Pular para o conteúdo principal

Equilíbrio



Ela desligou seu coração. Tantas vezes tentou ser ela, se envolver, sentir. E nada. Desistiu do envolvimento, agora era pura carne. Vestiu seu lado predadora e foi assim que decidiu viver, daquele dia em diante. Ela se sente em suspenso, num limbo, mera observadora de sua vida. Nada sente, ninguém abala, remexe ou modifica as batidas de seu coração. Nenhuma ligação ou mensagem a esperar, nenhum toque no interfone, campainha ou o que for. Seu cérebro ansioso CID 10 - F41.1 se transformava em um redemoinho de pensamentos quando seu coração descompassava. É doentio e masoquista ter afeto por alguém, a deixava com pensamentos recorrentes, ideias fixas, dor. Pensando bem, nem relacionamento meramente sexual. Seu mundo fechado e isolado dos outros era confortável. Doente, mas confortável em seu silêncio repleto de barulho, em suas sombras.

Filmes e seriados eram melhores companhias do que a presença de um homem. Preferia assim desde sempre, apenas mais jovem não tinha tanta segurança, o que é confuso ser segura e estar num dos períodos mais doentes e depressivos de sua vida. Estava tentando reprogramar seus pensamentos para não sofrer tanto. Deu-se conta de que a ansiedade a consumia, de que seu padrão de pensamentos não era saudável. De que precisava, antes de ter alguém, ter a si por completo, estar inteira. Sentia-se aos pedaços, não reconhecia essa mulher frágil e desmotivada. Onde estava aquela pessoa cheia de vida, de sonhos e projetos? Onde estava aquela mulher divertida e com vontade de viver? 

Gostava de escrever, gostaria de publicar um livro solo com seus textos e poesias, mas cadê a vontade? Parecia viver entre paredões que a sufocavam, a anulavam. Percebia uma falta de propósito em sua vida, em suas decisões. Envolvimentos, acreditava, a afastariam ainda mais da busca pelo equilíbrio. Equilíbrio. Equilíbrio... Equilíbrio, equilibrando, equilibrante, equilibrada. Precisava de um, mesmo que tênue. Sentir que havia um caminho a seguir, algo que a fizesse viver com vontade, com sede. Era faminta, em outros tempos. Talvez o relacionamento abusivo que teve anos atrás misturado com seus problemas familiares tenha sido o estopim. Na verdade, foram os dois juntos que detonaram sua vida. Tinha que tentar se refazer.

Rememorando, percebeu que seu ex havia roubado muito de sua energia, aquele vampiro mimado. Sua família a consumiu outro tanto. Hoje, quem era ela? Nada. Percebia-se despersonalizada, sei lá. Envolver-se com alguém poderia levar algum pedaço restante dela, algum pilar de sua sanidade. Tinha medo de enlouquecer, de fazer bobagem. Sabia que se cometesse um ato extremo magoaria pessoas queridas, mas poderia ser a única maneira. Lia e ouvia que o amor salvava, mas esse fulano amor é um desconhecido. As raízes de seu estado eram o desamparo e o desamor. Quanto a isso, ela era impotente para mudar.

Tinha que aprumar, reerguer-se. Devia isso a mulher que ela foi e a mulher que desejava ser. Devia isso ao amor-próprio, a um passado cheio de sonhos, a mulher que acreditava ser mágico viver, que via poesias em momentos bonitos da vida, a mulher que via magia em um beijo profundo e intenso. Talvez, a retomada da escrita, quem sabe? Reler seus textos e poesias antigos, relembrar de quem foi, das palavras boas que havia dito às amizades, às atitudes boas que teve na vida. Recordar de como podia ser criativa e loquaz, de sua personalidade ardente e faminta por viver. Equilíbrio, talvez seja esse o relacionamento que precisava ter. E com ela mesma.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …