Pular para o conteúdo principal

Funkalização



Esse meu texto vem de uma inquietação não só minha: a super exploração da mulher objeto-gostosona-bombada-siliconada-e-quase-pelada como sinônimo de "poderosa". E da cafonice, breguice e superficialidade. E dos homens que se acreditam plenos e absolutos por estar forrando os bolsos com canções rasteiras, rasas e fúteis.  O mundo diz que não é machista, se disfarça de moderno e liberal, faz discursos de igualdade feminina, divisão de tarefas e muitos outros assuntos, mas glorifica a mulher que não faz escolhas emocionais e responsáveis, que age como um pedaço de carne pendurado em um açougue, que usa o sexo como arma e vê as outras mulheres como rivais e "invejosas". Seus parceiros são pessoas de gosto e canções duvidosas, mas cheios de pretensão. Sim, elas podem ser um produto e cantoras de funk; sim, os rappers ou os funqueiros comerciais nos expõem como gado em suas letras perniciosas ou vulgares. Se são produtos é por haver quem rode essas canções em festas, pague para assistir seus shows e que encontre diversão e sentido em ver uma mulher como um corpo (muitas vezes de beleza questionável) e não como uma pessoa. O preocupante é que a funqueira também se coloca como objeto e canta "Prepara que o show das poderosas vai começar". Cadê poder nisso? Onde está o poder de quem rebola uma bunda em um palco, se degrada em letras e acha lindo ser uma imagem, uma casca de digestão rápida?

Conheço vários exemplos de mulheres poderosas, guerreiras e sensuais que não são só lindas, mais do que corpos, são mentes. Mulheres inteiras, que rebatem todos os dias as dificuldades da vida, que lidam com doenças, com problemas, dificuldades de toda a ordem e se equilibram no salto, no ônibus e na vida. Que carregam um chinelinho no carro para dirigir melhor, que se preocupam com as notas dos filhos na escola, com a doença dos pais, com as agruras da vida amorosa, que bebem chopp com as amigas, que vão ao cinema, que abastecem a geladeira e, ainda assim, estão deitadas com seu pijama de malha na cama e conversam sobre o dia com seus maridos ou namorados ou ao telefone com alguma amiga. Poderosa é a mulher que compra um par de sapatos e um presentinho para sua mãe, que baba por um bebê e chora silenciosamente por não poder resolver a mazelas do mundo. Poderosa é a mulher que não transa porque usa o sexo como arma, que se entrega à vida com emoção, compra vários cosméticos anti-rugas, que pode ir à academia, mas sabe que não é só seu corpo que tem valor. Poderosa é a mulher que possui um cérebro e sabe fazer dele o seu charme, seu diferencial.

O poder da mulher não está no quanto seus seios são turbinados, sua bunda é gigante ou suas coxas adquirem a forma de obeliscos. Essa funkalização serve apenas aos interesses vendáveis de uma elite tosca, que antigamente se arvorava leituras e gostos sofisticados, mas agora desce baixo ao nível do chão em seus saltos Jimmi Choo, Loubotin e vestidos D&G, Dior, B.O.B ou afins, abana suas bolsas Louis Vuitton sem aprimoramento, sem classe (que não está no dinheiro, vem da educação e do respeito, coisa que essa gente ainda não tem, assim como os "funkalizados"). Elas e eles descem até ao chão, mas não cumprimentam seus porteiros ou demais empregados, desvalorizam os trabalhadores que os auxiliam pagando salários pífios enquanto esbanjam futilidade e brilhos Brasil e mundo afora. Caiu meu queixo quando o rapper, até então por mim respeitado, Emicida disponibilizou sua nova canção "trepadeira". Pior disso é que somos nós mulheres que nos colocamos nessa situação, direta ou indiretamente, prestigiando essa categoria artística que envergonha o velho e suingado funk de Jorge Ben Jor. 

Quando à valorização do corpo e da exagerada sexualidade for explorada, em detrimento das várias e inúmeras qualidades que uma mulher tem, a sensibilidade em um homem for denegrida e a cara de mau com expressão de-bebê-babando-o babador-vendo-a-mamadeira olhando uma mulher valorizada, o mundo em que acredito estará um tanto fora do eixo. Vulgaridade, banalidade da violência, inclusive da violência contra a mulher, mesmo que seja verbal, do assédio declarado em letras e danças, etecétera, só diminuem a eficácia de leis como a lei Maria da Penha. O respeito ao nosso direito de escolha e decisão, a valorização do trabalho feminino, inclusive em casa, a participação efetiva dos homens nas atividades da casa e várias outras demandas que há anos são queixas recorrentes das mulheres continuarão sendo deixadas de lado porque a sociedade e você repercutem, compram e proliferam isso. Se, antigamente, Amélia era mulher de verdade, agora os tempos são outros. Amélia se formou, trabalha e só aos 35 anos decidiu dar uma chance ao namorado, casar, não sabe se terá filhos porque ainda quer estudar muito e viajar romanticamente ao Egito, para ver de perto as Pirâmides. Amélia deixa as louças para a máquina e o fogão para o marido. Beijo, mulher-objeto, mulher-coisa. Não pertenço ao seu mundo, nem as mulheres que conheço.


publicado originalmente em http://aenergy.com.br/coluna_completa.php?idColuna=76

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

No próximo ano, lambuze-se

Os votos dessas festas de final de ano são iguais e repetidos ad infinitum mundo afora pela sua família, vizinhos, amigos, desconhecidos, desconfio de que até os mortos os repetem em seus túmulos. Blábláblá sem emoção jogado ao vento e nos ouvidos incautos de quem foge dessa hipocrisia morna e irritante. Portanto, serei sincera: desejo que nesse próximo ano, você se lambuze. Fique com o rosto sujo e a alma respingada pelo lambuzo. Descasque uma manga e coma sem cortar em pedaços, sinta o suco escorrendo pela sua boca, as mãos meladas. Lambuze-se. Vá mais vezes à pracinha de brinquedos com seus filhos e se lambuze de areia, sujeira e amor. Abrace sua mãe e seu pai, faça mais brincadeiras irônicas com seus irmãos, evite a irritação com comentários alheios. Lambuze-se de tolerância. Sinta que você pertence a você, mas permita que alguém se lambuze de você. Permita que se lambuze com suas palavras, seus gestos, suas atitudes, seus olhos, seu corpo.
No próximo ano, lambuze-se de amor-própri…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…