Pular para o conteúdo principal

Felicidade é paz de espírito



Perguntaram se sou feliz, (afinal, alguém azeda e que não usa máscaras não poderia ser feliz, correto? ah, sem um macho a tiracolo, pobre da solteirona) e respondi que sim. Se me abato em alguns momentos, se tenho vontade de cuspir na cara sonsa duns e dumas tipos aí, se enfrento a realidade todos os dias, se entristeço e repenso minhas escolhas significa apenas que estou viva. Caso fosse infeliz, não suportaria o que suporto e já estaria dopada de medicamentos. Felicidade é paz de espírito, para mim e isso eu tenho. E, principalmente, sou feliz por ser fiel a mim, aos meus princípios e sentimentos. E isso não tem preço.

Quantas pessoas podem afirmar o mesmo? Quantas podem dizer o que realmente querem, que seus desejos não sejam objetos, mas subjetivos?  Tive fases bem pesadas, em que chorar era rotina (essas fases são cíclicas), tive fases em que realmente desejei morrer, em que gostaria de sumir, de dormir e não acordar mais. Mas sobrevivi a mim, sem medicamentos tarja preto e com muita reflexão, ponderação e auto-questionamento. Então pergunto: você é capaz de enfrentar tempestades e ainda assim permanecer feliz?

Percebo que há uma confusão entre felicidade e euforia, que ser feliz ainda está associado a ter coisas, estar em um relacionamento sexual/afetivo, possuir algo ou alguém, viajar pelo mundo, ganhar muito dinheiro e não enfrentar dificuldades. Daí, pergunto: quantas pessoas que conhece e tem ou fazem tudo isso e que são felizes genuinamente, que não sucumbem na primeira dificuldade ou obstáculos, que não se entopem de tarja preta quando tomam um pé na bunda? Quantas pessoas você conhece que enfrentam a vida e a tormenta de peito aberto, sem quebrar? 

Gente que se diz moderna e cabeça aberta é incapaz de me ver como alguém feliz. Saca só, vou ensinar algo: sou e penso fora da caixa, rebeldia é meu nome do meio. Nunca quis ser mãe ou casar, sequer passei perto do altar e não morri por causa disso. Tenho uma imensa capacidade de fazer e cultivar amizades, pelo jeito, de incomodar outrem que vive fechado e ou fechada em um mundo repleto de paradigmas e convicções toscas, que não rompe que suas amarras e evolui. Para esses, o que faço, quem sou e, principalmente, por me assumir mulher que pensa e não tem medo de pensar, é péssimo. Na verdade, sei que minhas atitudes são meio que um advogado do diabo para essa gente, que sente remexer algo dentro de si quando me ouve ou lê. E esse algo incomoda.

Enquadrar nesse mundo Matrix, onde as marionetes agem sempre pensando no que os outros pensam sobre, sobre o julgamento alheio, não é para mim. Já parou para pensar quem eram as mulheres sufragistas? As mulheres que enfrentaram sérias dificuldades e venceram? Elas eram como você, mocinha bonitinha e perfeitamente máquina, que se importa mais com os outros do que consigo? Repense sua vida, amiga e amigo. No momento em que alguém como eu é um problema, o problema é você, que não consegue ver seu reflexo em mim. Por favor, entenda, não sou seu espelho e nem pretendo ser.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

No próximo ano, lambuze-se

Os votos dessas festas de final de ano são iguais e repetidos ad infinitum mundo afora pela sua família, vizinhos, amigos, desconhecidos, desconfio de que até os mortos os repetem em seus túmulos. Blábláblá sem emoção jogado ao vento e nos ouvidos incautos de quem foge dessa hipocrisia morna e irritante. Portanto, serei sincera: desejo que nesse próximo ano, você se lambuze. Fique com o rosto sujo e a alma respingada pelo lambuzo. Descasque uma manga e coma sem cortar em pedaços, sinta o suco escorrendo pela sua boca, as mãos meladas. Lambuze-se. Vá mais vezes à pracinha de brinquedos com seus filhos e se lambuze de areia, sujeira e amor. Abrace sua mãe e seu pai, faça mais brincadeiras irônicas com seus irmãos, evite a irritação com comentários alheios. Lambuze-se de tolerância. Sinta que você pertence a você, mas permita que alguém se lambuze de você. Permita que se lambuze com suas palavras, seus gestos, suas atitudes, seus olhos, seu corpo.
No próximo ano, lambuze-se de amor-própri…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…