Pular para o conteúdo principal

A vida por Nicholas Sparks



Ultimamente tenho assistido vários filmes baseados na obra de Nicholas Sparks. Provavelmente entendi porque faz tanto sucesso e eu gosto imensamente dessas histórias de amor sobre superação, erros e acertos e abandono de um amor por medo. Claro que descreve o poder edificante do amor e até curativo, mas o grande mérito do autor é descrever que o sentimento não é linear, aquele jogo fácil se conhecem, se querem e sacramentam a relação. Não funciona assim na vida real e é por isso que cada filme, cada livro me leva a um mundo interior onde preciso aprender a arriscar, mesmo que perca, mesmo que um pedaço meu se vá, mesmo que erre ou que eu não compreenda alguma atitude. Mesmo que o amor seja por alguns dias, como em Noites de Tormenta, mas foram dias que mudaram o casal de maneira irreversível. Descobriram juntos que o sentimento os transformou em alguém melhor e que a vida ganhou significados e afeto. A cena final, para quem assistiu, foi dolorosamente linda. Ouvir ao filho de Paul Flanner afirmar que Adrienne, com seu amor, o havia transformado em um pai e um homem melhor foi de uma beleza pungente.

Querido John, Diários de uma paixão, Um amor para recordar, Um homem de sorte, falam em ruptura, amadurecimento, tempo, escolhas, alguns segredos, falhas na comunicação, todos os problemas experimentados por nós. Mostra que é possível resgatar um sentimento e uma relação do passado, desde que o amor esteja ali. O amor, afinal, é uma escolha. Ou se vive, escolhe o risco ou podemos passar de história em história sem aquela profundidade, sem entrega. O personagem Landon Carter, ao final do filme Um amor para recordar, disse que valeu a pena ter se casado com Jamie Sullivan, mesmo sabendo que ela tinha pouco tempo de vida, porque eles viveram mais amor naquele pouco tempo do que muitos casais experimentam uma vida inteira. Amor não está nos anos de casamento, ele se esconde na fragilidade de alguém e na vontade de fazer dar certo. Amor é risco e coragem. Amor é se permitir, sem pensar no tempo inexorável. Amor é transformação, é mudança, é entrega.""Nosso amor é como o vento, não posso vê-lo, mas posso senti-lo"

Sentimentos não são lineares, não obedecem a pré-requisitos. Sentimentos surgem do nada em situações que escapam do nosso controle. Talvez essa seja uma das mais legais mensagens que Nicholas Sparks mostra: é impossível controlar o sentimento e por quem ele surge. Não são os casais prováveis "modelos" os mais reais e prováveis, são os casais que surgem ao acaso, sem programação, sem regras. Pode ser a união de uma desmioladinha com um sonhador, o encontro de duas pessoas com alma de poeta, da mulher de opiniões com o cara que sempre namorou patricinhas controladoras, do cara quietão com a mulher cheia de vida. São pessoas que não percebem a mudança acontecida, mas sentem. Podem seguir vivendo suas vidas como antes, mas aquela pessoa especial nunca mais sairá da sua cabeça ou do seu coração. Sei, atirem pedras, hehehe, digam que soou clichê. Mas acusem o golpe quando essa situação surgir em suas vidas.

Relacionamentos não obedecem a padrões. Porque as aparências escondem quem somos na essência, mas o engraçado é que nos relacionamos com quem não nos compreende, não nos "saca" de verdade. Parece que procurar ficar dez, vinte anos com uma pessoa que não olha fundo para nós é mais fácil do que o risco de se perder (e se achar, fala a verdade!) em um par de olhos poéticos e frágeis. E é mérito de Nicholas Sparks mostrar que o amor não é feito de gestos grandiosos e grandes demonstrações. É feito de mágoas (imaginem John na guerra dispensado pela namorada - e ela o amava), de desencontros e perdas, é feito de pessoas reais com seus conflitos e medos. Lacrimoso (para mim, quase desmanchei as páginas do Diário de uma paixão chorando), tocante, lindo. Você vai amar, se entregar, aceitar que o amor, realmente, não morre. Ele fica aqui, escondido em algum lugar, por toda a nossa vida. Boa leitura e boa sessão de cinema!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

Desse destino louco

Sabe, você foi e é uma surpresa em minha vida. Quando nos conhecemos, mal reparei em você, pensei até que fosse muito carente ou algo do tipo. Resolvi ser cordial e conversar por nem sei qual motivo. Entenda, minha atitude é, via de regra, cortar qualquer entusiamo masculino, sou eu quem decide, sou eu quem escolhe, nunca sou escolhida. Mas sabe-se lá qual força do universo me fez descer do pedestal e dialogar com você. Que noite louca. Relembro e vejo que foi um negócio meio nonsense e até absurdo, que tinha tudo para dar errado. Mas estamos aí, nos conhecendo (quem sabe reconhecendo) e vivendo essa sintonia que surgiu nem sei de onde. Você, um nerd dos sistemas binários, eu, uma geek poeta que vê beleza nas situações mais bestas. Que enxerga magia onde você nem imagina. E, olha só que inusitado, vejo magia em nós.
Tantos e tantos anos se passaram desde a última vez em que foi mágico encontrar alguém, quantas lágrimas, ressacas e o refúgio no meu orgulho tiveram que acontecer para que…

Um pouco a cada dia - reflexão sobre a ansiedade

Caminhamos, corremos, dirigimos, entramos no ônibus, no táxi. Atravessamos a rua, paramos no sinal. Entramos em casa, na aula, no trabalho. Comemos, trabalhamos, estudamos. Conversamos, rimos, brincamos. Frequentamos academias, barzinhos, cinemas, shoppings. Fingimos. Todos os dias fingimos estar bem. Todos os dias fingimos não sentir o peito apertado, o coração descompassado, a respiração difícil. É quando voltamos para casa ou entramos em nosso quarto que tudo desaba. A solidão, os problemas reais ou imaginários, a depressão, ansiedade, o medo, a falta de vontade de viver batem de soco nos pensamentos. Não, pessoas, não é falta de ter o que fazer, falta de deus no coração ou falta de sexo. É falta de paz, falta de amor, falta de compaixão, falta de propósito, falta de ânimo, falta de motivação.
Pode ser excesso, também. Uma alta sensibilidade, emoções intensas e profundas em um mundo raso e fútil causa uma comoção severa nas almas mais pensativas e observadoras, com alta percepção …