Pular para o conteúdo principal

O Eu e o Nós - a terceira pessoa do plural



Comigo foi um dos motivos, com você também e com as minhas amigas idem. A conjugação dos verbos é essencial para um casal, o devido tempo verbal e a necessária concretização do coletivo duplo. Quando para você é nós e o outro está apenas no ele, algo está muito errado. Precisamos ter nosso espaço, mas quando o outro é só ele e você quer o nós, quando o MEU carro, a MINHA cama e o faço o que EU quero tomam conta, a conversa descambou. A relação é eu dou, mas não recebo. Eu planejo por nós e ele (a) por si. Eu faço planos e lhe incluo, o outro (a) não. E o desgaste e a subsequente falta de vontade, respeito e amor vai tomando conta de você, como uma sombra que lhe consome. O desânimo acaba minando a sua auto-estima, parece que você não tem direito a ser correspondido (a), de ter reciprocidade, de ser amado (a). Quem ama mais o seu umbigo não tem como erguer os olhos e perceber o outro e o mundo que se descortina com o amor correspondido. De tantos "Eu", o "Nós" vai embora e você junto com ele.

Saber conjugar adequadamente os verbos, em qual pessoa do singular ou do plural e em qual momento é uma arte delicada e precisa. É necessário ter sensibilidade, carinho e vontade de amar. Construir pontes que levem até a outra pessoa, olhar profundamente os olhos de quem afirmamos amar e deixar que aquele abismo lhe trague, conte segredos, desnude as motivações e a história de alguém. Sim, todos somos um abismo, alguns apenas não olham para ele e preferem viver na superficialidade, sem grandes entregas. Amar é entrega sim, é receber afeto e saber ser amado. Não dói nada perguntar a opinião sobre um sofá, uma roupa ou o presente para a sua mãe. Eu gostaria e você também de ser ouvido e, vez ou outra, minha opinião ser levada em consideração. Muito me senti uma idiota por ter batido pernas na tentativa de ajudar e sequer ouvir um muito obrigado ou ver que fui levada em consideração. Essa falta de conjugar adequadamente os verbos é que mina devagar qualquer boa intenção ou vontade em relação à pessoa ou à relação. Esse EU sufocando, engolindo e roubando o NÓS é que transforma o mundo em um lugar egoísta e solitário. 

Obviamente que precisamos manter nosso espaço, nossas idéias e ter sonhos independente do outro. O problema começa quando apenas a nossa individualidade deve ser partilhada e a do outro permanece um território intocado e proibido. Que mal há em saber dividir, se doar? Qual o grande problema em considerar as opiniões e necessidades de quem está ali, com você? Uma amiga disse, há tempos, que o mal da gente é que acostumamos com pouco e acreditamos merecer esse pouco. O que não devemos esquecer é que os pombos vivem de migalhas e, ainda assim, várias pessoas as distribuem. Não sou um psitacídeo para voar em praças e pedir migalhas. Nem você o é. Talvez, mas talvez mesmo, seja o outro incapaz de amar e ser amado, o que é triste, muito triste. Ouvir suas necessidades e querer conhecer seus sonhos, planos e saber quais são seus medos e fragilidades não tira pedaço de ninguém. Ao contrário, acrescenta e muito à minha, à sua vida, faz mais leve e mais feliz cada dia que passamos na Terra, cada movimento que fazemos. E mais profundo cada beijo e olhar que trocamos. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…

Equilíbrio

Ela desligou seu coração. Tantas vezes tentou ser ela, se envolver, sentir. E nada. Desistiu do envolvimento, agora era pura carne. Vestiu seu lado predadora e foi assim que decidiu viver, daquele dia em diante. Ela se sente em suspenso, num limbo, mera observadora de sua vida. Nada sente, ninguém abala, remexe ou modifica as batidas de seu coração. Nenhuma ligação ou mensagem a esperar, nenhum toque no interfone, campainha ou o que for. Seu cérebro ansioso CID 10 - F41.1 se transformava em um redemoinho de pensamentos quando seu coração descompassava. É doentio e masoquista ter afeto por alguém, a deixava com pensamentos recorrentes, ideias fixas, dor. Pensando bem, nem relacionamento meramente sexual. Seu mundo fechado e isolado dos outros era confortável. Doente, mas confortável em seu silêncio repleto de barulho, em suas sombras.
Filmes e seriados eram melhores companhias do que a presença de um homem. Preferia assim desde sempre, apenas mais jovem não tinha tanta segurança, o que …