Pular para o conteúdo principal

Você não será o homem da minha vida




Houve um tempo em que acreditava nessa balela de homem da vida de uma mulher, mulher da vida de um homem. Que havia uma pessoa destinada para nós e que seria o amor da minha vida, da sua vida, que marcaria para todo o sempre e que se morresse nos encontraríamos em algum lugar do universo. Que bobagem! Escutei isso de um amigo, dia desses em que ele falou da ex como a "mulher da vida dele" e pensei que não há um "homem da minha vida" e nem haverá. Como assim, não haverá? Oras, EU sou a pessoa da minha vida, eu sou o ser humano mais importante para mim que conheço, simples. Eu sou importante demais para deixar alguém me usurpar o direito da tentativa, o direito a um encontro de bocas, corpos e pensamentos. Pertenço a mim e a mais ninguém, a nenhum homem darei o poder de ser dono absoluto de meu coração. A não ser que seja meu filho, lógico. E a mulher da vida de um homem deve ser sua filha. É no que acredito. 

Saber que o passado é uma roupa que não nos serve mais é libertador. Livra a mente e o corpo de sofrimentos desnecessários, de expectativas infundadas, de uma sucessão de erros afetivos, de desencontros. Liberar o coração para o que virá é custoso, difícil, mas vale a pena. Podemos nos liberar enquanto estamos na relação ou muito tempo depois. Entender que a saudade é, na maioria das vezes, de quem éramos com a pessoa, do que sentíamos, faz perceber que outra criatura bípede humana e pensante pode proporcionar emoções tão poderosas quanto ou até mais. Essa percepção desperta a fé na vida. Há esperança para quem chutou ou foi chutado de uma relação, há uma possibilidade enorme de haver outro alguém dobrando a esquina e que será tão ou mais importante que a criatura anterior, tão ou mais intensamente presente do que quem veio anteriormente. Mas, para isso, há a necessidade de limpar a mente e o coração para esse alguém, deixar uma porta ou fresta aberta em sua vida para essa experiência ímpar, arriscada e incerta. 

Tarefa difícil, dirá você. Será? Será que o que sente é apego, está agarrado ao passado com medo do futuro? Enquanto isso o presente tende à entropia, aos abusos emocionais, desencontros. Você evita de pensar, avaliar a situação, compreender seus sentimentos e mergulhar fundo em você mesmo. Válvulas de escape podem ser sentimentos. Lógico que acredito em reencontros, mas conheci um único entre tantas pessoas que se conheceram e se abandonaram. Quem prossegue e tenta, se abre, é mais feliz e em paz do que os apegados ao passado. Perceber os erros cometidos nas relações anteriores, os abusos que permitimos cometerem conosco faz desabar uma infinitude de questionamentos e descobertas. Mas vale a tentativa, eu passei por isso mais de uma vez em minha vida e sobrevivi com ganhos consideráveis na autoestima e no autoconhecimento. Perceber que tentei e não desisti ainda de ter uma parceria afetiva (e bem carnal) superior as anteriores (que também foram boas, intensas) dá um orgulho enorme de mim. Saber que consegui limpar meu coração faz um bem danado. E que não exista o "Homem da minha Vida", mas o que ESTÁ em minha vida e que pode decidir e desejar permanecer por toda ela, simples assim. Ainda tenho meus medos, minhas ansiedades, meus traumas. Mas não desisti de encontrar o meu Estranho, o meu Imperfeito. E nos veremos em breve, eu sei.

publicado originalmente em http://www.aenergy.com.br/coluna_completa.php?idColuna=64

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

No próximo ano, lambuze-se

Os votos dessas festas de final de ano são iguais e repetidos ad infinitum mundo afora pela sua família, vizinhos, amigos, desconhecidos, desconfio de que até os mortos os repetem em seus túmulos. Blábláblá sem emoção jogado ao vento e nos ouvidos incautos de quem foge dessa hipocrisia morna e irritante. Portanto, serei sincera: desejo que nesse próximo ano, você se lambuze. Fique com o rosto sujo e a alma respingada pelo lambuzo. Descasque uma manga e coma sem cortar em pedaços, sinta o suco escorrendo pela sua boca, as mãos meladas. Lambuze-se. Vá mais vezes à pracinha de brinquedos com seus filhos e se lambuze de areia, sujeira e amor. Abrace sua mãe e seu pai, faça mais brincadeiras irônicas com seus irmãos, evite a irritação com comentários alheios. Lambuze-se de tolerância. Sinta que você pertence a você, mas permita que alguém se lambuze de você. Permita que se lambuze com suas palavras, seus gestos, suas atitudes, seus olhos, seu corpo.
No próximo ano, lambuze-se de amor-própri…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…