpo, fora aquele formato redondo com um furo no meio, onde a calda escorre vagarosamente. Hum. E o cone no meio da forma do pudim é escandalosamente erótico, admita.

Há vários pratos para servir pudim. Não necessariamente de vidro ou porcelana... Há várias colheres para comer pudim, não necessariamente de aço inox ou plástico... E pudim pode ser consumido ou consumado nos mais variados horários e lugares, quem liga se você come pudim e quando você come? Só quem não abre seu paladar para as variadas maneiras de se comer e preparar pudim. Só quem não sabe a delicia de sentir sua cremosidade tomando conta da língua e da garganta. Muito, mas muito bom. Comer pudim é quase um atestado de gula serena e fervente, uma escapada pelos segredos do sabor.

É, nunca mais em minha vida conseguirei ver um pudim brilhante e cremoso sem pensar em sexo. Bom apetite!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …