Pular para o conteúdo principal

Manifesto sobre a teimosia



Nasci sob os desígnios do signo de Touro, ascendente em Capricórnio; apenas (ou talvez) por isso sou adjetivada de "teimosa". Nesse pensamento, minha sentença como pessoa "teimosa" é proferida quase com satisfação e todos os meus pensamentos, as opiniões e atitudes entram nessa sentença. Sabe, você que está lendo, teimosamente, esse texto: tenho mandado essas criaturas enfiar algo em seu orifício recôndito e obstruído pela escuridão, mesmo que mentalmente. É ridículo como gente que não revê atitudes, comete o mesmo erro ano após ano, relação após relação e escolha após escolha, alcunha a mim como "teimosa". Óbvio que tenho algumas teimosias, mas daí a classificar toda uma pessoa por um ou dois posicionamentos é exagero. O pior, gente que bate o pé apenas porquê a atitude ou idéia é sua, que aponta o erro do outro e não faz mea culpa assumindo o seu. É preciso ter paciência com essa gente. Aviso desde já que paciência é artigo raro em mim. Mas aceito pensar a respeito.

Reflito sobre isso desde uns acontecimentos recentes, onde uma amiga entrou em crise com o namorado, por ter, sabiamente, torrado a paciência dele com seus recorrentes ataques. O incrível é que seu comportamento é reincidente, relação após relação, afirmando que ela é assim e o outro é quem deve saber lidar com ela. Ou é do meu jeito ou de jeito nenhum nada tem a ver com teimosia, sou assim e pronto é uma atitude muito adulta e sábia. Aprenda você a me compreender e me desobrigue do contrário. Ceda você, entenda a mim. E isso não é teimosia, imagina. Os que revêem seu comportamento, que exercitam a autocrítica, como eu, é que são teimosos. Os que acreditam em ceder aqui e ali para conviver com alguém ou conhecer melhor o outro é que teimam. Os que não criam caso, que procuram evoluir, são teimosos. Os que se desprendem de convicções, que tentam ver o mundo com outros olhos é que são teimosos, os que fogem do determinismo religioso cristão / espírita / judaico / astrológico são teimosos. Quem busca aprimoramento emocional é teimoso, quem quer encontrar um jeito mútuo de conviver é teimoso. Que tempos, amigo, que tempos os que vivemos.

Definir alguém por um signo, cor de pele, religião, sexo, orientação sexual e etecetera é tosco, desculpe a objetividade. Sou muito mais do que meu signo e tudo o mais, uma pessoa que tem bagagem e história que dizem muito sobre mim. Alguém que é consciente dos seus erros e está sempre em busca de mudar, compreende o princípio da impermanência e se sabe mutante e aprendiz de viver. Criticar e criticar quem tem coragem de se assumir e dar a cara a tapas é fácil, mas repensar a vida e atitudes está fora de cogitação. Apontar o dedo para quem tem opiniões e procura ser fiel aos seus sentimentos, sem jogos ou máscaras, é fácil. Mas vestir a própria pele e encarar suas sombras, seus monstros e amadurecer dolorosamente, procurando caminhos alternativos, sequer é imaginado. O curioso é que o teimoso sofre duplamente, por si e pelo outro, aquele ingrato, que não o compreende, afinal, quem teima sempre se cobre de razões (muitas delas falecem ao primeiro questionamento).

Minha amiga teima, como várias e várias outras pessoas que conheço, em perceber que a mudança de atitudes e pensamentos caiu de madura. Pede para o parceiro entender que ela é assim. Que tal, hein? No entanto, se afirmo que sou assim, com neuroses e tudo, me aconselha “desse jeito acabará sozinha”. Quando um tem o “seu jeito” de ser, penso que tenho o meu. Se duas pessoas fincam o pé no “ah, sou assim e pronto” um encontro afetivo é descartado por duas pessoas que não arredam pé de suas teimosas ideias. Sequer percebem que a outra pessoa não tem a obrigação de aceitar e pode reagir de maneiras impensadas, inclusive abandonando o barco. Se cada um de nós tem um momento, cabe aos dois encontrar um ponto de equilíbrio, uma convivência sadia, tentando que o outro compreenda. Quando um está em um processo difícil, é o momento de, momentaneamente, deixar de lado suas demandas e apoiar o(a) parceiro (a).


Desde meus vinte e poucos anos percebi que “ou me aceita assim ou nada” é burrice. Acreditar que há apenas uma maneira de se conduzir, agir e pensar é envelhecer prematuramente. E quem escreve esse texto já esteve presa à convicções, mas, corajosamente, tem as abandonado e tentado ser alguém melhor. Contemplar a vida e absorver as lições que ela nos dá é maturidade, é plenitude de pensamentos. É um processo doloroso, exige olhar bem no fundo de sua alma, mas compensa e muito. Portanto, que os teimosos, como eu, que sabem ser necessário procurar outros lados para avaliar nossas atitudes, que entendem haver outros personagens em nossa vida que desejam aprender sobre nós, sejam a maioria, num futuro breve. Que nossa teimosia em mudar e rever conceitos e convicções seja a tônica da vida. E que eu me mantenha, teimosamente, mutante e aprendiz de viver.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

No próximo ano, lambuze-se

Os votos dessas festas de final de ano são iguais e repetidos ad infinitum mundo afora pela sua família, vizinhos, amigos, desconhecidos, desconfio de que até os mortos os repetem em seus túmulos. Blábláblá sem emoção jogado ao vento e nos ouvidos incautos de quem foge dessa hipocrisia morna e irritante. Portanto, serei sincera: desejo que nesse próximo ano, você se lambuze. Fique com o rosto sujo e a alma respingada pelo lambuzo. Descasque uma manga e coma sem cortar em pedaços, sinta o suco escorrendo pela sua boca, as mãos meladas. Lambuze-se. Vá mais vezes à pracinha de brinquedos com seus filhos e se lambuze de areia, sujeira e amor. Abrace sua mãe e seu pai, faça mais brincadeiras irônicas com seus irmãos, evite a irritação com comentários alheios. Lambuze-se de tolerância. Sinta que você pertence a você, mas permita que alguém se lambuze de você. Permita que se lambuze com suas palavras, seus gestos, suas atitudes, seus olhos, seu corpo.
No próximo ano, lambuze-se de amor-própri…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…