Pular para o conteúdo principal

A vida é o maior gozo



Não diga para eu curtir, sair pegando, estou bem assim, na minha. Macho não falta, mas homem é raro. Esses caras são uns bostas e bosta só no vaso sanitário e, ainda assim, puxo a descarga. Escolhi viver dessa maneira e sei que é uma fuga, mas deixe eu ser covarde em paz. Deixe que eu tome umas pingas por aí, volte girando em torno do meu eixo, sorria à toa. Gosto disso. Ser sozinha é muito diferente de ser solitária, não quero mais tropeços, esperar ligações ou ficar na duvida se respondo ou não uma mensagem. Se atendo ou não o telefone, se encontro ou não. Sentir uma dorzinha no peito ao recusar um convite. Nada disso. Se quiser um orgasmo, me masturbo ou uso o vibrador. E só.

Acha estranho, eu sei. Uma mulher ainda jovem, sem filhos, que pode fazer o que quer e quando quer. Perceba que já escolhi, desista dessa sua miopia estereotipada, nossa sociedade "moderna" exige que estejamos trepando e gozando e consumindo o tempo todo, como se um bom livro ou um filme não fossem tão orgasmáticos. O cérebro é o mais poderoso órgão sexual e posso gozar porque estou viva, feliz e tranquila. Gozo porque sou minha melhor companhia, às vezes saio à noite, às vezes vou às reuniões femininas para fofocar e trocar ideias, em outras situações me aninho no sofá e como minha pipoca assistindo a um filme. Isso é gozar a vida, fazer o que me satisfaz. Dar pra um qualquer não me fará melhor e nem a você, pois sei o que quero. E quero uma relação legal, de sintonia. Fora isso, nada. Diferente de você, atingi um estágio em que não preciso provar nada para ninguém, me garanto. Celebro e banco minha escolha, embora celebrar para nós tenha um sentido diferente.

Gosto de sair à noite porque transgrido. Gosto dessa catarse, do grupo. Mas gosto de estar apenas comigo. Nunca saí à noite para pegar macho, não se ofenda, não quero esse curtir e não condeno os outros, mas detesto esse ranço de seguir padrões, sou uma crítica ácida do meu tempo, me conhece. Faço o que quero e pronto, sem ofender e nem desrespeitar. Pode acontecer de alguém não gostar, paciência, sem a intenção de pisar na bola, posso ferir algumas suscetibilidades. Tenho ojeriza de que me digam como agir e o que fazer, sei quem eu quero ser e como, mas agradeço a preocupação. Vejo o mundo sob outra perspectiva, embora nem sempre pareça assim. E meu estado civil não é a razão para eu estar bem, eu tenho paz de espírito. Sou profundamente eu, evoluí ao ponto de saber o quero. Se não for, viro as costas. Não vivo mais pela metade.

Estou bem desse jeito, desistindo de novas pessoas ou de velhas relações. Dar uns amassos ou sentir friozinho na barriga? Não, obrigada. Esse recolhimento afetivo de maneira alguma me faz sofrer ou deixa carente, aliás, carente sou um pouco, me sinto desamparada e tudo, mas sei que não é qualquer pessoa que vai ser uma grande parceria. Sei que não é colecionando esperas ou arrependimentos na madrugada que serei mais feliz e terei paz. Não colecionarei lágrimas e nem vácuos (admita, você se acha esperta, faz gênero, mas está sempre sozinha, finge que não, mas sei que chora quase todas as noites escondendo o vazio e não entende porque eles não lhe procuram ou não a respeitam). Acredite, sou de outra categoria de pessoas: as que se amam acima de qualquer outra pessoa ou situação. E sabe qual o motivo disso tudo? Quero mais da vida e mais de mim. Agora, nesse momento, sou minha melhor companhia. De tanto me conhecer, descobri o óbvio: a vida é o maior gozo.

Comentários

  1. kkkkkkkkkkkkkkkk...eta bloguezinho divertido esse...sempre dou boas risadas quando tenho saco de ler essas melopéias...tá melhor que a encomenda...

    escreve aí como será o seu futuro: morar com a sua irmã e envelhecer rodeada de cuscos e algumas pulguinhas ou correr atrás de macho na noite...BOA SORTE (retribuindo a célebre e inesquecível gentileza)...kkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amiguinha loirinha, que o badoo seja sempre teu norte!

      Excluir

Postar um comentário

Obrigada.

Postagens mais visitadas deste blog

Amor é merecimento

Um rompimento sempre dá espaço às reflexões sobre o fim, quando escolhemos cair fora gostando muito da pessoa, ou quando há mais dúvidas do que certezas. No meu caso já fui muito magoada e caí fora porque não mereci o tratamento que recebi, mas isso já foi superado e essa situação me levou a perceber o motivo de me sentir tão entristecida. Pode ser que não seja possível escolher por quem nosso coração vai vibrar, quem vai nos fazer leves e tal, mas sentimos os primeiros sinais. Eu senti, mas fui cega para não perceber e cair fora antes. 

Apesar de alguém até contrariar esse meu pensamento, aprendi que amor é merecimento. Não vou mais entregar meu coração assim, por alguém que não faça por merecer, alguém que não demonstre muita vontade de estar por perto e que se importe. Sou naturalmente esquiva e arisca, apesar de já ter mudado bastante, sempre tenho a tendência à fuga. Mas quando sentimentos, emoções estão envolvidos, dá uma embaralhada, eu sei. No entanto, mesmo que sinta a proximi…

No próximo ano, lambuze-se

Os votos dessas festas de final de ano são iguais e repetidos ad infinitum mundo afora pela sua família, vizinhos, amigos, desconhecidos, desconfio de que até os mortos os repetem em seus túmulos. Blábláblá sem emoção jogado ao vento e nos ouvidos incautos de quem foge dessa hipocrisia morna e irritante. Portanto, serei sincera: desejo que nesse próximo ano, você se lambuze. Fique com o rosto sujo e a alma respingada pelo lambuzo. Descasque uma manga e coma sem cortar em pedaços, sinta o suco escorrendo pela sua boca, as mãos meladas. Lambuze-se. Vá mais vezes à pracinha de brinquedos com seus filhos e se lambuze de areia, sujeira e amor. Abrace sua mãe e seu pai, faça mais brincadeiras irônicas com seus irmãos, evite a irritação com comentários alheios. Lambuze-se de tolerância. Sinta que você pertence a você, mas permita que alguém se lambuze de você. Permita que se lambuze com suas palavras, seus gestos, suas atitudes, seus olhos, seu corpo.
No próximo ano, lambuze-se de amor-própri…

Sobre todas e todos os dias

Quando é noticiado violência contra a mulher, como agressões ou estupros, sempre há pessoas (entre elas algumas mulheres) atacando a vida e hábitos da mulher. Por ser sensual ou não, pelas roupas, por ter filho, pelo comportamento, o que, francamente, mesmo que fosse uma senhora freira, religiosa e que usasse um hábito tapando seus pés também seria motivo para essa cultura do estupro tomar forma. Fosse eu, você ou alguma parente ou amiga sua seria igualmente horrível e asqueroso o ato criminoso que homens cometem todos os dias contra mulheres. Na maioria dos casos não são loucos ou doentes, apenas terrivelmente mal-intencionados. 
E qual a parcela de culpa da sociedade nisso tudo? Toda a culpa. Quando hiper-sexualizam a mulher, objetificam e põe uma mulher contra a outra, quando a aparência é julgada, quando o desrespeito é a regra e incentivado, mulheres são e serão estupradas e abusadas todos os dias. Quando o não de uma mulher for interpretado como charme ou falso desinteresse, enqu…