Pular para o conteúdo principal

Para você que chama Santa Maria de buraco

                 



Eu tenho verdadeira vontade de enfiar no vaso sanitário na cabeça de alguém que chama minha cidade muito amada de buraco. Ou que diz que essa cidade é um túmulo, que não há nada para fazer, que não tem futuro. Que o povo é provinciano. Pois é, para aquelas vidas roubadas tão cedo, o futuro como o idealizamos não vai chegar. E o túmulo se espalhou. Mas o mais engraçado é ver quem tanto desfez exclamar que tem orgulho daqui. Eu sempre tive, não preciso ver o horror de perto para saber que essa gente é louca de especial, buena na essência e no verso. Gente que conversa com o vizinho, que vai ao Parque Itaimbé tomar um chimarrão, que gosta de passear na UFSM depois de formado. Gente que pode até parar em frente de alguma Igreja para ficar na espreita de algum casamento alheio (já fiz isso, queria ver o vestido da noiva). Mas é gente que pensa, inteligente, sagaz, feliz. Gente que se irrita com a ainda predominante mentalidade empresarial antiquada, mas que sopra ventos novos para um futuro diferente.
Eu acredito em um futuro relevante para nós, eu acredito realmente que podemos mudar a maneira como somos vistos, porque precisamos nos ver diferente. Essa cidade tem gente muito bonita, por dentro e por fora, tem gente que acorda cedo, que reclama do trânsito, que namora, que chora. E gente que deu o exemplo para um país inteiro de como podemos ser solidários e engajados, de como estendemos a mão e como nosso coração chora, mas também se compadece da dor alheia. Minha cidade surgiu de um acampamento militar, deve explicar porque podemos organizar rapidamente uma manifestação pacífica e linda tão rapidamente. De como podemos nos entristecer, mas nos indignar com o que consideramos errado. E que nunca, mas nunca mesmo, essa indignação esmoreça. Rezar sim, mas nem Gandhi ficou em casa ou no templo entoando mantras o tempo todo. Agir sempre, exercer nosso direito de cidadão que vota e de consumidor que frequenta locais públicos para comer, dançar, se distrair.
Então, para você que chamou essa cidade de buraco e que hoje estufa o peito, morda a língua. Se morasse em outro lugar não encontraria essa veia pulsante da solidariedade. Quem foi embora sempre diz que seus verdadeiros amigos são os daqui, que outros lugares podem até ter mais diversão, mas aqui tem calor humano. Mesmo quem nos chama de metidos e arrogantes está, veladamente, nos admirando. Tanta gente bonita e inteligente só pode causar espanto. Quantos forasteiros aqui fincaram raízes, tiveram filhos, adotaram um cusco (cachorro) da rua e compraram uma casa. Quantos fora ao supermercado comprar a carne para o churrasco que serviram à família adotada de algum amigo. Não se queixe, tenha orgulho.  Estufe o peito e diga que é de Santa Maria, que tem orgulho desse chão, das ruas que sobem e descem. E nunca mais fale em minha frente que aqui é um buraco, meu amigo ou amiga. Se o fizer, dou uns cascudos. 

Publicado originalmente em www.aenergy.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

No próximo ano, lambuze-se

Os votos dessas festas de final de ano são iguais e repetidos ad infinitum mundo afora pela sua família, vizinhos, amigos, desconhecidos, desconfio de que até os mortos os repetem em seus túmulos. Blábláblá sem emoção jogado ao vento e nos ouvidos incautos de quem foge dessa hipocrisia morna e irritante. Portanto, serei sincera: desejo que nesse próximo ano, você se lambuze. Fique com o rosto sujo e a alma respingada pelo lambuzo. Descasque uma manga e coma sem cortar em pedaços, sinta o suco escorrendo pela sua boca, as mãos meladas. Lambuze-se. Vá mais vezes à pracinha de brinquedos com seus filhos e se lambuze de areia, sujeira e amor. Abrace sua mãe e seu pai, faça mais brincadeiras irônicas com seus irmãos, evite a irritação com comentários alheios. Lambuze-se de tolerância. Sinta que você pertence a você, mas permita que alguém se lambuze de você. Permita que se lambuze com suas palavras, seus gestos, suas atitudes, seus olhos, seu corpo.
No próximo ano, lambuze-se de amor-própri…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…