Pular para o conteúdo principal

Uma verdade sobre as famílias felizes



Famílias felizes não existem. O que há são aparências, porta-retratos, e almoços de domingo onde se esconde a falsidade das relações. Não, seus pais não te amam acima de qualquer pessoa, eles amam a si mesmos refletidos em vocês. Alguém já viu pai de adolescentes e ou jovens adultos falando maravilhas da paternidade e maternidade? Os que vi, são aqueles que entregaram os filhos para os avós cuidarem. Alguém já parou para pensar de onde vem tanto desamor nesse mundo? Reflita, se as noções primeiras de convivência, valores e amor vem da família, por que motivo se ama tão pouco e isso diminui cada vez menos? Por quê há tantos problemas de relacionamento, de respeito ao outro e compreensão? Dizer que ama um filho pequeno, que faz gracinhas é fácil, mas considerar que obteve sucesso e ser feliz com os filhos em torno dos trinta anos, após ver no que deu suas experiências como progenitores é que são elas.

Tolstoi, em sua frase célebre, afirmou que todas as famílias felizes são iguais, as infelizes o são cada uma a sua maneira. Acrescentaria uma releitura, as famílias infelizes são felizes com sua infelicidade. As famílias infelizes se alimentam da dor e do desamor que experimentam em si e proporcionam aos seus filhos. Há uma expressão jocosa na psicanálise "mãe é trauma", não saberia onde li ou ouvi, mas ampliada, mãe e pai são trauma. Diria que as famílias tem seu "cesto do lixo" subjetivo, aquele filho ou filha que é o chamado depósito de veneno das frustrações, incertezas, raiva e culpa dos genitores e pode haver uma "sucessão" dessa cesta de lixo, E isso não é uma afirmação aleatória, é resultado de uma pesquisa realizada por um norte-americano, Lloyd de Mause . Um texto dele e que tive acesso, segue abaixo o link, descreve as conclusões a que chegou depois de uma vida de pesquisa sobre a infância. Uma dessas conclusões é de que o abuso, muitas vezes, é fator de união familiar, pois as frustrações, os medos e traumas dos pais são descarregados sobre a criança e, dessa maneira, lidam com suas emoções negativas. Isso é chocante, visto que a humanidade se nega a fuçar em seus demônios internos e reavaliar suas condutas.

Admitir que os pais não são entes superiores e divinos, mas pessoas problemáticas e despreparadas para não só lidar consigo, mas também com uma criança indefesa, é tocar o dedo na ferida da nossa sociedade. Em algum momento de seu texto, o autor afirma que as crianças foram e são o depósito de veneno no curso da história. Isso, além de triste, é estarrecedor. E perpetuado até hoje, felizmente, além de muitos casais decidirem não ter filhos, algumas pessoas quando o fazem, é com a consciência de que um filho não é uma extensão de si mesmo e nem a causa dos problemas da família, mas sim, um elemento de união. As dificuldades afetivas dos adultos são, em sua maioria, reflexo das vivências familiares, afinal, a família é a primeira representação da sociedade e de como é o funcionamento das relações humanas. 


Texto sobre a história do abuso de crianças http://pt.scribd.com/doc/25909716/Lloyd-deMause-Historia-do-Abuso-de-Criancas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…

Equilíbrio

Ela desligou seu coração. Tantas vezes tentou ser ela, se envolver, sentir. E nada. Desistiu do envolvimento, agora era pura carne. Vestiu seu lado predadora e foi assim que decidiu viver, daquele dia em diante. Ela se sente em suspenso, num limbo, mera observadora de sua vida. Nada sente, ninguém abala, remexe ou modifica as batidas de seu coração. Nenhuma ligação ou mensagem a esperar, nenhum toque no interfone, campainha ou o que for. Seu cérebro ansioso CID 10 - F41.1 se transformava em um redemoinho de pensamentos quando seu coração descompassava. É doentio e masoquista ter afeto por alguém, a deixava com pensamentos recorrentes, ideias fixas, dor. Pensando bem, nem relacionamento meramente sexual. Seu mundo fechado e isolado dos outros era confortável. Doente, mas confortável em seu silêncio repleto de barulho, em suas sombras.
Filmes e seriados eram melhores companhias do que a presença de um homem. Preferia assim desde sempre, apenas mais jovem não tinha tanta segurança, o que …