Pular para o conteúdo principal

Sobre todas e todos os dias



Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 

E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enquanto for minimizado ou negado o direito de uma mulher não ter desejo ou vontade ou controle sobre seu corpo pelos homens e até por algumas mulheres, o estupro será uma instituição silenciosa e criminosa que ameaça todas as mulheres.

E você, amigo que está lendo esse texto, você também abusa ou abusará de alguma mulher. Sabe aquela sua amiga que o máximo de interesse que manifestou por você foi lhe chamar de irmão? Pois é, ela REALMENTE não quer dar para você. Sabe aquela sua conhecida de belas pernas e cintura fina? Pois é, ela nem sabe que você existe e não quer REALMENTE dar para você. Sabe aquela moça bonita e que usa roupas sensuais? Cara, que situação, ela também não quer dar para você. Sabe aquela sua amiga que você tenta um flerte e, na negativa dela, brinca que estava zoando com ela? Ela também não quer dar para você. E sabe o que significa essa sua tentativa para cima de todas essas mulheres, sua insistência e seu desrespeito? Uma ponta desse iceberg chamado de cultura do estupro e faz de você um abusador. Mesmo que fosse sua mulher, se ela não está interessada em sexo, respeite. Mulheres tem desejo e autonomia sobre esse desejo, gente, que descoberta! Você nem imaginava que mulheres gostam tanto de sexo ao ponto de preferir fazê-lo com quem elas realmente querem e não com outro qualquer. E QUANDO elas estiverem a fim. 

Mulheres sozinhas são apenas isso, mulheres que escolheram ficar sozinhas a ficar com algum babaca qualquer que pense serem elas buracos sexuais ambulantes, receptáculos de esperma alheio. A julgar pela onda de babaquice e mal-caratismo que está aí, melhor permanecer sozinha a aceitar um traste qualquer que se acredita no direito de ignorar nossas negativas e rejeições. Cara, aceite: seu pênis não caíra por ser desinteressante para várias mulheres. E levar na esportiva faz de você alguém evoluído. E bem mais legal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …