Pular para o conteúdo principal

Se liga, otário



Homens de hoje são a nova mulherzinha. Fazem joguinho, dão sumidinhas, agem como se não estivessem nem aí para você, mas cuidam seus perfis nas redes sociais, fingem não prestar atenção quando seu nome surge em alguma conversa, tem ar blasé. Gostam de cuidar da mulher de longe, a admiram e calculam por quanto tempo desaparecerão e quando ressurgirão. Pois bem, machos, tenho uma péssima notícia para vocês: tem outro (ou outros) rondando sua pretendida. Sabe quando a deixa no vácuo, fingindo que não viu a ligação, a mensagem ou o whatsapp? Pois é, tem um que liga para ela, não fica longos períodos sem dar notícia e procura agradá-la, sem exageros. Enquanto você tem regrinhas burras como não deixá-la dormir em sua casa ou fazer retiradas estratégicas, haverá outro que colocará lençóis limpos na cama a aguardando, que descerá do carro e a esperará no portão do prédio, que lembrará sua bebida ou comida preferida e que deixará óbvio que escutou aquele cantor apenas por a moça ser fã dele e que se fará visível e presente.


A verdade pode lhe nocautear, mas acredite, é real e sincero o que afirmo. A mulher não terá outros pretendentes (apenas comedores) se for do tipo "te pego de madrugada e sem aparições públicas, é apenas minha trepada secreta". Essa, pode ser linda e gostosa, mas não tem muito filtro e você nunca a verá com outros olhos, assim como nós nos escondemos quando pegamos algum "galinha rodadinho". Sim, se não fazemos questão de aparecer pela rua com você, desconfie: sua imagem não é boa aos nossos olhos, apenas seu pau; a verdade é que temos vergonha de você, nesse caso. Mas serve para tirar nosso atraso. E fim de conversa. 

Chocado? Estarrecido? Que dó, tadinho, perder a ideia romântica sobre sua pretendida assim, num passe de mágica. Ver seu sistema de crenças tolamente construído desmoronar em poucas linhas e perceber o quão otário e (se me permite) burro você é. Veja bem, essa constatação é baseada em anos de amizades, conversas e confissões que deixariam rubro de vergonha o mais cafajeste dos homens. Mulheres tem tanto tesão quanto vocês, tanta necessidade de sexo quanto vocês. Adoramos uma putaria tanto quanto gostamos de dormir de conchinha e acordar com um carinho no rosto. A diferença é que a sociedade não cobra de nós o desempenho sexual e a promiscuidade, o que é uma tirania para vocês. Corresponder sempre ao macho-trepador-comedor-pegatodas deve ser uma condenação, principalmente quando vocês estão por baixo, com preocupações dominando seus pensamentos. 

Talvez, por isso, somos mais seletivas quanto aos nossos parceiros (nem todas as mulheres, algumas são motosserra tanto quanto alguns de vocês são priápicos). Obviamente, tem aquele gostosinho idiota que escondemos de todos, o tal "maçaneta". Também ficamos períodos sem sexo ou sequer beijar na boca por precisar reciclar nossas emoções e acalmar o coração. Isso não significa que nosso desejo seja menos intenso do que o de vocês, lembre-se: gozamos e, em 15 segundos, estamos prontas para gozar de novo. Nossa capacidade de sentir prazer e gozar pode ser ainda mais forte do que a masculina. 

Portanto, meu amigo otário, abra sua mente, esclareça suas ideias antes que seja tarde. Se sumir duas semanas e apenas aí convidá-la para jantar em algum restaurante de que a moça goste ou testar as reações dela, prepare-se. Ela fingirá cair em sua conversa apenas enquanto for conveniente. No momento em que sua paciência se esgotar, você a perdeu, babaca. Ela pode gostar de você até mais do que gosta de outro, mas se valoriza o suficiente para não entrar em joguinhos desnecessários e bobos. Ela quer, você quer está feito. Ela quer e você quer, mas testará a paciência, o desejo e a vontade dela, lamento. Perderá uma boa parceira, uma boa amante e uma amiga, quem sabe uma relação para lá de incrível. Quem perde tempo teve o relógio roubado, lembre-se. Quem dorme de touca é porque não tem cobertas. Quem banca o otário, perde. Admita você ou não.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …