Pular para o conteúdo principal

Ela não sabe sonhar



Esse texto é livremente inspirado em uma pessoa aqui, outra ali, com pitadas de licença poética. É o tipo de gente que deixa passar o que há de bom em cada instante, se prendendo aos poucos que são diversos dos seus desejos. Eu tenho a teoria de que não sabem sonhar, pois não aprenderam que a vida é tombo, um atrás do outro e o legal disso tudo é quando nos levantamos. Olhar para cima e perceber quão lindo é o céu azul ou cinza, as pequenas histórias que transcorrem ao nosso lado na rua, no trabalho, no mercado. São pessoas que não se prendem a tudo que dá certo, apenas ao que não foi exatamente como queriam. Sei, você dirá que alguém assim é manipulador, mimado, quer atenção. Talvez sim, mas provavelmente o mal seja não valorizar as pessoas e as situações como deveria. Auto-confiança é decorrência de auto-estima, o que disfarçam bem, mas sei que não têm. 

Gente assim não está à vontade na própria pele. Reclama do egoísmo dos outros, mas deixa de ir na despedida de uma amiga querida para beber cerveja no bar perto com outra que conheceu ontem. Diz que os homens do onde vive são fracos, limitados e frescos, mas não aceita sua aparência física e se deprime. Quer horizontes largos e distantes e não faz o mesmo com o seu. Procura longe o que encontrará apenas por dentro de si, se revirasse o labirinto emocional que é. Ou está em festa ou em casa remoendo situações e pessoas que talvez nem fossem tão bons assim. Se apega a aparências, mas quer essência. Fala em amor, mas não o prática de melhor maneira: na sutileza. Quer aconchego, mas vira noites e dias em bebedeiras e festas ou outra muleta qualquer que faça uma pessoa assim fugir dos seus dilemas.


Sonhar é ótimo e deveria ser regra. O problema (ou solução dos sonhos) é que exigem disciplina, racionalidade e coragem. Realizar todos é impossível, mas alguns que aconteçam, por menores que sejam, fazem um barulho danado em nosso coração. Sonhos são grandes quando estão em nossa mente, mas diminuem um tanto em estatura quando se materializam. Dificilmente serão exatamente como esperamos, mas que sejam possíveis, tangíveis, viscerais. Enchem de orgulho o peito e assustam por mostrar onde precisamos melhorar e que apenas o desejo não move montanhas, a vontade sim. Precisamos estar preparados para quando não for o ideal ou a conclusão acontecer. E para as consequências deles. Os sonhos realizados tem o poder de mostrar quão limitados somos e o tanto de esforço necessário para uma felicidade palpável.

Envolver alguém em sonhos tão nossos é a receita para que algo dê errado. Sonhar junto é ótimo, desde que a pessoa também o faço e assuma sua parcela de responsabilidade na consecução do sonho. No entanto, enfiar alguém ali no sonho, sem que saiba ou concorde, jamais dará certo. Talvez por isso os relacionamentos das pessoas que me inspiram a escrever esse texto sejam tão desconexos. Querem a grandiosidade, a euforia e a risada sempre, mas sonhos são trabalhosos e causam preocupação durante o trajeto. Ter um sonho de amor, por exemplo e enfiar alguém que se conhece tão pouco ali é o caminho para a decepção. Antes de partir para o sonho, é preciso muita coragem, uma dose de risco calculado e fé. Fé em si, principalmente, fé de que na adversidade conseguiremos crescer e progredir. Evolução é, ao meu ver, a meta principal para um sonhador de sucesso. 

Por fim, acrescento que os otimistas talvez são os que sonhem melhor, não os perfeccionistas ou quem quer sempre o inatingível. O otimista não se verga, pode desesperar em algum momento, mas sempre se reergue. Sonhar, então, não seria para qualquer um? Se você não aguenta a concretização do sonho e a realidade de que o sonho está ali, se não tolera os tropeços ou os imprevistos que acontecem, você não sabe ou desaprendeu a sonhar. Ou então sonha, mas a coragem para concretizar foge ou sonha apenas com as distâncias e os delírios. É preciso saber sonhar. Os melhores sonhadores são aqueles que caminham entre as nuvens, mas não tem medo de cair, pois sabem voar. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …