Pular para o conteúdo principal

Está aí?



Não sou mulher de joguinho e frescurite, provavelmente, se dissesse a alguém que enviaria essa mensagem a você, diriam, ah, mas assim ele vai pensar isso e aquilo, ah, mas vai encher a bola dele e outras, baseadas nessa sua mania de procurar sentido no que não há, até porque, quem faz sentido é soldado. E quer saber? Que se dane o que pensará, que se danem suas teorias da conspiração, que se dane essa mania triste de querer explicar o que simplesmente é. Ou dirá que até a forma do cocô é por algum motivo obscuro? Me poupe. Por isso, escrevi para dizer que é a última mensagem. Poderia ligar ou procurar, mas costumo retribuir o tratamento que recebo, o bom e o mal. Posso ser covarde em algumas situações, mas deve ter percebido que não fujo de expressar minhas opiniões. 

Enfim, sabe como me senti ou o que passou pela minha cabeça com essa atitude de me tratar como leprosa? Fugiu de mim, descaradamente, como se fosse portadora de alguma doença contagiosa.  E problemas por problemas, vamos disputar quem mais sofre com os seus. Pensa que sou uma fortaleza? Desabo, também. E, caro amigo, seus olhos não mentem para mim e sei muito bem o que vi neles, a maneira única como me olha. Ou vai dizer que é o teorema de Pitágoras aliado à psicanálise e ovnis que fazem com que olhe daquela maneira eloquente para mim. Purfa, né. Vi em você o mesmo que vi em mim, mas saca só um detalhe: sempre, mas sempre mesmo, gostarei muito mais de mim. Não preciso de homem, afinal, troco botijão de gás. Uma mulher que faz isso, francamente, não precisa de ninguém. Não sei e nem quero saber se está saindo com alguém, mas faz parte desse tipo de fuga buscar outra emoção. Não vai e nem eu vou encontrar, mas quem sofre da Síndrome do Leão da Montanha (aquele que dizia saída pela esquerda), precisa de válvulas de escape, ah, esse é um texto meu de 2012, se tiver paciência, cata no blog, não facilitarei. Se quiser ajudar ainda mais nessa fuga, posso excluir não só do pensamento, como do telefone e das redes sociais, sem problemas. Afinal, minha doença contagiosa é um problemão. Vai que transmite pelas ondas do celular? Eu, hein.


Sei bem o que é conhecer o desamor nessa vida e sei que algo diferente disso apavora tanto que dá comichão. Afinal, quando a dor é velha conhecida, sentir algo bom e que muda nossas percepções é profundamente difícil de lidar. Nunca falei em tipo de relação, apenas queria tentar o que fosse, sem blábláblá e rotulações ou xaropice. Mas, como sou boa entendedora, uma fuga enlouquecida basta. Enfim, essa é a última vez que importunarei, nem precisa se esconder de mim, caso estejamos em algum mesmo lugar, manterei distância segura de ti. Posso usar máscara para não lhe contaminar com minha saliva e luvas cirúrgicas. Tudo pela sua saúde e tranquilidade. Fica bem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

No próximo ano, lambuze-se

Os votos dessas festas de final de ano são iguais e repetidos ad infinitum mundo afora pela sua família, vizinhos, amigos, desconhecidos, desconfio de que até os mortos os repetem em seus túmulos. Blábláblá sem emoção jogado ao vento e nos ouvidos incautos de quem foge dessa hipocrisia morna e irritante. Portanto, serei sincera: desejo que nesse próximo ano, você se lambuze. Fique com o rosto sujo e a alma respingada pelo lambuzo. Descasque uma manga e coma sem cortar em pedaços, sinta o suco escorrendo pela sua boca, as mãos meladas. Lambuze-se. Vá mais vezes à pracinha de brinquedos com seus filhos e se lambuze de areia, sujeira e amor. Abrace sua mãe e seu pai, faça mais brincadeiras irônicas com seus irmãos, evite a irritação com comentários alheios. Lambuze-se de tolerância. Sinta que você pertence a você, mas permita que alguém se lambuze de você. Permita que se lambuze com suas palavras, seus gestos, suas atitudes, seus olhos, seu corpo.
No próximo ano, lambuze-se de amor-própri…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…