Pular para o conteúdo principal

A incrível geração de gente que não sabe o que dizer



Relendo dois textos sobre mulheres e suas motivações para ter alguém ou não, ambos diametralmente opostos e ambos absolutamente parciais, tenho algo, a dizer: ai, meus sais, meu saco e meu Jack Daniel's sem gelo, por favor. Ambos são parciais em todas as atribuições que me, lhe, se colocam e sim, achei tosco que, em um mundo diverso, amplo e repleto de nuances, ainda há gente (principalmente mulheres - amigas, vocês nunca foram tão machistas e tão estereotipadas) que veja o mundo sob essa ótica homem versus mulheres. Quero deixar bem claro que sou a favor sem restrições da batalha entre os sexos, desde que seja em uma cama com lençóis limpos, com direito a uns tapinhas, se assim convier, beijos demorados e cheios de saliva, verdadeiros gladiadores (as) do sexo, com lingerie bonita (pode ser sem nada mesmo) e direito a abraço demorado depois do gozo. Outra batalha qualquer é mais um round nesse mundo repleto de disputas inúteis em que tudo se resolveria se houvesse mais mente aberta e capacidade de compreensão.

Em princípio, sumidades na vida de mulheres: eu gosto de cozinhar sim, apenas não me agrada fazê-lo todos os dias, isso não me faz menos independente do que você ou qualquer outra. Também, não me faz menos batalhadora e nem a mulher que não acorda às seis da manhã para fazer a chapinha e pegar uma ou duas horas de trânsito para trabalhar, mas acorda às cinco e meia porque seu bebê chorou ou quer bagunça. E, que depois de alimentar seu filho, ainda encara um dia inteiro de casa, roupas, pessoas, outros filhos, marido e a si mesma. Uma mulher que não tem o sucesso financeiro de várias que enchem sua boca para falar de independência, mas usam antidepressivos quando rompem uma relação. Que não seguram sua onda e nem bancam suas escolhas, se prendem a padrões e conceitos. Que, se não possuem tudo que acreditam dever ter ou não se hospedam em lugares hypster ou apresentam fotos de diversão contínua, serão menos interessantes ou aceitas. 

E, outras autoras de textos: não culpo homem nenhum por minha solitude, culpo a mim e minhas percepções defensivas e errôneas sobre o mundo. Homens não mentem o tempo todo, mas muitas das minhas amigas que repetem isso como a um mantra, mentem para si mesmas, também (e muito) projetam no homem sua culpa por não saber o que quer. Na verdade, também culpo esse mundo volátil e superficial, de consumo fácil em que vivemos. Ambos, homens e mulheres estão perdidos e traindo a si mesmos quando repetem ad infinitum conceitos que nem analisam para ver se são verdadeiros. Há amor sim, mas acontece para quem quer e está disposto, é isso. Uma mulher não é menos ou mais por ser solteira e fazer sexo a rodo ou estar casada e com uma vida prosaica, mas é menos quando não aceita rever seus conceitos e romper com várias convicções APENAS porque ela está sempre certa e o homem errado. Leiam mais Camille Paglia, por favor. O princípio da impermanência, lembram? Apliquem.

Sem me alongar muito (mas alongando), sou muito mulher sim para compreender o momento do outro estar frágil e alcançar seus chinelos, fazer uma massagem e tentar melhorar seu dia; sou muito mulher sim ao assumir que, se meus sentimentos forem recíprocos, eu sou mulherzinha de cama, mesa e banho, viveria corajosamente a odisseia de uma relação onde quer que ele me levasse. E sim, nunca pensei verdadeiramente em engravidar, não me sinto menos mulher por não ter e nem desejar filhos, por nunca ter me casado e (sequer) jamais ter ocupado uma prateleira na casa de namorado, demarcando meu território. Amo demais minhas calcinhas e sapatos e cremes e perfumes e o que quer que represente um pouco de quem sou para o abandonar na casa de alguém, apenas para disputar espaço com alguma outra "pretendente".

Exponho meu ponto de vista sem querer formar tendências, mas refletir sobre as diferentes percepções de vida e do mundo. Não sou chata, sou resultado das minhas escolhas e nem acredito que homens sejam responsáveis pela minha felicidade, nem o dinheiro, nem a posição social. Ser feliz e ter paz de espírito é responsabilidade minha e de mais ninguém e coisa alguma. Conheço mulheres que se sustentam e não se bancam e mulheres que lutam com a carteira vazia e tem mais atitude no dedão do pé do que a financeiramente independente no corpo todo. Conheço homens ressentidos desses chavões "feministas", bons cozinheiros, bons parceiros e dedicados pais. Conheço homens que, apesar das suas fragilidades, tem um colo para oferecer. E conheço mulheres egoístas, fúteis e que atirariam um filho no colo da avó o tempo todo, se isso pudesse deixá-la dormir mais ou fugir dessa responsabilidade. 

O que me induz a concluir que vivemos a incrível geração de gente que não sabe o que dizer, não sabe o que faz e perdeu a capacidade de contemplar o mundo em sua volta e perceber a complexa personalidade de um ser humano, que é fruto de vivências, análises, observações e bagagem de vida. Mais uma vez, infelizmente, vi mulheres repercutindo o machismo (sem o assumir) e exigindo dos homens uma sensibilidade que elas estão longe de ter. Obviamente, não representam a maioria de nós, ainda bem. E, ainda bem, que existem homens por aí para desmentir todo esse blábláblá machista de mulher que sempre se coloca no papel de vítima e não no de agente da própria vida. E sim, sou feminista, mas há tempos percebi que egoísmo, falta de empatia e percepção não são características de um sexo, mas das pessoas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …