Pular para o conteúdo principal

O princípio




Os começos são difíceis, imprevisíveis e angustiantes. Começar ou recomeçar exige paciência, vontade e uma coragem que pode fugir ao mínimo sinal de sair da rota. Não sabemos como agir, o que falar, a ansiedade une-se ao nervosismo e ao medo, transformando uma situação comum em uma hipérbole invisível e assustadora, uma visão do nosso pânico inconfessado em ser feliz, em continuar. Em entregar-se. A entrega sempre é um desafio, uma provocação aos nossos nervos. Caminhamos em areia movediça, em um terreno insólito e desconhecido. O novo assusta, espanta e paralisa alguém como eu. A verdade é que sair da caverna e realmente presentear-se com a luz e com o risco é aterrador. Ser feliz dá medo.

Tenho medo de me partir, envolver pelo estado de espírito bruxuleante e acolhedor que quer driblar os muros que ergui há vários anos para me defender. Nem a cerca eletrificada e o arame farpado podem dar jeito nisso. Peço socorro ao meu protetor etéreo, mas ele ri. Ri de mim, da situação, do pânico que assola meu espírito. Arriscar-se é como um tiro que não saberemos se irá reto ao alvo. Seja um novo emprego, uma nova cidade, uma nova casa, uma nova relação, é uma mudança de vida. Não somos os mesmos nunca, impermanecemos em cada segundo que passa. E é por isso que principiar nos deixa inseguros. Meu consolo (ou eu tento acreditar) é que o presente é que fará do futuro um lugar acolhedor, deixar-se viver povoado por lembranças é uma maneira de agarrar-se ao que foi para não viver o que virá. Tenho minhas recordações, mas viver como se estivesse em um cemitério de memórias não fará minha vida mais leve. Deixar ir, seguir, romper com as amarras do meu medo somará luz e não sombras.

Começos nada mais são do que lidar com a incerteza. Ninguém pode garantir que dará certo. Os indícios são tênues, errantes, por medo de conseguir não tentamos. Perder ou ser perdido é um risco, um voo no escuro. Quem garante que não podemos usar óculos infra-vermelhos? Como no filme francês Até a Eternidade,a verdade sobre mim está no diálogo final entre dois personagens, quando assumem que sempre começam esperando que tudo dê errado, como se não merecessem o que de bom a vida lhes oferece. Também sou assim. Me saboto com a mais deslavada cara de pau que conheço, fosse homem sairia serragem. A estratégia defensiva que mais uso é não começar. E nem sempre depende de minha vontade, há conspirações silenciosas para Princípios, o que me deixa apavorada. Talvez a grande mudança é seguir em frente, sem medo, sem titubear. Quero a paz e a luz, o vento e a brisa, a coragem e a fragilidade. Ser quem sou da maneira mais mutante possível. E que a coragem seja meu lema.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

No próximo ano, lambuze-se

Os votos dessas festas de final de ano são iguais e repetidos ad infinitum mundo afora pela sua família, vizinhos, amigos, desconhecidos, desconfio de que até os mortos os repetem em seus túmulos. Blábláblá sem emoção jogado ao vento e nos ouvidos incautos de quem foge dessa hipocrisia morna e irritante. Portanto, serei sincera: desejo que nesse próximo ano, você se lambuze. Fique com o rosto sujo e a alma respingada pelo lambuzo. Descasque uma manga e coma sem cortar em pedaços, sinta o suco escorrendo pela sua boca, as mãos meladas. Lambuze-se. Vá mais vezes à pracinha de brinquedos com seus filhos e se lambuze de areia, sujeira e amor. Abrace sua mãe e seu pai, faça mais brincadeiras irônicas com seus irmãos, evite a irritação com comentários alheios. Lambuze-se de tolerância. Sinta que você pertence a você, mas permita que alguém se lambuze de você. Permita que se lambuze com suas palavras, seus gestos, suas atitudes, seus olhos, seu corpo.
No próximo ano, lambuze-se de amor-própri…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…