Pular para o conteúdo principal

Porquê gosto tanto de Revenge


Meu vício inquietante, ultimamente, tem sido essa série perturbadora sobre os meandros e labirintos da mente humana, seus medos, suas perversidades, motivações e falhas. Joseph Cambpell, em uma vida de estudos e pesquisas, descreve que os mitos são a maneira encontrada pela humanidade de lidar com seus medos e inseguranças mais profundas, assim como com seu lado sombrio e que não compreende. Na atualidade, em que a ciência racionalizou a vida e o mundo, em que as ditaduras da vida são cruéis, as séries e os seriados lidam com nosso emocional como os mitos o faziam antigamente. Nos desvendamos em cada episódio, nossa nudez subjetiva se faz por ali, mesmo que não o admitamos. As situações apresentadas podem ser hiperdimensionadas, mas são reais em sua incisiva apresentação da vida disfarçada de ficção. Somos nós em nossa sordidez e medo, em nossos traumas e experiências, representados por personagens ambíguos e humanos que nos tocam de maneiras inimagináveis. As motivações, sua busca por vingança, retratação e raiva contida de Emily Thorne, são uma busca por amor e resgate de quem aquela menininha foi, um dia. E da vida que ela perdeu. 

Emily sabe que nunca mais será a mesma, que sua vida foi roubada e que o caminho que escolheu não tem volta. Paradoxalmente, conserva a capacidade de afeto e entrega que possuía, embora as contenha, porque suas emoções são arduamente controladas. Mas nem sempre mantém seu coração afastado do que faz e é por isso que ela é tão fascinante, uma mulher que é complexa, forte e infinitamente frágil em sua busca por vingança. O que é, praticamente, um resgate do passado e de sua história. Ela aquece e gela rapidamente, sua casa é seu mundo, o único lugar em que se permite ser totalmente ela, a não ser quando está com seu amigo e cúmplice Nolan. Ela idealizava seus pais e a vida que tinha, a imagem de sua família é o que dá sentido à sua vida. A verdade por detrás disso, é que sua mãe não era quem ela acreditava e que, talvez, a raiz do mal em sua vida possa ser a mulher que lhe deu a vida. A mesma mulher que, Emily lembrou, tentou matá-la. Vida dura e lembranças sofridas.

Cada um tem sua história, suas lembranças e enredos. Cada um chora ou sorri ao lembrar, mas ignora o fato de que as lembranças mudam conforme nossa perspectiva e experiência. Abandonar as lembranças é admitir que não nos servem mais, que a alegria ou tristeza nelas contidas para sempre se foi. Essa é, ao meu ver, uma das melhores demonstrações que a série faz. "Alguns dizem que nossas vidas são definidas pela soma das nossas escolhas. Mas não são nossas escolhas que distinguem quem somos, é o nosso compromisso com elas." As escolhas de Emily são friamente definidas, mas seu emocional escapa ao seu controle, assim como aspectos do destino. Não podemos controlar o mundo todo. Ela está aprendendo que nem sempre aquilo em que se agarrou para encontrar um motivo para viver é o que pensava ser. Nem tudo é mal ou bom apenas. O imprevisível acontece, o futuro de cada um muda conforme as atitudes suas ou dos outros.

Assumo me identificar enormemente com Emily Thorne, não pela vingança, mas pelos conflitos emocionais e as reflexões que faz, sua percepção de mundo. Apesar da aparente frieza, é uma pessoa calorosa e humana, contida pelo objetivo a que se propôs. Mesmo determinada, ela percebe que há variações da realidade para as quais pode não estar totalmente preparada e que enxergamos apenas o que nos convém. Quando os véus que nos cegam caem, toda a verdade, com suas dolorosas implicações, nos assombra. Um mergulho na alma humana e nos sentimentos e emoções mais íntimas que podemos ter. Boa diversão e excelente análise sobre a alma humana e suas verdadeiras e inquietantes escolhas.

Mais sobre Joseph Cabpbell http://www.salves.com.br/jb-campbell.htm

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…

Equilíbrio

Ela desligou seu coração. Tantas vezes tentou ser ela, se envolver, sentir. E nada. Desistiu do envolvimento, agora era pura carne. Vestiu seu lado predadora e foi assim que decidiu viver, daquele dia em diante. Ela se sente em suspenso, num limbo, mera observadora de sua vida. Nada sente, ninguém abala, remexe ou modifica as batidas de seu coração. Nenhuma ligação ou mensagem a esperar, nenhum toque no interfone, campainha ou o que for. Seu cérebro ansioso CID 10 - F41.1 se transformava em um redemoinho de pensamentos quando seu coração descompassava. É doentio e masoquista ter afeto por alguém, a deixava com pensamentos recorrentes, ideias fixas, dor. Pensando bem, nem relacionamento meramente sexual. Seu mundo fechado e isolado dos outros era confortável. Doente, mas confortável em seu silêncio repleto de barulho, em suas sombras.
Filmes e seriados eram melhores companhias do que a presença de um homem. Preferia assim desde sempre, apenas mais jovem não tinha tanta segurança, o que …